Caracterização físico-ambiental da bacia hidrográfica do rio Santo Antônio

Autores

  • Cleiton Messias Rodrigues Abrão Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD)
  • André Geraldo Berezuk Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD)
  • Adelsom Soares Filho Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD)
  • Gilberto Alves de Assis Júnior Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD)

DOI:

https://doi.org/10.30612/rel.v12i24.15077

Palavras-chave:

SIG, Uso da terra, Sensoriamento Remoto, Geoprocessamento

Resumo

Este artigo tem por objetivo analisar os componentes físicos e antrópicos da Bacia Hidrográfica do Santo Antônio (BHSA), que foram compilados os mapas bases de geologia e solos, bem como dados coletados em trabalho de campo. Esses dados forma extraídos do projeto RADAMBRASIL, da Companhia de Pesquisa em Recursos Minerais (CPRM), referente a geologia da área e Levantamento semidetalhado das classes de solo disponibilizado pelo Geoportal na escala de 1:100.000, produzido pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA) para os municípios que compõem a bacia. Com auxílio das técnicas de sensoriamento remoto e Sistemas de Informação Geográfica, utilizou-se dados vetoriais e matriciais para ajustar algumas classes de solos, bem como elaborar o mapa de uso da terra e cobertura vegetal com as imagens Sentinel 2A. Os resultados mostram que existem 4 formações litológicas nessa bacia, com áreas de sobreposição de camadas entre Botucatu e Serra Geral, nas áreas com relevo mais acidentado. Para geomorfologia, a BHSA apresenta um relevo diverso, com formação de planaltos (morros e morrotes) no médio curso, e platôs, no alto curso. As planícies ficam restritas os fundos de vale, e em um nível mais elevado, os terraços fluviais. Já para os solos, há um predomino de latossolos vermelho no alto curso e neossolos regolíticos e litólicos no médio curso. As formas de uso mais presentes nessa bacia foram as pastagens encontradas no médio e baixo curso e agricultura concentrada, sobretudo no alto curso. No entanto, foi identificadas áreas de agricultura em solos rasos (neossolos) que possuem alta fragilidade a erosão. As características ambientais da área de estudo revelam uma tendência para a ocorrência de processos erosivos, em decorrência da ocupação de áreas com restrições ao uso agrícola.

Palavras-chave: SIGs. Sensoriamento Remoto. Uso da terra.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABRÃO, C. M.R.; BACANI, V.M. Diagnóstico da fragilidade ambiental na bacia hidrográfica do rio Santo Antônio, MS: subsídio ao zoneamento ambiental. Boletim Goiano de Geografia. v. 38, n. 3, p. 619-645, 2018.

ABRÃO, C. M.R.; KUERTEN, S. Avaliação da Área de Preservação Permanente do rio Santo Antônio na colônia Santo Antônio em Guia Lopes da Laguna-MS: aplicação do novo código florestal. Boletim Goiano de Geografia. v. 36, n. 2, p. 265-284, 2016.

ALVARENGA, S. M.; BRASIL, A. E.; DEL´ARCO, D. M. Geomorfologia In: BRASIL: ministério de minas e energia secretaria geral Projeto Radambrasil. Folha SF 21 Campo Grande; geologia, geomorfologia, pedologia, vegetação e uso potencial da terra. Rio de Janeiro, 1982. p. 125 – 184.

ANA. AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS. Disponível em: <http://www2.ana.gov.br/Paginas/default.aspx>. Acesso em 10 jun. 2020.

ARAÚJO, H. J. de. et al. Geologia. In: BRASIL: Ministério de Minas e Energia Secretária Geral Projeto Radambrasil. Folha SF 21 Campo Grande; geologia, geomorfologia, pedologia, vegetação e uso potencial da terra. Rio de Janeiro, 1982.

BOTELHO, R. G. M.; SILVA, A. S. da. Bacia hidrográfica e qualidade ambiental. In: VITTE, A. C.; GUERRA, A. J. T. Reflexões sobre a geografia física no Brasil. 5ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2011. p. 153 – 192.

CONGALTON, R. G. A Review of Assesing the Accuracy of Classifications of Remotely Sensed Data. Remote Sens. Environ. v. 47, p. 35-46, 1991.

CUNHA, E. R.; SANTOS, C. A. G.; SILVA, R. M da.; BACANI, V.M.; POTT, A. Future scenarios based on a CA-Markov land use and lande cover simulation model for a tropical humid basin in the Cerrado/Atlantic forest ecotone of Brazil. Land Use Policy, v.101, 2021. p. 105-141

DSG. DIRETORIA DO SERVIÇO GEOGRÁFICO DO EXÉRCITO (1973) Folha Vista Alegre SF. 21-X-C-VI. Escala: 1: 100.000.

DSG. DIRETORIA DO SERVIÇO GEOGRÁFICO DO EXÉRCITO. (1973) Folha Boqueirão SF. 21-X-C-V. Escala: 1:100.000.

DSG. DIRETORIA DO SERVIÇO GEOGRÁFICO DO EXÉRCITO. (1973) Folha Jardim SF. 21-X-C-II. Escala: 1.100.000.

DSG. DIRETORIA DO SERVIÇO GEOGRÁFICO DO EXÉRCITO. (1979) Folha Nioaque SF. 21-X-C-III. Escala: 1:100.000.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA (EMBRAPA). Levantamento de Baixa Intensidade de solos. 2009.< http://mapoteca.cnps.embrapa.br/> Acesso em 18 de março de 2017.

ENVI. Versão 5.1 Disponível em:<http://www.envi.com.br/envi.php> Acesso em: 14 set. 2017.

ESRI. Environmental Systems Research Institute. ArcGis10.2 Copyright ESRI Inc. 2013.

FLORENZANO, T. G. Sensoriamento remoto para geomorfologia In: FLORENZANO, T. G. Geomorfologia: conceitos e tecnologias atuais. São Paulo: Oficina de textos, 2008. p. 36 – 72.

IBGE. Manual técnico de geomorfologia. 2.ed. Rio de Janeiro: IBGE, 2009. 182p.

IBGE. Manual Técnico de uso da terra. 3.ed. Rio de Janeiro: IBGE, 2013. 171p.

IBGE. Manual Técnico de Vegetação. Rio de Janeiro: IBGE, 2012. 175p.

LACERDA FILHO, J. V. de. Geologia e recursos minerais do estado de Mato Grosso do Sul. Goiânia: CPRM, 2006. 121p.

LANDIS, J. R.; KOCH, G. G. The measurement of observer agreement for categorical data. Biometrics, v. 33, n.1, p. 159-174, 1977.

MATO GROSSO DO SUL. Secretária de Estado de Meio ambiente e Desenvolvimento Econômico (SEMADE). 2019 <http://www.semade.ms.gov.br/a-secretaria/> Acesso em 20 de Outubro de 2018.

MEDEIROS, R. B. Zoeamento Ambiental para o sistema Cárstico da Bacia Hidrográfica do Rio Formoso. (Tese de Doutorado) 403f. Dourados, UFGD, 2020.

NASCIMENTO, W. M. do.; VILLAÇA, M. G. Bacias hidrográficas: planejamento e gerenciamento. Rev. eletrônica da AGB – seção Três Lagoas MS. n. 7, maio., ano 5, 2008. p. 102 – 121.

ROSS, J. L. S. Land forms and environmental planning: potentialities and fragilities .Revista do depto. degeografia - FFLCH – USP, 2012. p. 38 – 51.

ROSS, J. L. S. O registro cartográfico dos fatos geomórficos e a questão da taxonomia do relevo. Revista do depto de geografia FFLCH/USP. 1992. p. 19 – 29.

ROSS, J. L. S.; DEL PRETTE, M. E. Recursos hídricos e as bacias hidrográficas: âncoras do planejamento e gestão ambiental. Revista do depto de geografia – FFLCH – USP: Humanitas, 1998. p. 88 – 121.

SANTOS, R. F. dos. Planejamento ambiental: teoria e prática. São Paulo, SP: Oficina de Textos, 2004. 184p.

SANTOS, R. D. dos.; LEMOS, R. C. de.; SANTOS, H. G. dos.; KER, J. C.; ANJOS, L. H. C. dos. Manual de descrição e coleta de solo no campo. 53 ed. Viçosa, Sociedade Brasileira de Ciência de Solo, 2005. 100p.

SEMADE. SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO-MS. Disponível em: <http://www.semade.ms.gov.br/a-secretaria/> Acesso em 22 mar. 2019

SILVA, J. S. V.; POTT, A.; ABDON, M. M. POTT, V. J.; SANTOS, K, R. Projeto GeoMS: Cobertura vegetal e uso da terra do Estado de Mato Grosso do Sul. Campinas: Embrapa Informática Agropecuária, 2011. 64p.

TROMBETA, L. R.; LEAL, A. C. Planejamento ambiental e geoecologia das paisagens: contribuições para a bacia hidrográfica do córrego Guaiçarinha, município de Álvares Machado, São Paulo, Brasil. Rev. Formação Online. v. 3, n. 23, 2016. 187-216.

UNITED STATES GEOLOGICAL SURVERY. Shuttle Radar Topography Mission. 2019 <https://earthexplorer.usgs.gov/ > Acesso em 15 de abril de 2017.

UNITED STATES GEOLOGICAL SURVEY. <https://earthexplorer.usgs.gov/ > Acesso em 15 de abril de 2017.

Downloads

Publicado

30/12/2021

Como Citar

Abrão, C. M. R., Berezuk, A. G., Soares Filho, A., & Assis Júnior, G. A. de. (2021). Caracterização físico-ambiental da bacia hidrográfica do rio Santo Antônio. Revista Entre-Lugar, 12(24), 98–125. https://doi.org/10.30612/rel.v12i24.15077

Edição

Seção

Artigos