O programa escolas bilíngues de fronteira: cruzando territórios. Reconhecendo culturas?

Autores

  • Francione Oliveira Carvalho Estácio Uniradial

Palavras-chave:

Interculturalidade. Tríplice Fronteira. Educação. Foz do Iguaçu.

Resumo

Este artigo é resultado da tese de doutorado que investigou os projetos interculturais em Foz do Iguaçu, cidade de tríplice fronteira no oeste do Paraná. Aqui discutimos o PEBF- Programa Escolas Bilíngues de Fronteira, especificamente na fronteira estudada, já que ele acontece em outras regiões fronteiriças do Brasil, procurando compreender seu funcionamento, seus benefícios e limites. Investiga como o PEBF ocorre nas duas escolas que estão envolvidas: Escola Municipal Adele Zanotto Scalco, localizada na cidade de Foz do Iguaçu e Escuela 164, em Puerto Iguazú, na Argentina. As aulas do PEBF - Programa Escolas Bilíngues de Fronteira em Foz do Iguaçu foram iniciadas no segundo semestre de 2006 e encerradas no término de 2009, sendo retomadas em 2011. No artigo priorizamos a análise sobre os dois primeiros anos do programa na fronteira, e o trabalho desenvolvido pelas professoras brasileiras na escola argentina.

Referências

ARGENTINA. BRASIL. Documento escrito em co-parceria com os

Ministérios da Educação da Argentina e Brasil em março de 2008 sobre o

Programa Escolas Bilíngües de Fronteira (PEBF) “Modelo de ensino comum em escolas de zona de fronteira, a partir do desenvolvimento de um programa para a educação intercultural, com ênfase no ensino do

português e do espanhol”: um esforço binacional argentino-brasileiro para

construção de uma Identidade Regional Bilíngüe e Intercultural no marco de uma cultura de paz e de cooperação interfronteiriça. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/Escolafronteiras/doc_final.pdf

Acesso em: 26 jul. 2010.

ARGENTINA, BRASIL, PARAGUAI, URUGUAI. Tratado de AssunçãoTratado

para a constituição de um mercado comum entre a República Argentina, a República Federativa do Brasil, a República do Paraguai e a

República do Uruguai. Assinado em 26 de março de 1991. Disponível

em: www.antaq.gov.br/portal/pdf/Mercosultratadoassuncao.pdf, Acesso

em: 26 de jul. 2010.

CARVALHO, F. O. Fronteiras Instáveis: inautenticidade intercultural na

escola de Foz do Iguaçu. Tese (Doutorado em Educação, Arte e História da Cultura) – Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, 2011.

GIROUX, H. Os professores como intelectuais: rumo a uma pedagogia

crítica da aprendizagem. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

IPOL – Instituto de Investigação e Desenvolvimento em Política

Linguística. Ata do acompanhamento pedagógico na Escola Municipal

Adele Zanotto Scalco, Foz do Iguaçu, 2007.

KINCHELOE. J. L. A formação do professor como compromisso político:

mapeando o pós-moderno. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE FOZ DO IGUAÇU.

Relatório Técnico de acompanhamento do PEBF, Foz do Iguaçu,

/04/2006.

TAYLOR, C. A ética da autenticidade. São Paulo: É Realizações, 2011.

Downloads

Publicado

20/12/2012

Como Citar

Carvalho, F. O. (2012). O programa escolas bilíngues de fronteira: cruzando territórios. Reconhecendo culturas?. Educação E Fronteiras, 2(5), p.132–148. Recuperado de https://ojs.ufgd.edu.br/index.php/educacao/article/view/2152

Edição

Seção

Demanda Contínua