As narrativas escolares pelas lentes da cultura da mídia: o humor como um campo de representação

Autores

  • Luciana Cristina Porfírio [UNESP]

Palavras-chave:

Cultura da mídia. Comunicação. Televisão. Programas de humor. Educação escolar.

Resumo

O presente texto apresenta uma pesquisa que foi desenvolvida no período de 2001 a 2004 e que se ocupou de analisar as narrativas produzidas sobre a escola no programa humorístico de televisão Escolinha do Professor Raimundo. Sua contribuição para o campo educacional caminha na direção da análise de fontes que não estão dadas a priori, mas que são construídas durante a produção da pesquisa. Os produtos que são veiculados pela cultura da mídia podem e foram tomados, simultaneamente, como fonte e objeto de pesquisa. Para tanto, foi preciso qualificar algumas construções teóricas vinculadas aos estudos culturais, da comunicação e do humor como campo de representação tendo como referencia o conceito de linguagem e televisibilidade desenvolvido, respectivamente, por Rocco (1991) e Fischer (2000). O processo de construção das fontes, que envolveu procedimentos de gravação e seleção dos programas pautou-se, em seus aspectos téorico-metodológicos, nas idéias desenvolvidas pelo historiador Carlo Ginzburg sobre o paradigma indiciário.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ADORNO, T.; HORKHEIMER, M. A indústria cultural: o esclarecimento

como mistificação das massas In: ADORNO, T.; HORKHEIMER.

Dialética do esclarecimento. Rio de Janeiro: Zahar, 1985.

ALMEIDA, M. J. de. Imagens e Sons: A nova cultura oral. 2.ed. São Paulo: Cortez, 2001. (Coleção Questões da nossa época)

ARRUDA, M. A. do N. A embalagem do sistema: a publicidade no capitalismo brasileiro. São Paulo: Livraria Duas Cidades, 1985.

BACCEGA, M. A. Comunicação/ Educação: aproximações. In:

HAMBURGER, E. & BUCCI, E. (orgs). A TV aos 50: criticando a

televisão brasileira no seu cinqüentenário. São Paulo: Perseu Abramo,

BLOCH, M. Introdução à história. 6ª edição. Lisboa: América, s/d.

BOURDIEU, P. O poder simbólico. Lisboa: Rio de Janeiro: Difel / Bertrand

Brasil, 1989.

BOURDIEU, P. Sobre a televisão. Tradução Maria Lucia Machado – Rio de

Janeiro: Jorge Zahar . 1997.

BREMMER, J. & ROODENBURG, H. (orgs.) Uma história cultural do humor.

Tradução de Cynthia Azevedo e Paulo Soares. Rio de Janeiro/ São

Paulo: Record, 2000.

CHARLOT, B. O fracasso escolar: um objeto inencontrável. In: Da relação

com o saber: elementos para uma teoria. Porto Alegre: Artmed, 2000.

CHARTIER, A-M. e Hébrard, J. A invenção do cotidiano: Uma leitura,

Usos. Projeto História: trabalhos da memória. São Paulo, n.17, p.1-295,

Nov./98.

CHARTIER, A-M. Fazeres ordinários da classe: uma aposta para a pesquisa e para a formação. Educação e Pesquisa.. São Paulo, v. 26. n.2. 174 p. jul./dez. 2000.

CHARTIER, R. A história cultural: Entre práticas e Representações.

Tradução de Maria Manuela Galharda. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil,

S.A., 1990.

CHARTIER, R. O mundo como representação. Estudos Avançados v.11,

n.5, 1991.

CHARTIER, R. Textos, impressão, leituras In: HUNT, L. (org). A nova

história cultural. São Paulo: Fontes, 1995.

DALTON, M. O currículo de Hollywood: quem é o bom professor, quem é

a boa professora? Porto Alegre: Educação e Realidade, v.21, n. 1, jan./jun. 1996, p. 97-122.

DAMACENO, E. R. & PEREIRA, L.F. K. Humor Radiofônico. In: Atas

XIX INTECOM. Congresso de Comunicação, 1999. Rio de Janeiro.

ECO, U. Apocalípticos e Integrados. São Paulo, Perspectiva, 1993.

FABRIS, E. H. Hollywood e a produção de sentidos sobre o estudante. In:

COSTA, M. V. (org.). Estudos Culturais em educação: mídia, arquitetura,

brinquedo, biologia, literatura, cinema... Porto Alegre: Editora da

Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), 2000.

FISCHER, R. M. B. A escola na televisão: quem se reconhece na

“Escolinha do professor Raimundo?”. Porto Alegre: UFRGS. Educação e

Realidade, v.18, n.2, Jul./Dez.1993.

FISCHER, R. M. B. O estatuto pedagógico da mídia: questões de análise.

Porto Alegre: UFRGS. Educação e Realidade, v.22, nº. 2, jul./dez. 1997.

FISCHER, R. M. B. Televisão e educação: pensar e fruir a TV. Belo

Horizonte: Autêntica, 2001. (Coleção Temas em Educação).

FLORES, E. C. Representações cômicas da República no contexto do

Getulismo. Revista Brasileira de História, v.21 n.40 – 2001. pp:133-157.

FREUD, S. Obras Psicológicas Completas Volume VIII: Os chistes e sua

relação com o inconsciente. Rio de Janeiro: Editora Imago, 1976.

GINZBURG, C. Mitos, Emblemas, Sinais. Tradução de Frederico Carotti.

São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

HALL, S. A centralidade da cultura: notas sobre as revoluções culturais do

nosso tempo. Educação e Realidade, v.22, n..2. Jul./Dez. 1997.

KELLNER, D. A cultura da mídia: estudos culturais: identidade e política

entre o moderno e o pós-moderno. Bauru, SP: EDUSC. Tradução de Ivone

Castilho Benedetti, 2001.

LE GOFF, J. O riso na Idade Média. In: BREMMER, J. & ROODENBURG, H. Uma história cultural do humor. Tradução de Cynthia Azevedo e Paulo Soares. Rio de Janeiro/ São Paulo: Record, 2000.

LEAL FILHO, L. A TV Pública. In: HAMBURGER, E. & BUCCI, E.

(orgs.) A TV aos 50: Criticando a televisão brasileira no seu

Cinqüentenário. São Paulo: Perseu Abramo, 2000.

MACHADO, A. A televisão levada a sério. São Paulo: Brasiliense, 2000.

MANGUEL, A. Uma história da leitura. Tradução Pedro Maia Soares. São

Paulo: Companhia das Letras, 1997.

MICELI, S. A noite da madrinha. São Paulo: Perspectiva, 1982. (Coleção

Debates: Ciências Sociais).

MORAES, A.C. A escola vista pelo cinema. In: SOUSA, C. P. de, et.al.

(org.): Atas do II Congresso Luso-Brasileiro de História da Educação, v. 1. São Paulo: Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, p.35-40, 1998.

NOVAES, A. (org.). Rede imaginária: televisão e democracia. São Paulo:

Companhia das Letras/ Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo, 1991.

POSSENTI, S. Rindo do descobrimento do Brasil. In: Os discursos do

descobrimento. São Paulo: Vozes, 2000.

ROCCO, M. T. F. As palavras na TV. In: NOVAES, A. (org.) Rede

imaginária: televisão e democracia.Companhia das Letras, 1991.

SALIBA, E. T. O Humor no limiar do cotidiano e da História. In: Encontros

com a História. n.2, Sujeitos na História: práticas e representações. XIV

Encontro Regional de História – 8 a 11/Setembro, 1998.

SALIBA, E. T. Raízes do riso: a representação humorística do dilema

brasileiro: da belle époque aos primeiros tempos do rádio. São Paulo, 2000. Tese (Livre-Docência em Teoria da História) – FFLCH da Universidade de São Paulo.

SALIBA, E. T. Representações do cômico no cinema e na história:

anotações pertinentes e digressões impertinentes. Estudos de História.

Franca, v.4, n.2, 1997.

SETTON, M. da G. J. Industria cultural: Bourdieu e a teoria clássica.

Comunicação e Educação. São Paulo, n.22, p. 26-36, set./dez. 2001.

SILVA, T. T. da. Alienígenas na sala de aula. Rio de Janeiro: Petrópolis:

Vozes, 1995.

VEIGA-NETO, A. Michel Foucault e os Estudos Culturais. In: COSTA, M.

V. (org.). Estudos Culturais em Educação: mídia, arquitetura, brinquedo,

biologia, literatura, cinema... Porto Alegre: Editora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), 2000.

VELOSO, M. P. Imaginário humorístico e modernidade carioca. São

Paulo, 1995. Tese (Doutorado em História Social) – FFLCH da Universidade de São Paulo.

Downloads

Publicado

2012-01-13

Como Citar

PORFÍRIO, L. C. As narrativas escolares pelas lentes da cultura da mídia: o humor como um campo de representação. Educação e Fronteiras, Dourados, v. 1, n. 3, p. p.80–99, 2012. Disponível em: https://ojs.ufgd.edu.br/index.php/educacao/article/view/1518. Acesso em: 2 fev. 2023.

Edição

Seção

Dossiê