A renúncia aos bens mundanos de Giotto Di Bondone: reflexões acerca da infância na Idade Média

Meire Aparecida Lóde Nunes, Terezinha Oliveira, Sthefany Matheus da Silva

Resumo


O objetivo do texto é refletir acerca do conceito de infância na Idade Média por meio da análise iconográfica da obra de Giotto Di Bondone, Renuncia aos bens mundanos. A delimitação do período, Idade Média, decorre-se do fato do conceito de infância medieval ser distante do contemporâneo, pois, de acordo com o estudioso Philippe Ariès (1978), as crianças eram adultos em miniaturas. O estudo tem como método reflexivo a História Social, que permite um diálogo entre diferentes áreas do conhecimento, ampliando as possibilidades de pensar o nosso tempo. Pretendemos, neste artigo, indicar uma possibilidade de análise no qual o conceito de infância possa ser pensado sob uma perspectiva histórica em que se privilegia a vinculação entre a formação da criança e, em concomitância o projeto de sociedade adulta a ser constituída. Assim, nosso discurso será desenvolvido no sentido de evidenciar que na concepção de infância que um dado tempo desenha, está também, delineado o seu entendimento de sociedade. Sob este aspecto, pensar a educação da criança é pensar, também, o desenvolvimento e formação do ser humano.


Palavras-chave


Infância. Idade Média. Giotto

Texto completo:

PDF

Referências


ARIÈS, Philippe. História social da criança e da família, Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

BLOCH, Marc. Apologia da história: ou o ofício de historiador, Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

BOAVENTURA. “Legenda Maior”. In: SILVEIRA, Ildefonso (Org.); REIS, Orlando dos (Org.). São Francisco de Assis: escritos, biografias, crônicas e outros testemunhos do primeiro século franciscano. 9. ed. Petrópolis: Vozes, 2000, p. 461-610.

BRASIL. Estatuto da Criança e do Adolescente. Câmera dos Deputados, Lei no 8.069, de 13 de julho de 1990. DOU de 16/07/1990 – ECA. Brasília, DF, 1990.

BRAUDEL, Fernand. Escritos sobre a história. São Paulo: Perspectiva, 1978.

CARDOSO, Ciro Flamarion; VAINFAS, Ronaldo. Domínios da história: ensaios de teoria e metodologia, 5 ed. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

CECCHI, MATEO. Giotto. Roma: ATS ItaliaEditrice, 2011.

digital source, 2002.

DUBY, G.; ARIÉS, P. H. História da vida privada: da Europa feudal à renascença. São Paulo: Companhia das. Letras, 2009.

ECO, Humberto. Idade Média: Bárbaros, cristãos e muçulmanos. Córdoba: Dom Quixote, 2010.

FRANCO JÚNIOR, Hilário. A Idade Média: nascimento do ocidente. São Paulo: Brasiliense, 2001.

GROMBRICH, E.H. A história da Arte. Rio de Janeiro: LTC, 2007.

HEYWOOD, Colin. Uma história da infância: Da Idade Média à Época Contemporânea no Ocidente, Porto Alegre: Artmed, 2004.

KANT, Immanuel. Sobre a Pedagogia. Piracicaba: Unimep, 1999.

KANT. Resposta à pergunta: “Que é o Esclarecimento. In: Antologia de textos filosóficos. Curitiba: SEED, 2009.

KUHLMANN JUNIOR, Moysés. Infância e Educação Infantil: uma abordagem histórica, Porto Alegre: Mediação, 2011.

LE GOFF, Jacques; TRUONG, Nicolas. Uma história do corpo na Idade Média. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.

LE GOFF, Jaques. Uma longa Idade Média. 2 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

NUNES, Ruy Afonso da Costa. História da Educação na Idade Média. São Paulo: Editora Pedagógica e Universitária Ltda., 1979.

OLIVEIRA, Terezinha. Um olhar da História da Educação no Educar Medievo: um Diálogo, um Manual e uma imagem (1516-5485). Revista Internacional d’Humanitats, v. XII, p. 27-38, 2009.

TREVISAN, A. O rosto de Cristo. Porto Alegre: AGE, 2003.

WOLF, Norbert. Giotto. Lisboa: Taschen, 2007.

ZOLET, Lilian. Síndrome do imperador: entendendo a mente das crianças mandonas e autoritárias. Foz do Iguaçu: Epígrafe, 2017.




DOI: https://doi.org/10.30612/eduf.v10i28.13034

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.