INTERSEÇÕES ENTRE PAISAGEM, LOUCURA E ESPAÇO MANICOMIAL

Autores

Palavras-chave:

Paisagem, loucura, espaço manicomial, apropriação do espaço

Resumo

Este artigo busca problematizar a apropriação dos espaços do Hospital Psiquiátrico de Jurujuba, em Niterói/RJ, através da perspectiva dos pacientes. Aponta-se para a possibilidade de uma reflexão que vislumbre as diferentes formas de reinvenção do espaço que se reflete na paisagem interna do Hospital. Para tal, apresentamos uma breve análise dos cartazes produzidos pelos pacientes e fixados nas paredes do saguão de entrada e corredores, tensionando a paisagem manicomial estéril e desumanizada – própria das instituições totais. Dada à complexidade da empreitada, propomos uma linguagem teórico-conceitual renovada, na tentativa de aproximação dos campos da Geografia e Saúde Mental, materializada em alguns conceitos que se articulam para tentar expressar e dar conta de uma análise geográfica da relação entre loucura, sociedade e espaços institucionais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucas Tavares Honorato, Doutorando no Programa de Pós-graduação em Geografia da Universidade Federal Fluminense.

Bolsista CAPES, Geógrafo e Professor de Geografia

Mestre em Ordenamento Territorial Urbano e Regional - PPGEO/UFF

Doutorando em Ordenamento Territorial e Ambiental - PPGEO/UFF

Conselheiro Titular do Conselho de Políticas Urbanas de Niterói (COMPUR-Niterói)

Associação dos Geógrafos Brasileiros - AGB-Niterói | GT de Assuntos Urbanos

GEO-DEMO - Grupo de Estudos de Espaço e População

POLIS - Laboratório de História Econômico-Social Portos e Cidades no Mundo Atlântico

Referências

ARGULLOL, Rafael. O fim do mundo como obra de arte: um relato da cultura ocidental. Rio de janeiro, Ed. Rocco, 2002.

BASAGLIA, Franco. A instituição da violência. Trad. Coletivo Centelha Viva, s/d.

BENELLI, Sílvio José. A Instituição total como agência de produção de subjetividade na sociedade disciplinar. Estudos de Psicologia, Campinas , v. 21, n. 3, 2004. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-166X2004000300008&lng=en&nrm=iso. Último acesso em 19 de fevereiro de 2017.

BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: Ensaios sobre a literatura e a história da cultura. Tradução: Sergio Paulo Rouanet, São Paulo, Ed. Brasiliense, 1987.

CASTEL, Robert. A Ordem Psiquiátrica - A idade de Ouro do Alienismo. Rio de janeiro: Graal, 1978.

CORRÊA, Roberto Lobato. Território e corporação: um exemplo. In: SANTOS, Milton; SOUZA, Maria Adélia A. de Souza; SILVEIRA, Maria Laura. Território, globalização e fragmentação. São Paulo: Hucitec, 1994.

COSTA-ROSA, Abílio da. Atenção Psicossocial além da Reforma Psiquiátrica: contribuições a uma Clínica Crítica dos processos de subjetivação na Saúde Coletiva. São Paulo: Editora UNESP, 2013.

CROSGROVE, Denis. Observando la naturaliza: el paisaje y el sentido europeo de la vista. Boletín de la A.G.E., nº 34, 2002. Disponível em: http://www.age-geografia.es/ojs/index.php/bage/article/view/428. Acesso em: jan. 2018.

DELEUZE, Gilles. Que és un dispositivo? In: BALIBAR, Etienne (Org.). Michel Foucault, filósofo. Barcelona: Gedisa, 1999.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. O Anti-Édipo. Rio de Janeiro: Imago Editora, 1976.

DELEUZE, Gilles; PARNET, Claire. Diálogos. São Paulo: Editora Escuta, 1998.

FERREIRA, Alvaro. A produção do espaço: entre dominação e apropriação. Um olhar sobre os movimentos sociais. Geocrítica Scripta. Nova. Revista eletrônica de Geografia y ciências sociales. Universidade de. Barcelona, Vol. XI, núm 245 (15), 2007

FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade III: O Cuidado de Si. 8 ed. São Paulo, Edições Graal, 1985.

_________. História da loucura na idade clássica. Trad. de José Teixeira Coelho Netto. São Paulo: Perspectiva, 1978.

______. Vigiar e Punir: nascimento da prisão. Trad. Lígia M. Ponde Vassalo. Petrópolis: Vozes, 1987

______. As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas. 8ª ed., São Paulo: Martins Fontes, 1999.

GOFFMAN, Ervin. Manicômios, prisões e conventos. 2ª ed. São Paulo: Perspectiva, 1987.

GOMES, Paulo César da Costa. O lugar do olhar: elementos para uma geografia da visibilidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2013.

HAESBAERT, Rogério. O mito da desterritorialização: do "fim dos territórios" a multi-territorialidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004.

______. Território e Multiterritorialidade: um debate. GEOgraphia, ano IX, n.17, p.19-46, 2007.

HEIDEGGER, Martin. Construir, Habitar, Pensar. In: Ensaios e Conferências. (trad.) Márcia Sá Cavalcante Schuback. Petrópolis: Vozes. 2ª ed. 2002.

HOLLOWAY, Jhon. Fissurar o capitalismo. São Paulo: Publisher Brasil, 2013.

HONORATO, Lucas Tavares. Dos “territórios em loucura” aos “territórios da loucura”: desafios teórico-metodológicos, práticos e políticos para a abordagem territorial na Saúde Mental. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Universidade Federal Fluminense, 2017.

LEFEBVRE, Henri. La Production de l’Espace. Paris : Anthropos, 1986.

______. O direito à cidade. São Paulo: Centauro, 2001.

PINEL, Philippe. (1801) Tratado médico-filosófico sobre a alienação mental ou a mania. Tradução: Joice Armani Galli. Editora da UFRGS. Porto Alegre: 2007.

SANTOS, Maria Fernanda Cardoso. A ontologia do presente e as artes da existência em Foucault. Rev. Saberes, Natal-RN, v. 3, número especial, 2010. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/saberes/article/download/879/811. Último acesso em 13/01/2018.

SAQUET, Marcos Aurélio. O Tempo, o Espaço e o Território. In: SOUZA, Álvaro José de et. al. Paisagem Território e Região: em busca da identidade. Cascavel: EDUNIOSTE, 2000.

VANEIGEM, Raoul. Banalidades de Base. 3ª ed., Editora Frenesi, 1998.

Publicado

14/01/2020

Como Citar

Honorato, L. T. (2020). INTERSEÇÕES ENTRE PAISAGEM, LOUCURA E ESPAÇO MANICOMIAL. Revista Da ANPEGE, 15(26), 6–35. Recuperado de https://ojs.ufgd.edu.br/index.php/anpege/article/view/8264