Circulação, transportes e centralidade regional em Chapecó, Santa Catarina

João Henrique Zoehler Lemos, Lucas Azeredo Rodrigues

Resumo


Quando as discussões geográficas exploram o tema dos papéis urbanos e das centralidades que as cidades exercem, alguns elementos possuem uma importância fundamental, como os ligados à circulação. Na atividade dos transportes, a movimentação de passageiros nos revela topologias de fluxos de pessoas que são próprios da formação urbano-regional. Face a isso, este trabalho objetiva discutir as interações espaciais em Chapecó, cidade média situada no Oeste de Santa Catarina, a partir dos transportes coletivos aéreo e rodoviário. Essas atividades são um produto dialético das funções e papéis desempenhados na rede urbana nacional. Com apoio de dados de órgãos públicos, a discussão problematiza a importância dos transportes na produção das cidades, expressão da mais ampla divisão territorial do trabalho e de uma economia sustentada em fluxos gradualmente mais acelerados. Conclui-se que os fluxos de pessoas são expressões da própria formação socioespacial, concretizam relações regionais e conjugam as transformações recentes do território brasileiro.

Palavras-chave


Geografia dos transportes; transporte aéreo de passageiros; transporte rodoviário de passageiros; desenvolvimento regional e urbano; cidades médias

Texto completo:

PDF

Referências


ABRATI – Associação Brasileira das Empresas de Transporte Terrestre de Passageiros (Org.). Anuário estatístico 1972-2018. Brasília: [s. n.], 2019.

ALBA, R. S. Espaço urbano: os agentes da produção em Chapecó. 2. ed. Chapecó: Argos, 2013.

ALBA, R. S. et al. Dinâmica populacional no oeste catarinense: indicadores de crescimento populacional dos maiores municípios. In: BRANDT, M.; NASCIMENTO, E. (Org.). Oeste de Santa Catarina: território, ambiente e paisagem. São Carlos; Chapecó: Pedro e João; UFFS, 2015. p. 41-69.

ANAC – Agência Nacional da Aviação Civil. Dados abertos. 2020. Disponível em: https://www.anac.gov.br/acesso-a-informacao/dados-abertos. Acesso em: 07 abr. 2020.

ANAC – Agência Nacional da Aviação Civil. Dados abertos. 2021. Disponível em: https://www.anac.gov.br/acesso-a-informacao/dados-abertos. Acesso em: 01 abr. 2021.

ANTT – Agência Nacional de Transportes Terrestres. Sistema de Controle de Dados dos Serviços de Transporte Rodoviário de Passageiros – SISDAP. 2019. Disponível em: http://www.antt.gov.br. Acesso em: 1 out. 2020.

ARROYO, M. Dinâmica territorial, circulação e cidades médias. In: SPOSITO, E. S.; SPOSITO, M. E. B.; SOBARZO, O. (Org.). Cidades médias: produção do espaço. São Paulo: Expressão Popular, 2006. p. 71-85.

BECKER, O. M. S. Mobilidade espacial da população: conceitos, tipologia, contextos. In: CASTRO, I. E.; GOMES, P. C. C.; CORRÊA, R. L. (Org.). Explorações Geográficas: percursos no fim de século. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1997. p. 319-366.

CHEPTULIN, A. A dialética materialista: leis e categorias da dialética. São Paulo: Alfa-Ômega, 1982.

COCCO, R. G. Transporte público e mobilidade na Região Metropolitana de Florianópolis. Florianópolis: Insular, 2017.

CONTEL, F. B. Os sistemas de movimento do território brasileiro. In: SANTOS, M.; SILVEIRA, M. L. O Brasil: território e sociedade no início do século XXI. 11. ed. Rio de Janeiro: Record, 2008. p. 357-374.

CORRÊA, R. L. Região e organização espacial. 2. ed. São Paulo: Ática, 1987.

CORRÊA, R. L. Interações espaciais. In: CASTRO, I. E.; GOMES, P. C. C.; CORRÊA, R. L. (Org.). Explorações Geográficas: percursos no fim de século. 4. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1997. p. 279-318.

CORRÊA, R. L. Construindo o conceito de cidade média. In: SPOSITO, M. E. B. (Org.). Cidades médias: espaços em transição. São Paulo: Expressão Popular, 2007. p. 23-33.

CORRÊA, R. L. Processos, formas e interações espaciais. Revista Brasileira de Geografia, v. 61, n. 1, p. 127-134, jan./jun., 2016. DOI: 10.21579/issn.2526-0375_2016_n1_art_7.

CORRÊA, R. L. Cidades médias e rede urbana. In: SILVA, W. R.; SPOSITO, M. E. B. (Org..). Perspectivas da urbanização: reestruturação urbana e das cidades. Rio de Janeiro: Consequência, 2017. p. 29-38.

ESPÍNDOLA, C. J. As agroindústrias de carne do Sul do Brasil. 2002. 273 f. Tese (Doutorado em Geografia Humana) – Departamento de Geografia, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2002.

GOTTMAN, J. La politique des États et leur Géographie. Paris: Armand Colin, 1952.

HUERTAS, D. Território e circulação: transporte rodoviário de carga no Brasil. São Paulo: Ed. Unifesp, 2018.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Base cartográfica contínua na escala 1:250.000. Rio de Janeiro: IBGE, 2017. Disponível em: http://geoftp.ibge.gov.br/cartas_e_mapas/ bases_cartograficas_con-tinuas/bc250/versao2017/shapefile. Acesso em: 17 nov. 2018.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Séries de dados temporais para o Censo Demográfico (1940, 1950, 1960, 1970, 1980, 1991, 2000 e 2010). Sistema IBGE de Recuperação Automática. Disponível em: http://sidra.ibge.gov.br. Acesso em: 17 nov. 2018.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Estimativas da população. 2019. Disponível em: www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/populacao/9103-estimativas-de-populacao.html. Acesso em: 02 out. 2019.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Regiões de influência das cidades 2018. Rio de Janeiro: IBGE, 2020.

LABTRANS – LABORATÓRIO DE TRANSPORTES E LOGÍSTICA. Metodologia do relatório regional: objeto 1 – apoio ao planejamento do sistema aeroportuário do país; fase 2 – sistematização de informações de demanda por serviços aeroportuários. LABTRANS; UFSC: Florianópolis, 2016.

LEMOS, J. H. Z. Transporte rodoviário interestadual de passageiros e cidades médias: circulação e interações em Chapecó, Santa Catarina. Geografia, Londrina, v. 29, n. 2, p. 69-90, jul., 2020. DOI: 10.5433/2447-1747.2020v29n2p69.

MAMIGONIAN, A. A indústria em Santa Catarina: dinamismo e estrangulamento. In: MAMIGONIAN, A. (Org.). Santa Catarina: estudos de Geografia Econômica e Social. Florianópolis: GCN; CFH; UFSC, 2011. p. 73-120.

MATIELLO, A. et al. Chapecó/SC: o agronegócio, o setor terciário em expansão e a crescente desigualdade socioespacial. In: SPOSITO, M. E. B.; MAIA, D. S. (Org.). Agentes econômicos e reestruturação urbana e regional: Dourados e Chapecó. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2016. p. 171-319.

MOTTER, C. A cidade de Chapecó e suas centralidades: uma análise a partir dos subcentros e eixo comercial. 2016. 187 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Instituto de Geografia, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2016.

NASCIMENTO, E. Chapecó: evolução urbana e desigualdades socioespaciais. In: BRANDT, M.; NASCIMENTO, E. (Org.). Oeste de Santa Catarina: território, ambiente e paisagem. São Carlos; Chapecó: Pedro e João; UFFS, 2015. p. 97-153.

NASCIMENTO, E; LEMOS, J. H. Z. Territórios urbanos precários: uma análise da cidade de Chapecó, SC, Brasil. Terr@ Plural, Ponta Grossa, v. 14, p. 1-23, 2020. DOI: 10.5212/TerraPlural.v.14.e2013362.015.

PERTILE, N. Espaço, técnica e tempo em Chapecó. In: SCHEIBE, L. F. Ensaios a partir de “A natureza do espaço”. Florianópolis: Fundação Boiteux, 2007. p. 153-178.

RATZEL, F. Geografia dell’uomo (antropogeografia). Torino: Fratelli Bocca, 1914.

REOLON, C. A. A aglomeração urbana da soja: Cascavel e Toledo no contexto da metropolização na mesorregião Oeste Paranaense. 2007. 244 f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Regional e Agronegócio) – Centro de Ciências Sociais Aplicadas, Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Cascavel, 2007.

RODRIGUES, L. A. Transporte aéreo de passageiros no estado de Santa Catarina: estratégias logísticas e organização territorial. 2020. 330 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2020.

RODRIGUES, L. A.; BRANDT, M. Formação e dinâmica da aviação comercial em Chapecó (1940-1990). In: NASCIMENTO, E.; VILLELA, A.; MAIA, C. M. (Org.). Território e Sociedade - Novos estudos de Chapecó e Região. Mauritius: Novas Edições Acadêmicas, 2018

SANTA CATARINA. Secretaria de Estado da Infraestrutura e Mobilidade. Banco de dados da movimentação de passageiros 2000-2020. Florianópolis, 2020. 1 arquivo, 149.509 KB. Banco de dados.

SANTOS, B. C. Divisão territorial do trabalho, rede urbana e transporte rodoviário interestadual de passageiros no Brasil. Transporte y território, n. 20, p. 135-164, ene./jun., 2019.

SANTOS, M. O espaço do cidadão. 3. ed. São Paulo: Edusp, 2007.

SANTOS, M. Espaço e método. 5. ed. São Paulo: Edusp, 2008.

SANTOS, M. Da totalidade ao lugar. São Paulo: Edusp, 2012.

SANTOS, M. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. São Paulo: Edusp, 2014.

SANTOS, M. A urbanização brasileira. São Paulo: Edusp, 2018.

SANTOS, M.; SILVEIRA, M. L. O Brasil: Território e sociedade no início do século XXI. Rio de

Janeiro: Record, 2001.

SILVEIRA, M. R. A importância geoeconômica das estradas de ferro no Brasil. 2003. 454 f. Tese (Doutorado em Geografia) – Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente, 2003.

SILVEIRA, M. R. Geografia da Circulação, Transportes e Logística: construção epistemológica e perspectivas. In: Silveira, M. R. (Org.). Circulação, Transportes e Logística: diferentes perspectivas. 1. ed. São Paulo: Outras Expressões, 2011. p. 21-67.

SILVEIRA, M. R. Transporte e logística em Santa Catarina: tipologia e topologia dos principais espaços de circulação e desenvolvimento. In: SILVEIRA, M. R. (Org.). Circulação, transportes e logística no Estado de Santa Catarina. Florianópolis: Insular, 2016. p. 19-67.

SILVEIRA, M. R. Transportes e a logística frente à reestruturação econômica no Brasil. Mercator, Fortaleza, v. 17, p. 1-20, mar., 2018. DOI: 10.4215/rm2018.e17008.

SILVEIRA, M. R. Circulação, transporte e logística e seus impactos na fluidez e na competitividade territorial no Brasil. In: SILVEIRA, M. R.; FELIPE JÚNIOR, N. F. (Org.). Circulação, Transporte e Logística no Brasil. Florianópolis: Insular, 2019. p. 17-65.

SILVEIRA, M. R.; COCCO, R. G. Interações espaciais, transporte público e estruturação do espaço urbano. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais (ANPUR), v. 12, p. 63-81, 2010.

SILVEIRA, M. R.; RODRIGUES, L. A. Reestruturação do transporte aéreo de passageiros em Santa Catarina: da aviação regional para o sistema de hub. GEOUSP Espaço e Tempo (Online), v. 24, n. 3, p. 444-467, 2020. DOI: 10.11606/issn.2179-0892.geousp.2020.173405.

SMITH, N. Desenvolvimento desigual: natureza, capital e a produção do espaço. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1988.

SOBARZO, O. Passo Fundo: cidade média com funções comerciais, de serviços e de apoio ao agronegócio. In: SPOSITO, M. E. B.; ELIAS, D.; SOARES, B. R. (Org.). Agentes econômicos de reestruturação urbana e regional: Passo Fundo e Mossoró. São Paulo: Expressão Popular, 2010, p. 29-100.

SOJA, E. Geografias pós-modernas: a reafirmação do espaço na teoria social crítica. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1993.

SPOSITO, E. S. O Brasil é mais que um todo: as dinâmicas regionais econômicas e demográficas. In: BARROS, A. M. L.; ZANOTELLI, C. L.; ALBANI, V. (Org). Geografia urbana: cidades, revoluções e injustiças entre espaços privados, públicos, direito à cidade e comuns urbanos. Rio de Janeiro: Consequência, 2020. p. 429-441.

SPOSITO, M. E. B. Cidades médias: reestruturação das cidades e reestruturação urbana. In: SPOSITO, M. E. B. (Org.). Cidades médias: espaços em transição. São Paulo: Expressão Popular, 2007. p. 233-253.

SPOSITO, M. E. B. Novas redes urbanas: cidades médias e pequenas o processo de globalização. Geografia, Rio Claro, v. 35, n. 1, p. 52-62, jan./abr., 2010.

SPOSITO, M. E. B. A produção do espaço urbano: escalas, diferenças e desigualdades socioespaciais. In: CARLOS, A. F. A.; SOUZA, M. L.; SPOSITO, M. E. B. (Org.). A produção do espaço urbano: agentes e processos, escalas e desafios. São Paulo: Contexto, 2011. p. 123-145.

TEIXEIRA, S. H. O.; CATELAN, M. J. Novas articulações da rede de cidades no Brasil: uma análise das heterarquias por meio do sistema de movimento aeroviário. Sociedade & Natureza, Uberlândia, v. 31, p. 1-23, 2019. DOI: 10.14393/SN-v31-2019-42622.

VILLELA, A. L. V.; FUJITA, C.; ALBA, R. S. Centralidade no Oeste Catarinense: o papel de Chapecó. In: OLIVEIRA, H. M.; CALIXTO, M. J. S.; SOARES, B. R. (Org). Cidades médias e região. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2017. p. 101-138.




DOI: https://doi.org/10.5418/ra2021.v17i32.13213

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

 

 

 

 

 

 


Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.