A lógica da pesquisa científica de Karl Popper como diálogo possível entre a filosofia da ciência e a cientificidade da geografia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5418/ra2021.v17i33.13079

Palavras-chave:

epistemologia, filosofia da ciência, método dedutivo de prova, critério de falseabilidade, ciência geográfica.

Resumo

Este trabalho é resultado de pesquisa epistemológica. Sua metodologia de natureza analítico-interpretativa possibilitou constatar o vínculo entre a filosofia da ciência e a geografia, tanto na formação histórica de sua institucionalização, quanto em seus desdobramentos atuais. O objetivo é analisar as principais ideias do filósofo Karl Popper (1902-1994) sobre a lógica da pesquisa científica e sobre os dois problemas fundamentais da teoria do conhecimento, como exercício epistemológico que contribua com o debate recente à crítica geográfica. A epistemologia ou lógica da pesquisa científica deve ser identificada com a teoria do método científico que, “na medida em que se projeta para além da análise puramente lógica das relações entre enunciados científicos, diz respeito à escolha de métodos – a decisões acerca da maneira de manipular enunciados científicos” (POPPER, 2013, p. 45). Ou seja, com adoção de regras adequadas ao “método empírico” e ao critério de demarcação, torna-se possível submeter à prova os enunciados científicos, aferindo-se à falseabilidade. Com a releitura da obra de Karl Popper, verificou-se a base ética da ciência em sua visão crítica. Com as pesquisas geográficas, foi possível verificar, os fundamentos filosóficos orientadores dos métodos empíricos na geografia. Conclui-se que, a teoria de Karl Popper em relação ao método dedutivo de prova é uma contribuição relevante para a análise de métodos aplicados aos fenômenos geográficos e que a dimensão política de suas ideias científicas pode ser um contraponto de reflexão à crítica geográfica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariza Ferreira da Silva, Universidade Federal do Paraná (UFPR)

Doutora em Geografia pela Universidade Federal do Paraná/PPGGEO. Bolsista CAPES. Av. Cel. Francisco H. dos Santos, 100 - Centro Politécnico. Edifício João José Bigarella. Sala 108. 1º Andar. CEP.: 81531-980. Caixa Postal 19001. Curitiba-PR. Brasil.

Mestra em Geografia pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/Tratamento da Informação Espacial. Belo Horizonte-MG. Brasil.

Bacharel e Licenciada em Geografia pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Belo Horizonte-MG. Brasil.

Pedagoga com Licenciatura Plena em Administração Escolar, Supervisão Escolar e Orientação Educacional pela Fundação Mineira de Educação e Cultura. Faculdade de Ciências Humanas. Belo Horizonte-MG. Brasil.

Especialista em Educação (Orientação Educacional) pelo Instituto de Educação de Minas Gerais/Centro de Estudos e Pesquisas Educacionais de Minas Gerais. Belo Horizonte-MG. Brasil.

Magistério pelo Colégio Domiciano Vieira/Campanha Nacional de Escolas da Comunidade - Belo Horizonte-MG. Brasil.

Referências

ABRAHÃO, Cinthia Maria de Sena. Síntese e complexidade no pensamento geográfico. Sociedade & Natureza, Uberlândia, 21 (2): 211-225 ago. 2009.

ADLER, Mortimer J.; DOREN, Charles Van. Como ler livros: o guia clássico para a leitura inteligente. Tradução de Edward Horst Wolff e Pedro Sette Câmara. São Paulo: É Realizações Editora. (Coleção Educação Clássica).

ALAMI, S.; DESJEUX, D.; GARABUAU-MOUSSAOUI, I. Os métodos Qualitativos. Tradução de Luis Alberto S. Peretti. Rio de Janeiro: Petrópolis, Editora Vozes. 2010.

ARMENDANE, G. DAS D. DE. Contribuições do racionalismo crítico de Karl Popper para a filosofia política e social contemporânea. Cadernos de Ética e Filosofia Política, n. 15, p. 7-26, 11. Recuperado de http://www.revistas.usp.br/cefp/article/view/82605

ARMOND, Núbia Beray; AFONSO, Anice Esteves. A geografia física no Brasil: em busca das matrizes teóricas originárias e sua influências nas abordagens integradoras. Geografia em Questão. P. 221-238. V. 04. N. 02. /DEZ. 2011. ISSN 2178-0234.

BACHELARD, Gaston. A formação do Espírito científico: contribuição para uma psicanálise do conhecimento. Tradução de Estela dos Santos Abreu. Rio de Janeiro: Contraponto. 1996. 316 p.

BAILLY, Antoine; FERRAS, Robert. Éléments d` épistémologie de la géographie. 2.ed. Paris: Armand Colin. 2006.

BARBOSA, Aline Camilo; SILVA, Josélia, Saraiva Silva. Geografia e representações sociais: estado da arte. Revista da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Geografia (Anpege). p. 147-162, v. 13, n. 21,mai. /AGO. 2017. ISSN 1679-768X.

BARROS, Nilson Crocia de. Ensaio sobre renovações recentes na Geografia Humana. MERCATOR – Revista de Geografia da UFC. Ano 02. Número 04. 2003.

BERTEN, André. Filosofia social: a responsabilidade social do filósofo. Tradução de Márcio Anatole de Souza Romeiro. São Paulo: Paulus. (Coleção Filosofia). 2004.

CARLOS, Ana Fani Alessandri. CARLOS, Ana Fani Alessandri. A "Geografia Crítica" e a crítica da Geografia. Scripta Nova. Revista Electrónica de Geografía y Ciencias Sociales. Barcelona: Universidad de Barcelona, 1 de agosto de 2007, vol. XI, núm. 245 (03). <http://www.ub.es/geocrit/sn/sn-24503.htm> [ISSN: 1138-9788]

CASTAÑON, Gustavo Arja. Cognitivismo e Racionalismo Crítico. Psicol. Argum. , Curitiba, v. 25, n. 50. p. 277-290, jul./set. 2007.

CAVALCANTE, Leandro Vieira; LIMA, Luiz Cruz. Epistemologia da Geografia e espaço geográfico: a contribuição teórica de Milton Santos. Geousp – Espaço e Tempo (online), v. 22, n. 1, p. 061-075 mês. 2018. ISSN 2179-0892. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/geousp/article/view/127769>.doi: http://dx.doi.org./10.11606/issn.2179-0892.geousp.2018.127769.

COSTA, Fábio Rodrigues Da; ROCHA, Márcio Mendes. Geografia: conceitos e paradigmas – apontamentos preliminares In Revista GEOMAE – Geografia, Meio Ambiente e Ensino. v. 1, nº. 2. p. 25-56. 2º sem. 2010. Campo Mourão: Paraná. ISSN 2178-3306.

FOUREZ, Gérard. A construção das ciências: introdução à filosofia e à ética da ciência. Tradução de Luiz Paulo Rouanet. São Paulo: Editora da Universidade Estadual Paulista. 1995

KUHN, Thomas Samuel. A estrutura das revoluções científicas. Tradução de Beatriz Vianna Boeira e Nelson Boeira. 12ª ed. São Paulo: Perspectiva. (Debates; 115). 2013.

MENDONÇA, Francisco. Dualidade e Dicotomia da Geografia Moderna: a especificidade científica e o debate recente no âmbito da geografia brasileira. Revista RA’ E GÁ. n.2. p. 153-165. Curitiba: Editora da UFPR. 1998

MOURA, Rosa; OLIVEIRA, Deuseles de; LISBOA, Helena dos Santos; FONTOURA, Leandro Martins; GERALDI, Juliano. Geografia crítica: legado histórico ou abordagem recorrente? Biblio 3 W. Revista Bibliográfica de Geografía y Ciencias Sociales (Serie documental de Geo Crítica). Universidad de Barcelona. ISSN: 1138-9796. Depósito Legal: B. 21.742-91. Vol. XIII. nº 786, 5 de junio de 2008. <http://www.ub.es/geocrit/b3w-786.htm>. [ISSN 1138-9796].

NETO, Thiago Oliveira. Contribuição de Milton Santos para o debate epistemológico na Geografia. Revista Geográfica de América Central. N. 61. ISSN 1011-484X, julio-diciembre 2018. p. 47-70.

OLIVEIRA, Paulo Eduardo De. Da ética à ciência: uma nova leitura de Karl Popper. São Paulo: Paulus. (Coleção textos filosóficos). 2011.

PACHECO, R. Da. C. Kant e os fundamentos epistemológicos da teoria geográfica da paisagem: possibilidades e limitações. Tese (Doutorado) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015. 333 f.

POPPER, Karl Raimund. Os dois problemas fundamentais da teoria do conhecimento. Tradução de: Die beiden grundprobleme der Erkenntnistheorie, por Antonio Ianni Segatto. 1. Ed. São Paulo: Editora UNESP, 2013.

POPPER, Karl Raimund. A lógica da pesquisa científica. Tradução de: The logic of scientific Discovery, por Leonidas Hegenberg. Octanny Silveira da Mota. 2. ed. São Paulo: Cultrix, 2013.

REIS JUNIOR, Dante Flávio da Costa; SILVA, Barbara Mayanne. M.; FIGUEREIDO, Evelyn. L. Dias. “Natureza da ciência geográfica”: diagnóstico e possibilidades de inserção de epistemologia no ensino escolar e na formação de professores de geografia. Revista Ciênc. Educ. Bauru. V.24, n. 1. p. 191-208. doi: https://doi.org/10.1590/1516-731320180010013. 2018.

REIS JUNIOR, Dante Flávio da Costa. História da ciência geográfica: espectro temático e uma versão descritiva. Cad. hist. ciênc., São Paulo, v. 7, n. 1, jun. 2011. Disponível em <http://periodicos.ses.sp.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809- 76342011000100002&lng=pt&nrm=iso>. acessos em 30 set. 2018.

SILVEIRA, Fernando Lang da. A filosofia da ciência de Karl Popper: o racionalismo crítico. Cad. Cat. Ens. Fís., v. 13, n. 3, p. 197-218. Dez. 1996.

SILVEIRA, Roberison Wittgenstein Dias Da; VITTE, Antonio Carlos. Debate e epistemologia na gênese da geografia moderna: pensamento e imaginação geográfica. In: Actas do XII COLÓQUIO IBÉRICO DE GEOGRAFIA. 6 a 9 de outubro de 2010. Porto: Faculdade de Letras (Universidade de Porto) ISBN 978-972-99436-5-2 (APG); 978-972-8932-92-3 (UP-FL).

VERSELLE, Christophe. Le dico de la philo. Paris: E. J. L. 2006.

VITTE, Antonio Carlos (Org.). Contribuições à história e à epistemologia da geografia. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil. 2007.

ZILLES, Urbano. Teoria do conhecimento e teoria da ciência. Coleção Filosofia. São Paulo: Paulus, 2005.

Downloads

Publicado

02/12/2021

Como Citar

Ferreira da Silva, M. (2021). A lógica da pesquisa científica de Karl Popper como diálogo possível entre a filosofia da ciência e a cientificidade da geografia. Revista Da ANPEGE, 17(33), 8–23. https://doi.org/10.5418/ra2021.v17i33.13079