Análise geográfica dos sistemas portuários no Espírito Santo com repercussões na organização espacial terrestre

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5418/ra2020.v16i31.12861

Palavras-chave:

sistema portuário, território, circulação, capital

Resumo

Este artigo é um estudo de caracterização dos Sistemas Portuários do Espírito Santo a partir de uma abordagem geográfica. Entende-se, neste trabalho, por caracterização geográfica a descrição, localização e classificação de fatos sociais e físico-naturais da geografia em face do espaço estudado. Desta forma, Sistemas Portuários são definidos como o conjunto integrado dos elementos territoriais terrestres, marítimos e fluviais (sistemas técnicos) que podem sustentar ou não a movimentação de pessoas e/ou mercadorias produzidas nos continentes, destinadas a mercados e/ou lugares que dependem do uso do meio marítimo e fluvial como forma de transporte principal. A caracterização desses sistemas é realizada em termos de sua repercussão na hinterlândia dos territórios adjacentes ao litoral capixaba. Informações estatísticas e cartográficas foram utilizadas junto com dados aquaviários e geográficos, tais como a localização geográfica do sítio portuário, os arranjos espaciais, sistemas técnicos pertinentes, dados históricos de movimentação geral de cargas e mercadorias, quantidades de graneis sólidos e líquidos transportados e as principais mercadorias movimentadas. A principal conclusão dessa caracterização é que esses sistemas ainda servem como sustentação ao processo de reprodução ampliada de capital no território, seguindo diretrizes político econômicas dos anos 1950-1970 até os dias de hoje.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Roberto José Hezer Moreira Vervloet, Instituto Estadual do Meio Ambiente e Recursos Hídricos do Espírito Santo (IEMA-ES)

Geógrafo e Geomorfólogo no Instituto Estadual do Meio Ambiente e Recursos Hídricos - IEMA - ES.

Doutor em Geografia Física - USP.

Referências

AB’SÁBER, A. N. Fundamentos da Geomorfologia Costeira do Brasil Atlântico Inter e Subtropical. Revista Brasileira de Geomorfologia, Volume 1, Nº 01 (2000), p. 27-43

ABREU, S. F. Feições morfológicas e demográficas do litoral do Espírito Santo. Revista Brasileira de Geografia, Rio de Janeiro, FIBGE, Abril-Junho de 1943

ALBINO, J., GIRARDI, G. e NASCIMENTO, K. A. Espírito Santo. IN: MUEHE, D. (org.). EROSÃO E PROGRADAÇÃO DO LITORAL BRASILEIRO. MMA – Ministério do Meio Ambiente, Brasília, 2012, p. 227-264

ARASAKI, E. e ALFREDINI, P. Engenharia Portuária – Manual Técnico. 2ª ed., São Paulo, Edgar Blucher Ltda, 2018

ARAÚJO FILHO, J. R. de. Santos, o porto do café. Rio de Janeiro, Fundação IBGE, 1969, 200 p

___________. O Porto de Vitória. Instituto de Geografia – Série Teses e Monografias Nº 09, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1974

DERRUAU, M. Tratado de Geografia Humana. 4ºed., Barcelona, Espanha, Editorial Vicens-Vives, 1969

DOUMENGE, F. Geografia dos Mares. Tradução de Otavio Mendes Cajado, Difusão Europeia do Livro, São Paulo, 1967

DUCRUET, C. Dynamiques scalaires et temporelles des villes-ports. Nouvelles approaches en géographie théorique et quantitative. Jan 2005, Besançon, France. Disponível em https://halshs.archives-ouvertes.fr/halshs-00459479/document acesso em agosto de 2020

FISCHER, A. Les ports maritimes. Essai de classification. Information Géographique, 1963, nº 3, p. 105-114

FREMONT, A. Global Maritime Networks. The case of Maersk. Journal of Transport Geography, Elsevier, 2007, Vol. 15, nº 06, p. 431-442

GEORGE, PIERRE. Geografia Econômica. Rio de Janeiro, Fundo de Cultura, 1960, 443p

________. Precis de géographie économigue. Paris, Presses Universitaires de France, 1956, 402p

GURGEL, A. P. Portos do Espírito Santo. 1º edição, Vitória, Contexto Jornalismo e Assessoria Ltda, 2001

HARVEY, D. A produção capitalista do espaço. São Paulo: Annablume, 2005

________. O enigma do capital e as crises do capitalismo. Tradução de João Alexandre Peschanski, São Paulo, SP, Boitempo, 2011

________. Os limites do capital. Tradução de Magda Lopes, 1º ed., São Paulo: Boitempo, 2013

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Atlas geográfico das zonas costeiras e oceânicas do Brasil. IBGE, Diretoria de Geociências. - Rio de Janeiro : IBGE, 2011

LOSEKANN, C. e VERVLOET, R. J. H. M. O neoextrativismo visto através dos megaempreendimentos de infraestrutura: as zonas de sacrifícios no Espírito Santo, Brasil. IN: ZHOURI, A., BOLADOS, P. e CASTRO, E. (org.). Mineração na América do Sul – Neoextrativismo e Lutas Territoriais. São Paulo, Annablume, 2016, p. 231-254

MACHADO, I. S. O porto de Santos e a Revolução dos Contêineres. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Geografia Humana, Departamento de Geografia, São Paulo, 2012

MARX, K. O Capital: crítica da economia política. Livro I – O processo de produção do Capital. Tradução de Rubens Enderle, São Paulo, Boitempo, 2013. (Marx-Engels)

______. O Capital: crítica da economia política. Livro II – O processo de circulação do Capital. Tradução de Rubens Enderle, 1º edição, São Paulo, Boitempo, 2014. (Marx-Engels)

______. O Capital: crítica da economia política. Livro III – O processo global da produção capitalista. Tradução de Rubens Enderle, Edição de Friedrich Engels, 1º edição, São Paulo, Boitempo, 2017. (Marx-Engels)

MMA – MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Macrodiagnóstico da Zona Costeira e Marinha do Brasil – Brasília: MMA, 2008

MONIÉ, F. Globalização, modernização do sistema portuário e relações cidade/porto no Brasil. In: SILVEIRA, M. R. (org.) Geografia dos transportes, circulação e logística no Brasil. São Paulo: Outras Expressões, 2011, p.229-330

MONIÉ, F. As cidades portuárias diante do imperativo de fluidez. Território, circulação e reestruturação das hinterlândias dos portos. In: CRUZ, A. M.; ARIZA, R. C. (orgs.) Território e Circulação. A dinâmica contraditória da globalização. São Paulo: Annablume, 2015

MONIÉ, F.; NICO VASCONCELOS, F. Evolução das relações entre cidades e portos: entre lógicas homogeneizantes e dinâmicas de diferenciação. Confins, n.15, 2012. Disponível em: <http://confins.revues.org/7685>. Acesso em junho de 2020

MOREIRA, P. As redes marítimas internacionais como Sistemas complexos adaptativos. Anais do 11º Congresso Nacional ADFERSIT - Associação Portuguesa para o Desenvolvimento dos Sistemas Integrados de Transporte, Estoril, Portugal, 2013

MOREIRA, R. Geografia e práxis: a presença do espaço na teoria e na prática geográficas. São Paulo: Contexto, 2012

NASCIMENTO, P. P. A modernização portuária como estratégia de desenvolvimento regional – o caso do Estado do Espírito Santo. Dissertação de Mestrado, Rio de Janeiro, UFRJ, 2000

PLANO DE DESENVOLVIMENTO E ZONEAMENTO DO PORTO DE VITÓRIA – PDZ. Companhia Docas do Espírito Santo – CODESA, Vitória, março de 2018

PLANO ESTRATÉGICO DE LOGISTÍCA E DE TRANSPORTE DO ESPÍRITO SANTO – PELTES. Secretaria de Estado de Transportes e Obras Públicas – Departamento Estadual de Estradas e Rodagem – DER-ES. Vol. 01, Vitória, ES, 2007

PLANO NACIONAL DE LOGÍSTICA DE TRANSPORTE – PNLT. Ministério dos Transportes, Brasilia, 2014

RODRIGUE, J-P. Transportation and the Geographical and Functional Integration of Global Production Networks. Growthand Change, v.37, n.4, 2006, p.510-25

SANTOS, M. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. 3º ed., São Paulo, Hucitec, 1999

______. Espaço e Método. 5º ed., São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2014

______. Da Totalidade ao lugar. 1º ed., 2º reimpressão, São Paulo: Edusp, 2012

______. Técnica, Espaço, Tempo: Globalização e Meio Técnico científico-informacional. 5º ed. 1º reimpressão, São Paulo: Edusp, 2013

SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDENCIA DA REPUBLICA – SEP/PR. Plano Mestre Porto de Vitória. UFSC/LabTrans, Florianópolis, SC, maio de 2015a

SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDENCIA DA REPUBLICA – SEP/PR. Plano Mestre Porto de Barra do Riacho. UFSC/LabTrans, Florianópolis, SC, maio de 2015b

SILVEIRA, M. R. (ORG.). Circulação, transportes e logísticas - diferentes perspectivas. 1ª ed., São Paulo, Outras Expressões, 2011

VELASCO, L. O. M. de; e LIMA, E. T. As Novas Empresas Mundiais de Navegação Determinam a Evolução dos Portos. BNDES, 1999, disponível em https://www.bndes.gov.br/SiteBNDES/bndes/bndes_pt/Galerias/Convivencia/Publicacoes/Consulta_Expressa/Setor/Transporte_Maritimo/199906_10.html acesso em 30/06/2020

VERVLOET, R. J. H. M. O conflito na Criméia, portos, Espírito Santo e você: tudo a ver. Artigo para o site do Sindipúblicos – Sindicato dos Servidores Públicos do Estado do Espírito Santo, disponível em http://www.sindipublicos.com.br/o-conflito-na-crimeia-portos-espirito-santo-e-voce-tudo-a-ver/ acesso em junho de 2020

__________. A organização do espaço e os sistemas portuários no território capixaba – resultados preliminares. Relatório técnico – científico preliminar de pesquisa apresentado ao Laboratório de Estudos Urbano-Regionais, das Paisagens e dos Territórios (Laburp), Departamento de Geografia, UFES, Vitória, 2016, 61p

__________. A Geomorfologia da região de rompimento da barragem da Samarco: da originalidade da paisagem à paisagem da mineração. IN: MILANEZ, B. e LOSEKANN, C. (org.). Desastre no Vale do Rio Doce: antecedentes, impactos e ações sobre a destruição. Rio de Janeiro, Folio Digital Letra e Imagem, 2016

VIGARIÉ, A. Maritime industrial development areas: structural evolution and implications for regional development. In: HOYLE B. S.; Pinder D. A. (eds.). Cityport. Industrialization and Regional Development. Oxford: Pergamon Press, 1981, p.429-35.

Downloads

Publicado

08/03/2021

Como Citar

Vervloet, R. J. H. M. (2021). Análise geográfica dos sistemas portuários no Espírito Santo com repercussões na organização espacial terrestre. Revista Da ANPEGE, 16(31), 8–43. https://doi.org/10.5418/ra2020.v16i31.12861

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)