O mapa da pesquisa de gênero na Geografia brasileira (2010 a 2019): Sistematização e análise

Paula Lindo

Resumo


Na busca de caminhos para a construção metodológica de pesquisa geográfica no âmbito das relações de espaço e gênero, encontro no feminismo mecanismos de apreensão e compreensão da realidade. Procuro mapear como geógrafa(o)s têm abordado a temática “gênero” e “sexualidades” em suas respectivas pesquisas: quem são a(o)s pesquisadora(e)s que se dedicam a tal desafio? Quais os focos de pesquisas referentes às mulheres? Os resultados apresentados neste estudo advêm da consulta e análise do catálogo de dissertações e teses da CAPES, no período de 2010 a 2019. Os principais resultados são: i) aumento do número de dissertações e teses sobre temáticas de gênero; ii) ausência de trabalhos que revelam as espacialidades de alguns sujeitos que tensionam a heterossexualidade normativa; e iii) concentração da produção acadêmica sobre a temática gênero e sexualidades em programas de pós-graduação criados nas duas primeiras décadas do século XXI, localizados em cidades interioranas e não metropolitanas.


Palavras-chave


Geografia; gênero e sexualidades; mulheres; dissertações e teses

Texto completo:

PDF

Referências


ALVAREZ, Sonia. Feminismos Latinoamericanos. Estudos Feministas, v. 2, p. 265-284, 1998.

CESAR, Tamires Regina Aguiar de Oliveira. Gênero, poder e produção científica geográfica no Brasil de 1974 a 2013. 2015. Dissertação (Mestrado em Gestão do Território) – Programa de Pós-Graduação em Geografia, UEPG, Ponta Grossa, 2015.

CESAR, Tamires R. A. de O; PINTO, Vagner A. M.; SILVA, Joseli M. As Relações de Gênero e as Diversas Áreas da Produção do Conhecimento Científico Geográfico Brasileiro. Porto Alegre: ENANPEGE, 2017, p. 7296-7307.

GARGALLO, Francesca. Feminismo Latinoamericano. Revista Venezolana de Estudios de la Mujer, p. 17-34, jan-jun, 2007.

PAES, Maria Tereza Duarte Paes; CORREA, Antonio Carlos de Barros; MARAFON, Gláucio José. Documento de Área. Área 36: Geografia. MEC, CAPES, DAV, 2019. Disponível em: < https://www.capes.gov.br/images/Documento_de_%C3%A1rea_2019/Geografia.pdf>

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. In: EDUCAÇÃO e realidade. Porto Alegre: UFRS, V. 20, nº. 2, p. 71-97, 1995.

SILVA, Joseli Maria. Ausências e silêncios do discurso geográfico brasileiro: uma crítica feminista ao discurso geográfico brasileiro. In: SILVA, Joseli Maria: Geografias Subversivas: discursos sobre espaço, gênero e sexualidades. Ponta Grossa: Todapalavra, 2009, p. 25-54.

_______. Geografias feministas, sexualidades e corporalidades: desafios às práticas investigativas da ciência geográfica. In: SILVA, Joseli Maria. (Org.). Geografias subversivas: discursos sobre espaço, gênero e sexualidades. 1 ed. Ponta Grossa: Todapalavra, 2009, v. 1, p. 93-114.

SILVA, Joseli Maria et al. O corpo como elemento das Geografias Feministas e Queer: um desafio para análise no Brasil. In: SILVA, Joseli M.; ORNAT, Marcio J.; JUNIOR, Alides B. C. (Org.) Geografias Malditas: corpos, sexualidades e espaços. Ponta Grossa: Toda Palavra, 2013, p. 85-142.

RAFFESTIN, Claude. Por uma geografia do Poder. São Paulo: Ática, 1993.




DOI: https://doi.org/10.5418/ra2021.v17i32.12488

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

 

 

 

 

 

 


Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.