Ocupações de terras urbanas e desigualdades de gênero: A cartografia da luta pelo lugar

Helena Rizzatti

Resumo


 

O artigo propõe um exercício de representação cartográfica que aprimore a análise das resistências à urbanização corporativa e interseccionalizada e dos tensionamentos das relações sociais de poder, com destaque para a desigualdade de gênero compreendendo-a desde uma perspectiva interseccional, que ocorrem no cotidiano da periferia urbana brasileira. Propõe-se, para isso, um exercício de “ativismo cartográfico” nomeado “Cartografia da Luta pelo Lugar” realizado por meio da espacialização dos eventos geográficos ocorridos na ocupação de terra urbana Cidade Locomotiva localizada em Ribeirão Preto/SP. Para tal, foram selecionados quatro eventos nos quais se destacam as situações vividas no lugar e por sua população para conseguir se manter, com destaque para os eventos que demonstram um tensionamento da construção social de gênero na luta cotidiana das ocupações urbanas. Com isso, intenta-se também compreender as periferias urbanas para além da luta pela moradia, mas como uma luta pelo lugar.



Palavras-chave


ocupações urbanas; desigualdade de gênero; eventos geográficos; lugar; ativismo cartográfico

Texto completo:

PDF

Referências


AKOTIRENE, Carla. O que é interseccionalidade? Belo Horizonte: Letramento: Justificando, 2019.

ARCHELA, Rosely Sampaio & THÉRY, Hervé. “Orientação metodológica para construção e leitura de mapas temáticos”, Confins [Online], 3, 2008.

BONDUKI, Nabil & KOWARICK, Lúcio. Espaço urbano e espaço político: do populismo a redemocratização. In: KOWARICK, L. (Org.). As lutas sociais e a cidade: São Paulo, passado e presente. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.

BOULOS, Guilherme. Por que ocupamos? Uma introdução à luta dos sem-teto. São Paulo: Autonomia Literária, 2015.

BRAH, Avtar. Diferença, diversidade, diferenciação. Cadernos Pagu, n. 26, p. 329-376, Campinas, 2006.

COLLINS, Patricia Hill. Pensamento feminista negro: conhecimento, consciência e a política do empoderamento. São Paulo: Boitempo, 2019.

CRENSHAW, Kimberle. Mapping the margins: intersectionality, Identity Politics, and violence against women of color. [s.e.] Pp. 1241-1299, 1989.

DAVIS, Angela. Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo, 2016.

FEDERICI, Silvia. Calibã e a bruxa: mulheres, corpo e acumulação primitiva. Tradução Coletivo Sycorax. São Paulo: Editora Elefante, 2017.

FEDERICI, Silvia. O ponto zero da revolução: trabalho doméstico, reprodução e luta feminista. Tradução Coletivo Sycorax. São Paulo: Editora Elefante, 2019.

HARLEY, John Brian. Mapas, saber e poder. Confins [Online], 5, 2009.

HELENE, Diana. Gênero e direito à cidade a partir da luta dos movimentos de moradia. Cad. Metrop., São Paulo, v. 21, n. 46, pp. 951-974, 2019.

JACOBI, Pedro. Exclusão urbana e lutas pelo direito à moradia. Espaço & Debates, NERU: Cortez, nº 7, p. 53-69, 1982.

KOSIK, Karel. Dialética do Concreto. São Paulo: Paz e Terra, 1976.

LAURENTIS, Teresa de. “The technology of gender”. In.: Technologies of Gender. Essays on Theory, Film and Fiction. Pp. 1-30. Bloomington: Indiana University Press, 1987.

MASSEY, Doreen. Space, place and gender. Mineápolis: University of Minnesota Press, 1994.

MASSEY, Doreen. “Um sentido global do lugar”. In.: ARANTES, A. (org.), O espaço da diferença. Campinas: Papirus, 2000.

McDOWELL, Linda. Género, identidad y lugar: un estudio de las geografías feministas. Traducción de Pepa Linares. Madrid: Ediciones Cátedra, 2000.

MOREIRA, Marianna. Mulheres sem-teto e a geografia da família: relações interdomésticas, gênero e reciprocidade. Espaço e cultura. N. 38, p. 85-122, 2015.

RIBEIRO, Ana Clara Torres. Sociabilidade hoje: leituras da experiência urbana. Cadernos CRH, v. 18, n. 45, p. 411-422, 2005.

RIBEIRO, Ana Clara Torres. “Territórios da sociedade: por uma cartografia da ação”. In.: SILVA, Catia Antonia. Território e ação social: sentidos da apropriação urbana. Pp.19-29, Rio de Janeiro: Lamparina, 2010.

RIBEIRO, Ana Clara Torres. “O desenvolvimento local e a arte de ‘resolver’ a vida” Por uma sociologia do presente: ação técnica e espaço. Pp.75-89. Rio de Janeiro: Letra Capital, 2013 [2005a].

RIBEIRO, Ana Clara Torres. “Outros territórios, outros mapas” Por uma sociologia do presente: ação técnica e espaço. Pp. 201-212. Rio de Janeiro: Letra Capital, 2013 [2005b].

RIBEIRO, Ana Clara Torres. “Cartografia da ação social: região latino-americana e novo desenvolvimento urbano”. Por uma sociologia do presente: ação técnica e espaço. Pp. 213-224. Rio de Janeiro: Letra Capital, 2013 [2009].

RIBEIRO, Ana Clara Torres. Por uma sociologia do presente: ação técnica e espaço. Rio de Janeiro: Letra Capital, 2013.

RIBEIRO, Ana Clara Torres. Teorias da ação. Rio de Janeiro: Letra Capital, 2014.

RIZZATTI, Helena. O recente processo de urbanização da cidade de Campinas-SP (1990-2014): as ocupações urbanas – um estudo dos usos do território na Região Sul. Mestrado em Geografia, IG, Unicamp, Campinas, Brasil, 2014.

RIZZATTI, Helena. Urbanização corporativa vista pelo avesso: periferização, interseccionalidade e lugar – uma análise a partir das ocupações de terras urbanas. Tese. IG, UNICAMP, Campinas, 2020.

RODRIGUES, Arlete Moysés. Moradia nas cidades brasileiras. São Paulo: Editora Contexto, 1988.

SAFFIOTI, Heleieth. A mulher na sociedade de classe. São Paulo: Expressão Popular, 2013.

SAFFIOTI, Heleieth. Gênero, patriarcado e violência. 2ª edição, São Paulo: Expressão Popular: Fundação Perseu Abramo, 2015.

SANTOS, Milton. O território e o saber local: algumas características de análise. Cadernos IPPUR, Ano XIII, n.º 2, p. 15-26, 1999.

SANTOS, Milton. A urbanização brasileira. São Paulo: Editora Hucitec, 2008.

SANTOS, Milton. Técnica, espaço e tempo. São Paulo: Hucitec, 2013.

SANTOS, Milton. O espaço do cidadão. São Paulo: Nobel, 2014.

SANTOS, Milton. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. São Paulo: Hucitec, 2017.

SANTOS, Renato Emerson dos. Ativismos cartográficos: notas sobre formas e usos da representação espacial e jogos de poder. Revista Geográfica de América Central (online), v. 2, p. 1-17, Costa Rica, 2011.

SANTOS, Renato Emerson dos. Geografia da ação nas lutas anti-racismo: um olhar aproximativo. XVIII ENANPUR, Natal, 2019.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil para análise histórica. Nova York: Columbia University Press, 1989.

SILVA, Joseli Maria. Geografias feministas, sexualidades e corporalidades: desafios às práticas investigativas da ciência geográfica. In.: SILVA, Joseli Maria. Geografias subversivas: discursos sobre espaço, gênero e sexualidades. Pp. 93-113. Ponta Grossa: Todapalavra, 2009.

SILVEIRA, María Laura. Uma situação geográfica. Revista Território, ano IV, n.º 6, p. 21-27, 1999.

SMITH, Neil. Contornos de uma política especializada: veículos dos sem-teto e produção de escala geográfica. Pp. 133-173, 1997.

SIMÕES, Guilherme; CAMPOS, Marcos & RAFAEL, Rud. MTST: 20 anos de história – luta, organização e esperança das periferias do Brasil. São Paulo: Autonomia literária, 2017.

SOUZA, Marcelo Lopes de. A cidade, a palavra e o poder: práticas, imaginários e discursos heterônomos e autônomos na produção do espaço urbano. In.: CARLOS, Ana Fani Alessandri, SOUZA, Marcelo Lopes de & SPOSITO, Maria Encarnação Beltrão (orgs.). A Produção do Espaço Urbano: agentes e processos, escalas e desafios. Pp. 147-166. São Paulo: Contexto, 2011.

TAVARES, Rossana. Indiferença à diferença: espaços urbanos de resistência na perspectiva das desigualdades de gênero. Tese de Doutorado. Rio de Janeiro, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2015.

VALENTINE, Gill. Theorizing and reseraching intersectionality: a challenge for feminist geography. The Professional Geographer, v. 59, n. 1, p. 10-21, 2007.




DOI: https://doi.org/10.5418/ra2021.v17i32.12475

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

 

 

 

 

 

 


Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.