Geografia brasileira, poder, gênero e prestígio científico

Tamires Regina Aguiar de Oliveira Cesar, Joseli Maria Silva

Resumo


Este artigo tem por objetivo compreender o gênero na composição das relações de poder da produção científica geográfica no Brasil. Para isso foram analisados 17.636 artigos científicos de 90 periódicos online da Geografia brasileira no período de 1974-2015 e também a composição dos corpos discente e docente de 60 programas de pós-graduação brasileiros. Além disso, foram analisadas as ementas da disciplina de epistemologia da Geografia que compõe o projeto pedagógico dos referidos programas. Constatou-se que os homens detêm maior prestígio acadêmico e que usufruem dessa posição pelos traços androcêntricos que são mantidos nas práticas do fazer científico, bem como nas concepções teóricas.


Palavras-chave


Geografia; epistemologia; gênero; poder

Texto completo:

PDF

Referências


BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Trad. Luís Antero Reto e Augusto Pinheiro. Lisboa: Edições 70, 1977. 225p.

BOURDIEU, Pierre. A gênese dos conceitos de habitus e campo In: BOURDIEU, P. Poder simbólico. Portugal/Brasil: Difel/Bertrand, 1989

BOURDIEU, Pierre. “O campo científico” In: Pierre Bourdieu: Sociologia. São Paulo, Ática, 1983. Coleção Grandes Cientistas Sociais. pp. 122-123.

CESAR. Tamires Regina Aguiar de Oliveira. ‘Gênero, poder e produção científica geográfica no Brasil de 1974 a 2013’. 2015. 138f. Dissertação (Mestrado em Gestão do Território), Programa de Pós-Graduação em Gestão do Território. UEPG, Ponta Grossa-PR.

FERNANDES, Fernanda. A história da educação feminina. MultiRio. 2019. Disponível em: Acesso em: 10/06/2020.

FOUCAULT, Michel. A Ordem do Discurso. São Paulo: Loyola, 1996

FOUREZ, Gérard. A construção das ciências. Introdução à filosofia e à ética das ciências. São Paulo: Editora da Universidade Estadual Paulista, 1995, p. 319.

LETA, Jacqueline. " As mulheres na ciência brasileira: crescimentos, contraste e um perfil de sucesso. Estudos Avançado, v.17, n. 49, p. 271-284, set 2003.

LOPES, Maria Margaret. Gênero e ciências no país: exceções à regra? Com Ciência, n. 50. Dez/Jan 2003. Disponível em: Acesso em: dez de 2018.

MARQUES, Fabrício. Limites na diferença. Revista Pesquisa FAPESP. Ed.196, junho, 2012.

MASSEY, Dorren. Um sentido global de lugar. In: ARANTES, Antonio A. (Org.). O espaço da diferença. SP: Papirus, 2000, pp. 176-185

MASSEY, Dorren B. Pelo espaço: uma nova política da espacialidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2008.

McDOWELL, Linda. Gender, identity and place: understanding feminist geographies. Minneapolis: University of Minnesota Press, 1999.

McDOWELL, Linda; PEAKE, Linda. Women in British geography revisited: or the same old story. Journal of Geography in Higher Education, v.14, n.1, p.19, 1990.

MELO, Hildete Pereira de, RODRIGUES, Ligia. Pioneiras da ciência no Brasil. Rio de Janeiro: SBPC, 2006.

MELO, Hildete Pereira de, RODRIGUES, Ligia. Pioneiras da ciência no Brasil: uma história contada doze anos depois. Ciência e Cultura. v. 70, n. 3, p. 41-47, 2018. http://dx.doi.org/10.21800/2317-66602018000300011

MIGNOLO, Walter. "Os esplendores e as misérias da "ciência: colonialidade, geopolítica do conhecimento e pluriversalidade epistêmica." In: SANTOS, Boaventura de Souza. Conhecimento prudente para uma vida descente. São Paulo: Cortez, 2004. p 668 – 709

MONK, Janice, HANSON, Susan.”On Not Excluding Half of the Human in Human Geography” . The Professional Geographer, v. 34, n 1, p. 11-23, 1982.

MORIN, Edgar. O problema epistemológico da complexidade. Portugal, Europa-América, 1996

NARVAZ, Martha Giudice; KOLLER, Silvia Helena. Metodologias feministas e estudos de gênero: articulando pesquisa, clínica e política. Psicologia em Estudo, vol 11, nº 3, p. 647-654, set/dez 2006.

PINTO, Vagner André Morais. Gênero e vivência cotidiana na instituição do espaço da produção científica geográfica paranaense. 2017. Dissertação (Mestrado) – Mestrado em Gestão do Território. Universidade Estadual de Ponta Grossa, Ponta Grossa, 2017.

PUJOL, Hermínia; ORTIZ, Anna; GARCIA RAMON, Maria Dolors. La Presencia y La Carrera Profesional de Las Mujeres en La Geografía Académica. Estudio de Las Peculiaridades Del Caso Español. Estudios Socioterritoriales Revista de Geografia. nº 7, p. 136 - 159, 2007/2008.

ROSE, Gillian. Progress in geography and gender - or something else. Progress in Human Geography, v.17, n.4, p. 531-537, 1993.

SILVA, Joseli Maria Silva. Ausências e silêncios do discurso geográfico brasileiro: uma crítica feminista ao discurso geográfico brasileiro. In: SILVA, Joseli Maria: Geografias Subversivas: discursos sobre espaço, gênero e sexualidades. Ponta Grossa: Todapalavra, 2009, p.25-54.

SOUSA SANTOS, Boaventura; MENESES, Maria Paula; ARRISCADO, João Nunes João. "Introdução: para ampliar o cânone da ciência – a diversidade epistemológica do mundo. In SOUSA SANTOS, Boaventura (org.). Semear outras soluções: Os caminhos da biodiversidade e dos conhecimentos rivais. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.

VELHO, Léa. LÉON, Elena. A Construção Social da Produção Científica por Mulheres. Cadernos Pagu. nº 10, p.309-344, 1998




DOI: https://doi.org/10.5418/ra2021.v17i32.12473

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

 

 

 

 

 

 


Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.