Identidades como uma quimera de lugares

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5418/ra2021.v17i34.12063

Palavras-chave:

Lugar, Experiência, Quimera, Dialética, Heterotopias

Resumo

A partir dos pressupostos de que conceitualmente o lugar é o lócus da experiência humana e de que as identidades são forjadas por intermédio destas experiências, o artigo propõe dimensionar as identidades como uma quimera de lugares. O sentido metafórico da afirmação alude à figura da mitologia grega, que reunia partes de diversos animais em sua morfologia. Assim, nessa analogia, vemos as identidades como portadoras das experiências colhidas em diferentes lugares. Sustentam a reflexão proposta a dialética envolvendo a perpétua interação entre o homem e o meio, as fragmentações espaciais proporcionadas pelo deslocamento do homem no espaço e pelas heterotopias, e, por fim, a consideração do tempo como variável passiva da experiência. Concluímos que as identidades carregam experiências colhidas em lugares diferentes e, dada a excepcionalidade das escolhas humanas, salientamos que cada indivíduo carrega sua própria quimera. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leonardo Luiz Silveira da Silva, Instituto Federal do Norte de Minas Gerais - Campus Salinas

Graduado em Geografia (2002) pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e especializado (lato sensu) em Gestão de Políticas Sociais (2006) pela Pontifícia Universidade Católica (PUC-MG). Mestre em Relações Internacionais pela PUC-MG (2011) e Doutor em Geografia - Tratamento da Informação Espacial (2016) pela PUC-MG. Concluiu estágio Pós-Doutoral (2018-2019) no departamento de Geografia da PUC-MG, sob supervisão do Professor Dr. Alexandre Magno Alves Diniz. Seus temas de interesse estão ligados à Geopolítica, à Geografia Urbana, à Geografia Cultural, ao Pós-Colonialismo e aos Estudos Regionais, com ênfase nos estudos de fronteiras. Foi professor da rede particular de ensino de Belo Horizonte entre 2003 e 2016. Atualmente é professor do Instituto Federal do Norte de Minas Gerais (IFNMG), Campus Salinas.

Alfredo Costa, Instituto Federal do Norte de Minas Gerais - Campus Almenara

Doutor em Geografia pela Universidade Federal de Minas Gerais e Professor EBTT do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Norte de Minas Gerais (IFNMG). É Bacharel em Geografia na UFMG, e Mestre em Análise e Modelagem de Sistemas Ambientais pela mesma Universidade. É também especialista em Docência na Educação Profissional e Tecnológica (IFNMG). Atua principalmente na interface entre a geografia histórica, econômica e da população, e desenvolve projetos para a compreensão da geograficidade dos desastres tecnológicos provocados pela mineração, com enfoque em uma leitura integrada dos impactos ambientais relacionados principalmente à interação entre a população e os usos da água

Referências

ANDREOTTI, Giuliana. Paisagens do espírito: a encenação da alma. Ateliê Geográfico, v.4, n.4, p.264-280, 2010.

BARNES, Trevor. Placing ideas: genius loci, heterotopia and geography´s quantitative revolution. Progress in Human Geography, v.28, n.5, p.565-595, 2004.

BAUDRILLARD, Jean. À sombra das maiorias silenciosas: o fim do social e o surgimento das massas. São Paulo: Editora Brasiliense, 1993.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

BERQUE, Augustin. Geogramas, por uma ontologia dos fatos geográficos. Geograficidade, v.2, n.1, verão, p.4-12, 2012.

BERQUE, Augustin. A cosmofania das realidades geográficas. Geograficidade, v.7, n.2, p.4-16, inverno, 2017.

BHABHA, Homi K. O local da cultura. Belo Horizonte: editora UFMG, 2013.

BONNEMAISON, Joel. The Metaphor of the tree and the canoe. Tradução de Peter Crowe. Pacific Arts, n.9-10, p.21-24, jul-1994.

CANCLINI, Nestor. Culturas Híbridas. São Paulo: Edusp, 2011.

CHAKRABARTY, Dipesh. Postcolonial thought and historical difference. New Jersey: Princeton University Press, 2000.

CHRISTIE, Agatha. O caso dos dez negrinhos. São Paulo: Globo, 2000.

CLAVAL, Paul. O território na transição da pós-modernidade. Geographia, v.1, n.2, p.7-26, 1999.

CLAVAL, Paul. Epistemologia da Geografia. Florianópolis: Ed. UFSC, 2011.

COHEN, Anthony P. Culture as identity: An Anthropologist´s view. New Literary History, v.24, p.195-209, 1993.

COSGROVE, Denis. Place, landscape, and the dialetics of cultural geography. Canadian Geographer, v.XXII, n. 1, p.66-72, 1978.

COSGROVE, Denis E. Towards a radical cultural geography: problems of theory. Antipode, Vol. 5, Issue I, p.1-11, 1983.

COSGROVE, Denis. Prospect, Perspective and the Evolution of the Landscape Idea. Transactions of the Institute of British Geographers, new Series, v.10, n.1, p.45-62, 1985.

COSGROVE, Denis. Modernity, Community and the Landscape Idea. Journal of Material Culture, v.11, n.49, p.49-66, 2006.

CROUCH, David. The authentic, the everyday and the postmodern in landscape research: a note. Landscape Research, v.16, n.2, p.8-18, 1991.

DARDEL, Eric. O Homem e a Terra: natureza da realidade geográfica. São Paulo: Perspectiva, 2011.

DEBORD, Guy. A sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.

DEUS, José Antônio Souza de; BARBOSA, Liliane de Deus. Uma contribuição ao estudo da paisagem nas regiões de antiga mineração do Brasil na ótica das geografias cultural e histórica. Geografias, v.15, n.2, p.38-49, 2017.

EAGLETON, Terry. A ideia de Cultura. São Paulo: Editora Unesp, 2011.

FOUCAULT, Michel. The order of things: an archaeology of the human sciences. London: Routledge, 2002.

FUKUYAMA, Francis. O fim da história e o último homem. Rio de Janeiro: Rocco, 1992.

GIL FILHO, Sylvio Fausto. Geografia cultural: estrutura e primado das representações. Espaço e Cultura, UERJ, n.19-20, jan./dez., p.51-59, 2005.

GOLD, John R.; GOODEY, Brian. Behavioural and perceptual geography. Progress in Human Geography, v.7, p.578-586, 1983.

HAESBAERT, Rogério. Regional-Global. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2010.

HALBWACHS, Maurice. A Memória Coletiva. São Paulo: Editora Vértice, 1990.

HALL, Stuart. Pensando a diáspora: reflexões sobre a terra no exterior (in): Hall, Stuart - Sovik, Liv (org.). Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2013.

HARVEY, David. Condição Pós-Moderna. São Paulo: Edições Loyola, 2004.

HUNTINGTON, Samuel. O choque das civilizações. Rio de Janeiro: Objetiva, 1997.

INGOLD, Tim. The temporality of the landscape. World Archaelogy, v.25, n.2, p.152-174, 1993.

LEITE, Adriana Filgueira. O lugar: Duas Acepções Geográficas. Anuário do Instituto de Geociências-UFRJ, v.21, p.9-20, 1998.

LEMOS, Amalia Inés Geraiges. Geografia da modernidade e geografia da pós-modernidade. Geousp, v.3, n.1, p.27-39, 1999.

LOWENTHAL, David. Environmental perception: preserving the past. Progress in Human Geography, v.3, i.4, p.549-559, December, 1979.

LOWENTHAL, David. Island, Lovers and Others. Geographical Review, v.97, n.2, p.202-229, april, 2007b

LOWENTHAL, David. The Past is a Foreign Country. New York: Cambridge University Press, 2015.

MCLUHAN, Hebert Marshall e FIORE, Quentin. Guerra e Paz na Aldeia Global. Rio de Janeiro: Record, 1971.

MITCHELL, Don. There's No Such Thing as Culture: Towards a Reconceptualization of the Idea of Culture in Geography. Transactions of the Institute of British Geographers. New Series, v.20, n.1, p.102-116, 1995.

MORGENTHAU, Hans. A política entre as nações. Brasília: Editora Universidade de Brasília – Clássicos IPRI, 2003.

MUIR, Richard. Landscape: a wasted legacy. Area, v.30, n.3, p.263-271, 1998.

MUNN, Nancy D. The cultural anthropology of time: a critical essay. Annual Review of Anthropology, v.21, p.93-123, 1992.

NAME, Leo. O conceito de paisagem na geografia e sua relação com o conceito de cultura. Geotextos, v.6, n.2, dez., p.163-186, 2010.

NORBERG-SCHULZ, Christian. O fenômeno do lugar. (in) Nesbitt, Kate. Uma nova agenda para a arquitetura. São Paulo: Cosac Naify, 2006.

POCOCK, Douglas C. D. The paradox of human geography. Area, v.15, n.4, p.355-358, 1983.

PORTEOUS, J. Douglas; MASTIN, F. Jane. Soundscape. Chicago: Journal of Architectural and Planning Research, Vol. 2, Number 3, p.169-186, 1985.

PORTEOUS, J. Douglas. Smellscape. Manchester: Progress in Human Geography, Number 9, p.356-378, 1985.

PORTEOUS, J. Douglas. Planned to death: the annihilation of a place called Howdendyke. Toronto: University of Toronto Press, 1988.

PORTEOUS, J. Douglas; Smith, Sandra E. Domicide: the global destruction of home. Montreal: Mcgill-Queen´s University Press, 2001.

PRICE, Liz; TRAVASSOS, Luiz Eduardo Panisset. Uso religioso de cavernas no Sudeste Asiático e China: a paisagem cárstica sob outra perspectiva. Ateliê Geográfico, v.10, n.3, p.129-159, dezembro, 2016.

RAFFESTIN, Claude. Por uma geografia do poder. São Paulo: Ática, 1980.

RELPH, Edward. Place and Placelesness. London: Pion Limited, 1976.

RELPH, Edward. The critical description of confused geographies (in): ADAMS, Paul C.; HOELSCHER, Steven; TILL, Karen E. Textures of Place. Minneapolis and London: Minnesota University Press, 2001.

SANTOS, Milton. Por uma outra globalização. Rio de Janeiro: Record, 2012a.

SANTOS, Milton. A Natureza do Espaço. São Paulo: Edusp, 2012b.

SANTOS, Milton. Metamorfoses do Espaço Habitado. São Paulo: Edusp, 2014.

SASAKI, Karen. A contribuição da Geografia Humanística para a compreensão do conceito de identidade do lugar. Revista de Desenvolvimento Econômico, ano XIII, n.22, dezembro, p.112-120, 2010.

SAÏD, Edward. Orientalismo. São Paulo: Companhia de Bolso, 2007.

SAÏD, Edward. Cultura e Imperialismo. São Paulo: Companhia de Bolso, 2011.

SAUER, Carl. A morfologia da paisagem. (in): OAKES, Timothy S; PRICE, Patricia L (eds). The Cultural Geography Reader. New York: Routledge, 2008.

SEAMON, David; LUNDBERG, Adam. Humanistic Geography. The International Encyclopedia of Geography: people, the Earth, Environmental and Geography, p.1-11, 2017.

SILVA, Leonardo Luiz Silveira da; COSTA, Alfredo. A inadequação das regionalizações culturais mediante os pressupostos do pós-colonialismo. Salvador: Geotextos, v.14, n.1, p.225-247, 2018a.

SILVA, Leonardo Luiz Silveira da; COSTA, Alfredo. Cultura como comunidade imaginada: uma crítica à abordagem ontológica da cultura nos estudos geográficos. Geografias, v.16, n.1, p.27-41, 2018b.

SILVA, Leonardo Luiz Silveira da; COSTA, Alfredo. Questionando as delimitações cartográficas da cultura. Caminhos de Geografia, v.21, n.73, p.445-457, 2020.

SOKOLOVE, Jeniffer; FAIRFAX, Sally K.; HOLLAND, BREENA. Managing place and identity: The Marin Coast Miwok experience. The Geographical Review, v.92, n.1, p.23-44, January, 2002.

TUAN, Yi-Fu. Topofilia: um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. São Paulo: Difel, 1980.

TUAN, Yi-Fu. Strangers and Strangeness. Geographical Review, v.76, nº1, jan, p.10-19, 1986.

TUAN, Yi-Fu. Escapism. Baltimore: The Johns Hopkins University Press, 1998.

TUAN, Yi-Fu. Paisagens do medo. São Paulo: Editora Unesp, 2005.

TUAN, Yi-Fu. Espaço e lugar: a perspectiva da experiência. Londrina: Eduel, 2013a.

TWIGGER-ROSS, Claire L; Uzzel, David L. Place and identity process. Journal of environmental psychology, n.16, p.205-220, 1996.

VALENTINE, Gill. Whatever happened to the social? Reflections on the “cultural turn” in British Human Geography. Norwegian Journal of Geography, v.55, p.166-172, 2001.

WALTON, Judy R. How Real(ist) can you get? Professional Geographer, v.47, i.1, p.61-65, 1995.

WATSON, J. Wreford. The soul of geography. Transactions of British Geographers, v.8, n.4, p.385-399, 1983.

WRIGHT, John K. Terrae Incognitae: O lugar da imaginação na Geografia. Geograficidade, v.4, n.2, inverno, p.4-18, 2014.

Downloads

Publicado

10/05/2022

Como Citar

Silva, L. L. S. da, & Costa, A. (2022). Identidades como uma quimera de lugares. Revista Da ANPEGE, 17(34), 40–54. https://doi.org/10.5418/ra2021.v17i34.12063