Poluição causada pela emissão de resíduos sólidos em alta temporada (verão) nas praias turísticas Grande e da Biscaia, Angra dos Reis – RJ

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5418/ra2021.v17i33.11670

Palavras-chave:

Angra dos Reis, praias, resíduos sólidos, poluição

Resumo

Nesta pesquisa, o objetivo foi monitorar os resíduos sólidos nas praias estudadas a priori, através de observação e quantificação desses no verão de 2017. O método de monitoramento por transectos foi utilizado em ambas as praias. Os resultados mostraram a predominância do plástico em altas concentrações, seguido por outros resíduos tais quais o papel e vidro, que sabidamente podem causar sérios problemas ambientais.  Na Praia Grande, observou-se  uma maior concentração no número total de resíduos se comparado com a Praia de Biscaia. Este trabalho teve como objetivo monitorar os resíduos antrópicos emitidos pela atividade turística em importantes praias localizadas na parte continental do município de Angra dos Reis, uma vez que esses resíduos constituem uma ameaça perigosa para os ecossistemas marinhos e costeiros e podem causar uma série de danos ao local biota e contribuem para a degradação desses ambientes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlos Marclei Arruda Rangel, Universidade Federal Fluminense - UFF Departamento de Geografia e Políticas Públicas - DGP.

Possui Graduação em Geografia (Licenciatura e Bacharelado) pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) (2002); Especialização (2003), Mestrado (2006), Doutorado (2011) e Pós Doutorado (2014) em Geologia e Geofísica Marinha pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Atualmente é Professor Adjunto I na cadeira de Geografia Física no Curso de Geografia do Instituto de Educação da Universidade Federal Fluminense situado no Campus de Angra dos Reis (IEAR/UFF). Atua nas disciplinas de Geologia, Geomorfologia Costeira, Cartografia Básica e Cartografia Temática . É Pesquisador no Programa de Pós Graduação em Dinâmica dos Oceanos e da Terra da UFF. É pesquisador integrante ao Núcleo de Estudos Paleobiogeoclimáticos (NEPaleo) e do Grupo de Pesquisa GEOETUR - Geografia, Espaço e Turismo (UFF), ambos do diretório de grupos de pesquisas do CNPq. É Coordenador do Projeto: Variação sazonal, espacial e composicional de lixo nas Praias turísticas da Biscaia e Grande no município de Angra dos Reis - RJ. É também editor e revisor do periódico Caderno de Estudos Ambientais (CADEGEO). Tem experiência nas seguintes áreas: Geologia Ambiental, Geoquímica Ambiental, Geografia Física, Cartografia, Poluição Marinha e Ecossistemas Aquáticos com ênfase em qualidade da água e sedimentos e degradação por resíduos em estudos e pesquisas relacionados à contaminação ambiental por metais pesados, hidrocarbonetos poli-aromáticos (HPAs), nutrientes, resíduos sólidos e entendimento da dinâmica de argilominerais em corpos hídricos.

Wilson Martins Lopes Júnior, Universidade Federal Fluminense - UFF Departamento de Geografia e Políticas Públicas - DGP.

Professor Associado I da Universidade Federal Fluminense - UFF. Atua no curso de licenciatura em Geografia do Departamento de Geografia e Políticas Públicas - DGP da UFF de Angra dos Reis, RJ. Docente credenciado ao Programa de Pós-Graduação em Turismo - PPGTUR da Universidade Federal Fluminense - UFF de Niterói, RJ. Áreas de interesse: Geografia Humana; Meio Ambiente e Turismo.

Daniel Luiz Poio Roberti, Universidade Federal Fluminense - UFF Departamento de Geografia e Políticas Públicas - DGP.

Graduado em Geografia pela Universidade Federal Fluminense (2007), mestre em Ciências da Educação pela Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias (2011) e doutor em Educação pela UFF (2015). Atualmente, é professor adjunto da área de Fundamentos da Educação e Geografia do curso de Geografia da Universidade Federal Fluminense (IEAR) e integrante do Grupo de Pesquisa e Estudos em Geografia da Infância (GRUPEGI/Cnpq-UFF). Representante do curso Geografia do EAR no colegiado de licenciaturas da UFF. Tem experiência nas disciplinas de estágio, análise e produção de material didático, ensino de geografia para graduação em pedagogia e cartografia escolar. Atua, principalmente, nos seguintes temas: análise e produção de material didático, construção dos conceitos geográficos e cartográficos no segmento básico de ensino.

Referências

ARAUJO, F. R. Produção do espaço turístico regional: Uma perspectiva sobre a situação e emprego do Setor na Região da Costa Verde no Estado do Rio de Janeiro. XVI Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Planejamento Urbano e Regional – ENANPUR. Belo Horizonte, 2015.

BAPTISTA NETO, J.; FONSECA, E. M. Variação sazonal, espacial e composicional de lixo ao longo das praias da margem oriental da Baía de Guanabara (Rio de Janeiro) no período de 1999-2008. Revista da Gestão Costeira Integrada, v.11(1), p.31-39, 2011.

BARTHOLO, R.; DELAMARO, M.; BADIN, L. (orgs.). Turismo e sustentabilidade no estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Garamond, 2005.

BRIASSOULIS, H. Sustainable tourism and the question of the commons. Annals of tourism research, v. 29, n.4, p. 1065-1085. 2002.

BUTLER, Richard. Sustainable tourism – looking backwards in order to progress? In: HALL, Michael e LEW, Alan. (Org.). Sustainable tourism: a geographycal analysis. Essex, UK: Addison Wesley Longman Limited, 1998. p. 25-34.

CORCORAN, P. L.; BIESINGER, M. C.; GRIFI, M. Plastics and beaches: A degrading relationship: Marine Pollution Bulletin, v. 58, p. 80–84. 2009.

DERRAIK, J. G. The pollution of the marine environment by plastic debris: a review. Marine Pollution Bulletin. 44, 842-852. 2002.

DIAS, R. Planejamento do turismo: política e desenvolvimento do turismo no Brasil. São Paulo: Atlas, 2003.

DIAS, R. Introdução ao Turismo. – São Paulo: Atlas, 2005.

DIB-FERREIRA, D. R. As Diversas Visões do Lixo: Percepção Técnica do Homem e da Mídia. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal Fluminense - UFF. 160 f. 2005.

DIEGUES, A. C. Ecologia humana e planejamento em áreas costeiras. 2a edição. São Paulo, 2001.

FERRETTI, E. R. Turismo e meio ambiente: uma abordagem integrada. São Paulo: Roca, 2002.

HALL, C. M.,; PAGE, S. J. Progress in Tourism Management: From the geography of tourism to geographies of tourism – A review. Tourism Management, 30, 3–16. 2009.

HANAI, F.Y. Desenvolvimento sustentável e sustentabilidade do turismo: conceitos, reflexões e perspectivas. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional, Taubaté - SP, v. 8, n. 1, p. 198-231, jan-abr/2012.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE) .Disponível em: <http://cidades.ibge.gov.br/painel/Economia.php?lang=&codmun=330010&search=rio-de janeiro|angra-dos-reis|infograficos:-despesas-e-receitas-orcamentarias- e-pib>. Acessado em: 22/01/2019.INMET. INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA. Disponível em: Acessado em: 10/03/2017.

IVAR DO SUL, J.A.;COSTA, M.F. Marine debris review for Latin America and the wider Caribe an region: from the 1970s until now, and where do we go from here? Marine Pollution Bulletin. 54(8):1087-104. 2007.

LUSHER, A. L.; MCHUGH, M.; THOMPSON, R.C. Occurrence of microplastics in the gastrointestinaltract of pelagic and demersal fish from the English channel. Marine Pollution. Bulletin. 67 (1–2), 94–99. 2013.

JACOBI, P. R; BESEN, G.R. Solid Waste Management in São Paulo: The challenges of sustainability. Estudos avançados. vol.25 no.71.2011.

MEDEIROS, L. C; MORAES, P. E. S.; Turismo e sustentabilidade ambiental: referências para o desenvolvimento de um turismo sustentável. Revista Meio Ambiente e Sustentabilidade. vol.3 n.2. p.197-234, jan/jun 2013.

MENDONÇA, T. C. M.; MORAES, E.A; CATARCIONE, F. L. C. Turismo de base comunitária na Região da Costa Verde (Rio de Janeiro): Refletindo sobre um turismo que se tem e um turismo que se quer. Caderno Virtual de Turismo. Rio de Janeiro, v. 16, n.2, p. 232- 248, 2016.

MOLINA, S.; RODRÍGUES, S.; Tradução: Carlos Valero. Planejamento integral do turismo: um enfoque pra a América Latina. Bauru, SP: EDUSC, 2001.

MORAES, A. C. R. de. Contribuições para a gestão da zona costeira do Brasil: elementos para uma geografia do litoral brasileiro. São Paulo: Hucitec, Edusp, 1999.

NOLLKAEMPER, A. Legal regulation of upland discharges of marine debris: from local to global controls and back. In: Coe, J.M.; Rogers, D. B. (eds.), Marine debris: sources, impacts, and solutions, Springer-Verlag, New York, USA. p. 293-305, 1997.

OSPAR. Regional Action Plan for Prevention and Management of Marine Litter in the North-East Atlantic (OSPAR Agreement 2014–1) Online September 2014 http://www.ospar.org/v_meetings/browse.asp?menu=00550520000000_000000_000000.

PAIVA, M. das G. de M. V. Sociologia do turismo. Campinas: São Paulo, 1995.

REJOWSKI, M.; YASOSHIMA, B. V. S.; SILVEIRA, A. S. Desenvolvimento do Turismo. In: REJOWSKI, M. (Org.). Turismo no percurso do tempo. São Paulo: Aleph, 2002, p. 43-73.

SANTOS. I.R.; FRIEDRICH, A.C.; IVAR DO SUL, J.A. Marine debris contamination along undeveloped tropical beaches from Northeast Brazil. Environmental Monitoring and Assessment, 148(1-4):455-462, 2009.

SANTOS, I. R.; FRIEDRICH, A.C.; WALLNER-KERSANACH, M.; FILLMANN, G.; SHILLER, R. V.; COSTA, R. Geração de resíduos sólidos pelos usuários da praia do Cassino, RS, Brasil. Revista de Gestão Costeira Integrada, 3: 12–14. 2003.

SEABRA, L. Condicionantes ambientais para o turismo litorâneo no Estado do Rio de Janeiro. In: BARTHOLO, R. et al (org.) Turismo e sustentabilidade no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Garamond, 2005.

SEABRA, L. Turismo sustentável: planejamento e gestão. In: CUNHA, S.; GUERRA, A. J. T. (orgs.) A questão ambiental: diferentes abordagens. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003.

SETÄLÄ, O.; NORKKO, J.; LEHTINIEMI, M. Feeding type affects microplastic ingestion in a coastal in vertebrate community. Mar Pollut Bull. Jan 15;102(1):95-101. 2016.

SILVA, C.L; FUGII, G.M; SANTOYO, A. H.; BASSI, N. S.; VACONCELOS, M. C. Gestão de resíduos sólidos urbanos em capitais brasileiras para um modelo de gestão. Revista Brasileira de Ciências Ambientais. 33:2176-9478. 2014.

SOBRAL, J.;MARTINS, P. Plastic marine debrison the Portuguese coastline: a matter of size? Marine Pollution Bulletin.62(12):2649-53.2011.

SOUZA, J. L. & SILVA, I. R. Avaliação da qualidade ambiental das Praias da Ilha de Itaparica, Baía de Todos os Santos, Bahia. Sociedade & Natureza. 27 (3): 469-484. 2015.

TELLES, D. H. Q. Uso náutico do território e políticas de turismo no Brasil: técnica, trabalho e informação a partir de marinas em Angra dos Reis-RJ. Revista do Departamento de Geografia – USP, Volume 27 (2014), p. 248-281.

TULIK, O. Recursos naturais e Turismo: tendências contemporâneas. Revista Turismo em Análise, Brasil, v. 4, n. 2, p. 26-36, nov. 1993. ISSN 1984-4867. Disponível em: <https://www.revistas.usp.br/rta/article/view/63088/65895>. Acesso em: 18 sep. 2018.

URRY, J. O Olhar do Turista: lazer e viagens nas sociedades contemporâneas. São Paulo: Studio Nobel: SESC, 2001.

RODRIGUES, A. M. A produção e o consumo do espaço para o turismo e a problemática ambiental. In: YÁZIGI, Eduardo; CARLOS, Ana Fani Alessandri; CRUZ, Rita de Ariza da. (orgs.) Turismo: espaço, paisagem e cultura.2a edição. São Paulo: Hucitec, 1999. p.55-62.

SWARBROOKE, J. Turismo sustentável: conceitos e impacto ambiental. v. 1., São Paulo: Aleph, 2000.WATTS, A.J.; LEWIS, C.; GOODHEAD, R. M.; BECKETT, S. J.; MOGER, J.; TYLER, C. R.; GALLOWAY, T. S. Uptake and retention of microplastics by the shore crab Carcinusmaenas. Environmental Science and Technology. 48, 8823–8830. 2014.

Downloads

Publicado

02/12/2021

Como Citar

Rangel, C. M. A., Lopes Júnior, W. M., & Poio Roberti, D. L. (2021). Poluição causada pela emissão de resíduos sólidos em alta temporada (verão) nas praias turísticas Grande e da Biscaia, Angra dos Reis – RJ. Revista Da ANPEGE, 17(33), 230–250. https://doi.org/10.5418/ra2021.v17i33.11670

Edição

Seção

Seção Temática - Geograficia e Natureza