A metáfora combatente: Interpretação literogeográfica da mineração no poema “O maior trem do mundo”, de Drummond

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5418/ra2020.v16i31.11428

Palavras-chave:

Mineração, território, literatura, Drummond

Resumo

O extrativismo mineral é um dos eixos centrais da formação econômica e social do Brasil. Contudo, o setor mineral e seus riscos ambientais só se tornaram conhecidos do grande público brasileiro após os rompimentos de barragens de rejeitos em Minas Gerais. Com efeito, o modelo de mineração emergiu como um problema no país, interpretado e debatido a partir de diversos campos de saberes. Neste artigo propõe-se uma interpretação literogeográfica da mineração baseada na leitura da obra de Carlos Drummond de Andrade. Para isso, a centralidade das análises apresentadas baseia-se na leitura do poema O maior trem do mundo. Revelam-se as críticas que o poeta fez ao modelo de mineração territorializado em Itabira (MG) e, por extensão, em Minas Gerais e no Brasil. A metodologia conta com revisão bibliográfica baseada na relação entre Geografia e Literatura. A interpretação literogeográfica do poema ou de qualquer texto literário consiste em adensar a leitura do território ou do espaço. E, neste caso, os resultados revelam a importância do texto poético de Drummond como instrumento de percepção crítica e ampla da mineração e suas implicações territoriais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ricardo Junior de Assis Fernandes Gonçalves, Universidade Estadual de Goiás (UEG)

Doutor em Geografia. Professor dos Cursos de Graduação e Pós-Graduação Stricto Sensu em Geografia da Universidade Estadual de Goiás (UEG).  Pesquisador dos Grupos Política, Economia, Mineração, Ambiente e Sociedade (PoEMAS); e Espaço, Sujeito e Existência (Dona Alzira). 

Referências

AB’SABER, A. N. O que é ser geógrafo: memórias profissionais de Aziz Nacib Ab’Saber. Rio de Janeiro: Record, 2007

ALMEIDA, M. G. de. Em busca do poético do sertão. Espaço e Cultura, UERJ, N. 6, JUL/DEZ DE 1998

AMADO, J. Capitães de areia. 92ª ed. Rio de Janeiro: Editora Record, 1988

AMORIM FILHO, O. B. A pluralidade da geografia e o papel das abordagens fenomenologias no fazer geográfico. Caderno de Geografia, v. 16, p. 35-58, 2006

ANDRADE, C. D. de. Poesia completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2008

ANDRADE, C. D. de. Vila de utopia. 1943. Disponível em: < http://www.viladeutopia.com.br/vila-de-utopia/>. Acesso em: 22 de janeiro de 2020

ANDRADE, C. D. de. O guloso comeu tudo… Em defesa de seus direitos. 1955. Disponível em: < http://www.viladeutopia.com.br/o-guloso-comeu-tudo-em-defesa-de-seus-direitos/ >. Acesso em: 22 de janeiro de 2020

BERNARDES, C. Jurubatuba. São Paulo: Livraria Cultura Goiana Editora, 1979

BOSI, A. Dialética da Colonização. 4ª ed. São Paulo: Companhia das letras, 1992

BOSI, A. Entre a literatura e a história. São Paulo: Editora 34, 2013

CANDIDO, A. A vida ao rés-do-chão. In: ANDRADE, Carlos Drummond et al. Para gostar de ler. São Paulo: Ática, 1984

CAMPIDELLI, C. Et.al. Brumadinho: a engenharia de um crime. Belo Horizonte/MG: Letramento Editora, 2019

CHAVEIRO, E. F. A dança da natureza e a ruína da alma: geografia e literatura – uma leitura possível. Ateliê Geográfico, Goiânia, v. 1, n. 2, p.174-186, 2007

CHAVEIRO, E. F. Dizibilidades literárias: a dramaticidade da existência nos espaços contemporâneos. Geograficidade, Rio de Janeiro/RJ, v.5, n.1, 2015

COUTINHO, C. N. Cultura e sociedade no Brasil: ensaios sobre ideias e formas. 4.ed. São Paulo: Expressão Popular, 2011

ÉLIS, B. A terra e as carabinas. Goiânia: R&F Editora, 2005

FELIPPE, M. Et.al. Minas de lama: relatório da expedição geográfica no vale do rio Paraopeba. 2020. Disponível em: Acesso em: 20 de fevereiro de 2020

FREI, V. No país do mano muça, eu sou carvão: implicações socioterritoriais dos megaprojetos de mineração nas comunidades locais da província de Nampula. 2017. 412 f. Tese (Doutorado em Geografia) - Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2017

FROCHTENGARTEN, F. Memória e colonização em Carlos Drummond de Andrade. Psicologia & Sociedade, São Paulo, v. 16, n.3, p. 97-101, 2004

GALEANO, E. As veias abertas da América Latina. Tradução de Galeano de Freitas. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987

GORTÁZAR, N. G. A maldição das minas no Brasil: entre o medo do desemprego e o fantasma da impunidade. 2019. Disponível em: <https://brasil.elpais.com/brasil/2019/05/04/politica/1556925352_146651.html>. Acesso em: 20 de Fevereiro de 2020

GUDYNAS, E. Extractivismos: ecología, economía y política de un modo de entender el desarrollo y la naturaleza. Cochabamba: CEDIB/CLAES, 2015

GUIMARÃES, C. L.; MILANEZ, B. Mineração, impactos locais e os desafios da diversificação: revisitando Itabira. Desenvolvimento e Meio Ambiente, v. 41, p. 215-236, agosto 2017

HARVEY, D. 17 contradições e o fim do capitalismo. Tradução Rogério Bettoni. São Paulo: Boitempo, 2016

HARVEY, D. A loucura da razão capitalista: Marx e o capital no século XXI. Tradução de Artur Renzo. São Paulo: Boitempo, 2018

HENDERSON, J.; DICKEN, P.; HESS, M. Redes de produção globais e a análise do desenvolvimento econômico. Revista Pós Ciências Sociais, v.9, n.15, p.143-160, 2011

IANNI, O. Sociedade e Literatura. In: SEGATTO, J. A. BALDAN, U. de. (Org.). Sociedade e literatura no Brasil. São Paulo: UNESP, 1999, p. 9-42

JUCÁ, B. As 50 barragens em alto risco que mantêm a bomba-relógio da mineração em Minas. Disponível em: <https://brasil.elpais.com/brasil/2020-01-23/as-50-barragens-em-alto-risco-que-mantem-a-bomba-relogio-da-mineracao-em-minas.html>. Acesso em: 20 de Fevereiro de 2020

MARANDOLA JR. E.; GRATÃO, L, H, B. (Org.). Geografia e literatura: ensaios sobre geograficidade, poética e imaginação. Londrina: Eduel, 2010

MILANEZ, B. et al. A Estratégia Corporativa da Vale S.A.: um modelo analítico para Redes Globais Extrativas. Versos – Textos para Discussão PoEMAS, v. 2, n. 2, p. 1-43, 2018

MILANEZ, Bruno. Et. al. Minas não há mais: Avaliação dos aspectos econômicos e institucionais do desastre da Vale na bacia do rio Paraopeba. Versos - Textos para Discussão PoEMAS, v. 3, n. 1, p.1-114, 2019

MOREIRA, R. Pensar e ser em Geografia: ensaios de história, epistemologia e ontologia do espaço geográfico. 2.ed. São Paulo: Contexto, 2015

PERPETUA, G. M. Pilhagem territorial, precarização do trabalho e degradação do sujeito que trabalha: a territorialização do capital arbóreo-celulósico no Brasil contemporâneo. 2016. 307f. Tese (Doutorado em Geografia) – Faculdade de Ciência e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente.

RIBEIRO, D. O Brasil como problema. Brasília/DF: Editora da UNB, 2010

RUFFATO, L. Discurso de Luiz Ruffato na abertura da Feira do Livro de Frankfurt. 2013. Disponível em: <https://cultura.estadao.com.br/noticias/geral,leia-a-integra-do-discurso-de-luiz-ruffato-na-abertura-da-feira-do-livro-de-frankfurt,1083463>. Acesso em: 20 de Fevereiro de 2020

SABOYA, E. Mais uma barragem da Vale pode se romper a partir deste domingo. 2019. Disponível em: <https://brasil.elpais.com/brasil/2019/05/17/politica/1558105006_869151.html>. Acesso em: 20 de Fevereiro de 2020

SECEX – Secretaria de Comércio Exterior. Disponível em: < http://www.mdic.gov.br/index.php/auditorias/3531-secretaria-de-comercio-exterior-secex>. Acesso em: 10 de fevereiro de 2020

SERRA, C. Tragédia em Mariana: a história do maior desastre ambiental do Brasil. Rio de Janeiro/RJ: Record, 2018

SOUZA, M. L. de. Ambientes e territórios: uma introdução à ecologia política. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2019

SCHWARZ, R. Um mestre na periferia do capitalismo: Machado de Assis. São Paulo: Duas Cidades; 34, 2000

SUZUKI, J. C. Modernidade, cidade e indivíduo: uma leitura de A Rosa do Povo. Percurso: Sociedade, Natureza e Cultura, Curitiba, n. 7, p. 23-33, 2008

TEZZA, C. O espírito da prosa: uma autobiografia literária. Rio de Janeiro: Record, 2012

TROCATE, Charles.; COELHO, Tadzio. Quando vier o silêncio: o problema mineral brasileiro. São Paulo: Expressão Popular, 2020.

VALE. Produção e vendas da Vale no 4T19 e em 2019. 2020

Disponível em: < http://www.vale.com/PT/investors/information-market/Press Releases/ReleaseDocuments/PREPORT4T19_p.pdf>. Acesso em: 20 de fevereiro de 2020

WISNIK, José M. Maquinação do mundo: Drummond e a mineração. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

Downloads

Publicado

08/03/2021

Como Citar

Gonçalves, R. J. de A. F. (2021). A metáfora combatente: Interpretação literogeográfica da mineração no poema “O maior trem do mundo”, de Drummond. Revista Da ANPEGE, 16(31), 272–286. https://doi.org/10.5418/ra2020.v16i31.11428

Edição

Seção

Seção Temática - Geografia e Literatura