Viabilidade técnica e econômica de bioestimulante aplicado em pós-emergência de feijão comum

Vinicius Cesar Sambatti, Hugo Leonardo Lima Gomes, Giliardi Dalazen

Resumo


A intensificação da produção agrícola aumenta a busca por manejos que aumentem a produtividade das culturas, incluindo uso de bioestimulantes vegetais. O objetivo deste trabalho foi avaliar a viabilidade técnica e econômica do bioestimulante Stimulate®, aplicado nos estágios V4 ou R5 da cultura do feijão. Dois experimentos foram conduzidos em diferentes épocas (estação das águas e da seca) em Londrina, PR, no ano agrícola de 2016/17. Os tratamentos foram organizados em esquema fatorial (5x2) e consistiram em doses do bioestimulante Stimulate® (0; 500; 1.000; 1.500 e 2.000 mL ha-¹) e estágios fenológicos da cultura no momento da aplicação (V4 e R5). O rendimento de grãos e os componentes de rendimento da cultura foram avaliados e uma análise econômica foi realizada. Na estação das águas, a aplicação do bioestimulante na dose de 500 mL ha-1 apresentou os melhores resultados, resultando em produtividade 226 Kg ha-1 superior ao controle e aumento de rentabilidade em 6,22%. Na estação seca, a maior produtividade também foi alcançada com a aplicação de 500 mL ha-1, proporcionando uma produtividade 39,4% maior que o controle e um aumento de 36,4% na margem de lucro. Não foram observadas diferenças entre os estágios de aplicação para a variável rendimento de grãos. No entanto, para alguns componentes de rendimento, a aplicação em R5 resultou em melhores resultados. A estação das águas foi mais produtiva, com produtividade média de 3.630 kg ha-1, enquanto na estação seca a média foi de 1.360 kg ha-1. O uso do bioestimulante foi técnicamente e economicamente viável quando aplicado na dose de 500 mL ha-1 em ambos estádios do feijão comum (V4 ou R5) e épocas de cultivo (estação das águas e da seca).

Palavras-chave


Phaseolus vulgaris. Regulador vegetal. Auxina. Citocinina. Giberelina.

Texto completo:

PDF (English)

Referências


ABRANTES, F.L.; SÁ, M.E.; SOUZA, L.C.D.; SILVA, M.P.; SIMIDU, H.M.; ANDREOTTI, M.; BUZETTI, S.; VALÉRIO FILHO, W.V.; ARRUDA, N. Use of growth regulator in winter bean cultivars. Pesquisa Agropecuária Tropical, v.41, p.148-154, 2011.

ANDREI, E. Compêndio de defensivos agrícolas: guia prático de produtos fitossanitários para uso agrícola. 7. Ed. São Paulo: Organizações Andrei, 2005 p. 1132.

ÁVILA, M.R.; BARIZÃO, D.A.O.; GOMES, E.P.; FEDRI, G.; ALBRECHT, L.P. Bean cultivation in autumn/winter associated with an application of biostimulant and foliar fertilizer in the presence and absence of irrigation. Scientia Agraria, v. 11, n. 3, p. 221-230, 2010.

BARBOSA, F.R.; GONZAGA, A. C.O. Informações técnicas para o cultivo do feijoeiro-comum na Região Central-Brasileira: 2012-2014. Santo Antônio de Goiás, GO: Embrapa Arroz e Feijão. 2012. 247p. (Embrapa Arroz e Feijão. Documentos, 272).

BOSSOLANI, J.W.; EUSTÁQUIO DE SÁ, M.; MERLOTI, L.F.; BETTIOL, J.V.T.; FONSECA DE OLIVEIRA, G. R.; PEREIRA, D. S. Plant biostimulant associated with a resistance inducer in the production components of the common bean. Revista Agro@mbiente OnLine, v.11, n.4, p. 307-314, 2017.

CALVO, P.; NELSON, L.; KLOEPPER, J.W. Agricultural uses of plant biostimulants. Plant and Soil, The Hague, v. 383, n. 1/2, p. 3-41, 2014.

CASTRO, P.R.C.; SILVA, G.P.; CATO, S.C.; TAVARES, S. Action of biostimulants in bean (Phaseolus vulgaris L. CV. IAC – Carioca Tybatã). Revista da Agricultura, v. 79, n.2, p.215-226, 2004.

COBUCCI, T.; NASCENTE, S.A.; PEREIRA FILHO, R.C.; MACHADO, A.A.; OLIVEIRA, B.G.K.; CARVALHO, A.B.A. Efeitos de reguladores vegetais aplicados em diferentes estádios de desenvolvimento do feijoeiro comum. Campinas: IAC, 2008. (Documentos, 85).

CONAB. Companhia Nacional de Abastecimento. Acompanhamento da Safra Brasileira de Grãos – Safra 2016/17 – Décimo segundo levantamento. Brasília, DF: CONAB, 2017. v.4, n.12.

GUIMARÃES, R.A.M.; BRAZ, A.J.B.P.; SIMON, G.A.; FERREIRA, C.J.B.; BRAZ, G.B.P.; SILVEIRA, P.M. Response of common bean cultivars to nitrogen fertilization in different phenological stages. Global Science and Technology, v.10, n.01, p.136-148, 2017.

HIGASHI, E.N.; SILVEIRA, R.L.V.A.; GOUVÊA, C.F.; BASSO, L.H. Ação fisiológica de hormônios vegetais na condição hídrica, metabolismo e nutrição mineral. In: CASTRO, P.R.C.; SENA, J.O.A.; KLUGE, R.A. Introdução à fisiologia do desenvolvimento vegetal. Maringá: Eduem, 2002, p.139-158.

NITSCHE, P. R.; CARAMORI, P. H.; RICCE, W. da. S.; PINTO, L. D. F. Atlas climático do estado do Paraná. Londrina: Iapar, 2019. 210 p. Disponível em: http://www.iapar.br/arquivos/File/zip_pdf/AtlasClimaticoPR.pdf. Acesso em: 08 set. 2020.

OLIVEIRA, F.A.; MEDEIROS, J.F.; ALVES, R.C.; LIMA L.A.; SANTOS, S.T.; RÉGIS, L.R.L. Cowpea beans production in function of salinity and growth regulator. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v.19, n.11, p. 1049-1056, 2015.

OLIVEIRA, M.G.C.; OLIVEIRA, L.F.C.; WENDLAND, A.; GUIMARÃES, C.M.; QUINTELA, E.D.; BARBOSA, F.R.; CARVALHO, M.C.S.; LOBO JUNIOR, M.; SILVEIRA, P.M. Conhecendo a fenologia do feijoeiro e seus aspectos fitotécnicos. Brasília, DF: Embrapa, 2018. 59p.

OSUGI, A.; SAKAKIBARA, H.Q.A. How do plants respond to cytokinis and what is their importance?. BMC Biology, v. 13, p. 102-112, 2015.

PAVAN, M. A.; BLOCH, M. F.; ZEMPULSKI, H. D. MIYAZAWA, M.; ZOCOLER, D. C. Manual de análise química do solo e controle de qualidade. Londrina, Instituto Agronômico do Paraná,. 1992. 40 p. (IAPAR. Circular, 76).

ROSSI, R. Nitrogênio em cobertura e bioestimulante aplicado via foliar em feijoeiro de inverno no Sistema de plantio direto. 2011. 62 f. Dissertação – Faculdade de Engenharia – UNESP – Campus de Ilha Solteira, São Paulo. 2011.

SANTOS, H.G.; JACOMINE, P.K.T.; ANJOS, L.H.C..; OLIVEIRA, V.A..; LUMBRERAS, J.F.; COELHO, M.R.; ALMEIDA, J.A..; ARAUJO FILHO, J.C..; OLIVEIRA, J.B..; CUNHA, T.J.F. Sistema Brasileiro de classificação de solos. 5 ed. rev. e ampl. Brasília, DF: Embrapa, 2018. 355 p.

SANTOS, V.M.; MELO, A.V.; CARDOSO, D.P.; DA SILVA, Á.R.; BENÍCIO, L.P.F.; FERREIRA, E.A. Development of soybean plants as a function of biostimulant under phosphate fertilization conditions. Bioscience Journal, v. 30, n. 4, p. 1087-1094, 2014.

SANTOS, V.M.; MELO, A.V.; CARDOSO, D.P.; GONÇALVES, A.H.; VARANDA, M.A.F.; TAUBINGER, M. Use of biostimulant in Zea mays L. plant growth. Revista Brasileira de Milho e Sorgo, Sete Lagoas, v. 12, n. 3, p. 307-318, 2013.

SILVA, R.S.; FOGAÇA, J.J.N.L.; MOREIRA, E.S.; PRADO T.R.; VASCONCELOS, R.C. Morphology and common bean production due to the biostimulant. Scientia Plena, v. 12, n.10, p., 2016.

AGROFIT. Sistema de Agrotóxicos Fitossanitários Consulta de Produtos Formulados - Stimulate. Brasília, DF: MAPA. Disponível em: http://agrofit.agricultura.gov.br/agrofit_cons/principal_agrofit_cons. Acesso em: 28/02/2019.

SHARMA, H.S.; FLEMING, C.; SELBY, C.; RAO, J.R.; MARTIN, T. Plant biostimulants: a review on the processing of macroalgae and use of extracts for crop management to reduce abiotic and biotic stress. Journal of Applied Phycology, v.26, p. 465-490, 2014.

VANNESTE, S.; FRIML, J. Auxin: A Trigger for Change in Plant Development. Cell, v.136, n.6, p. 1005-1016, 2009.

VIEIRA, E.L.; MONTEIRO. C.A. Hormônios vegetais. In: CASTRO, P.R.C.; SENA, J.O.A.; KLUGE, R.A. Introdução à fisiologia do desenvolvimento vegetal. Maringá: Eduem, 2002. p.79-104.

VIEIRA, S.M.; RONZELLI JÚNIOR, R.; DAROS, E.; KOEHLER, H.S.; PREVEDELHO, B.M.S. Nitrogen, molybdenum and inoculant for bean crop. Scientia Agraria, v. 1, n. 1-2, p. 63-66, 2000.




DOI: https://doi.org/10.30612/agrarian.v13i50.9753

URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/3.0/br/

Revista Agrarian 
e-ISSN 1984-2538

Licença Creative Commons

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.