Equações de perfil do tronco avaliados para Corymbia citriodora Hill & Johnson

Valdir Carlos Lima de Andrade, Brenno Cunha Freitas, David Lucas Camargo Vieira Terra

Resumo


Equações de perfil do tronco das árvores viabilizam quantificar diferentes usos que se possam destinar a produção madeireira de um determinado povoamento florestal. São advindas do ajuste de modelos de taper, referenciados como: modelos de afilamento, adelgaçamento, forma e, ou de perfil do tronco ou do fuste. Como não se encontram estudos sobre o emprego de equações de perfil do tronco em plantios brasileiros com Corymbia citriodora, esse trabalho objetivou verificar o ajuste de uma grande quantidade de modelos para esta importante espécie florestal. Foram utilizadas 35 árvores cubadas com medições diretas do diâmetro do tronco nas posições: 0,2 m, 0,4 m, 0,7 m, 1,3m, 2,7 m e a cada 2 metros até um valor aproximado de 1,0 cm com casca. Como critérios estatísticos de avaliação das equações de perfil do tronco geradas para C. citriodora, foram considerados: coeficiente de determinação ajustado, erro padrão da estimativa, distribuição gráfica dos resíduos, média dos desvios absolutos, desvio padrão das diferenças, soma dos quadrados dos resíduos relativos, média dos desvios percentuais, raiz quadrada do erro médio, viés e coeficiente de correlação linear múltipla. Concluiu-se que, para descrever o perfil do tronco de C. citriodora, as equações geradas por modelos muito difundidos no Brasil apresentaram desempenho insatisfatório e que se destacaram seis modelos ainda pouco testados ou sem aplicação no país.


Palavras-chave


Validação cruzada. Taper. Multiprodutos madeireiros.

Texto completo:

PDF

Referências


Andrade, V.C.L. (2014). Modelos de taper do tipo expoente-forma para descrever o perfil do fuste de árvores. Pesquisa Florestal Brasileira, 34(80), 271-283. DOI: http://doi.org/10.4336/2014.pfb.34.80.614.

Andrade, V.C.L., Souza, A.L., Amaro, M.A., Costa, W.S., & Soares, C.P.B. (2016). Perfil do fuste de Anadenanthera peregrina descrito pelo método da altura relativa. Ciência Florestal, 26(03), 875-887.

Azevedo, G.B.D., Azevedo, G.T.D.O.S., Castro, R.V.D.O., Barreto-Garcia, P.A.B., & Rezende, A.V. (2017). Bole profile of eucalyptus under two conduction regimes in the southwest region of the Brazilian state Bahia. Revista Árvore, 41(02), 01-11. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1806-90882017000200011.

Batista, J.L.F. Couto, H.T.Z., & Marquesini, M. (2001). Desempenho de modelos de relações hipsométricas: estudo em três tipos de floresta. Scientia Forestalis, 60, 143-163.

Cellini, J.M., Pastur, G.M., Wabö, E., & Lencinas, M.V. (2002). Modelos de perfil de tronco en Nothofagus pumilio (Poepp. et Endl.) Krasser y su utilización en el cálculo del volumen total. Investigación Agraria: Sistemas y Recursos Forestales, 11(02), 246-261.

Cerqueira, C.L., Môra, R., Tonini, H., Arce, J.E., Carvalho, S.P.C., Ciarnoschi, L.D. (2018). Funções de afilamento para eucalipto em sistema de integração Lavoura-Pecuária-Floresta. Advances in Forestry Science, Cuiabá, 5(4), 479-485. DOI:http://doi.org/10.34062/afs.v5i4.7346.

Farias, K.J., Marcos, F.N., & Natália, S.A. (2019). Quantificação do volume total por meio de modelos volumétricos e de afilamento em Eucalyptus grandis W. Hill ex Maiden. Revista de Ciências Agroveterinárias, 18(01), 33-40. DOI: http://doi.org/10.5965/223811711812019033.

Fischer, F., Scolforo, J.R.S., Acerbi, F.W., Mello, J.M., & Maestri, R. (2001). Exatidão dos modelos polinomiais não segmentados e das razões entre volumes para representar o perfil do tronco de Pinus taeda. Ciência Florestal, 11(11), 167-188.

Instituto Nacional de Meteorologia [INMET] (2016). Disponível em: www.inmet.gov.br/portal/. Acesso em: 10/12/2019.

Lanssanova, L.R., Ubialli, J.A., Arce, J.E., Pelissari, A.L., Favalessa, C.C., Drescher, R. (2013). Avaliação de funções de afilamento para a estimativa de diâmetro de espécies florestais comerciais do bioma amazônico mato-grossense. Floresta, 43(02), 215-224.

Môra, R. (2015). Funções de afilamento de forma variável e modelagem de efeitos mistos em fustes de Pinus taeda e Eucalyptus saligna (Tese de Doutorado). Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR.

Muller, M.D., Salles, T.T., Paciullo, D.S.C., Brighenti, A.M., & Castro, C.R.T. (2014). Equações de altura, volume e taper para eucalipto e acácia estabelecidos em sistema silvipastoril. Floresta, 44(03), 473-484.

Ribeiro, J.R., & Andrade, V.C.L. (2016). Equações de Perfil do Tronco para Eucalyptus camaldulensis Dehnh no Centro-sul Tocantinense. Floram, 23(04), 534-543. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/2179-8087.133215.

Schneider, P.R., Schneider, P.S.P., & Souza, C.A.M. (2009). Análise de regressão aplicada à Engenharia Florestal. 3a ed. Santa Maria, RS: UFSM/CEPEF.

Scolforo, J.R.S. (1993). Mensuração florestal 3: Relações quantitativas em volume, peso e a relação hipsométrica. Lavras, MG: ESAL/FAEPE.

Souza, G.S.A.D., Cosenza, D.N., Araújo, A.C.D.S.C., Pimenta, L.V.A., Souza, R.B., Almeida, F.M., Leite, H.G. (2018). Evaluation of non-linear taper equations for predicting the diameter of eucalyptus trees. Revista Árvore, 42(1), 1-10. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1806-90882018000100002.




DOI: https://doi.org/10.30612/agrarian.v14i51.11950

URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/3.0/br/

Revista Agrarian 
e-ISSN 1984-2538

Licença Creative Commons

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.