Predição das características na carne de cordeiros comerciais e pantaneiros por meio das medidas in vivo e na carcaça

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30612/agrarian.v14i52.11262

Palavras-chave:

Centesimal. Grupos musculares. Instrumental. Raças ovinas.

Resumo

A caracterização do sistema produtivo na ovinocultura de corte se torna atraente e competitiva com máximo de informações possíveis. Objetivou-se predizer as características dos músculos Trícpes brachii, Semimembranosus, Bíceps femoris e Longissigimus dorsi, a partir das medidas in vivo e da carcaça de cordeiros Comerciais e Pantaneiros. Foram utilizados 80 cordeiros machos, sendo 40 cordeiros Comerciais e 40 cordeiros Pantaneiros. O critério de abate foi determinado pelo peso corporal de abate de 35 kg. Nos cordeiros Pantaneiros, a condição corporal apresentou moderada correlação com extrato etéreo no Semimembranosus (r = 0,59). Nas equações de regressão, as características in vivo e na carcaça apresentaram baixo coeficiente de determinação com todas as análises avaliadas nos cordeiros Comerciais. Nos cordeiros Pantaneiros as características in vivo e na carcaça apresentaram moderado coeficiente de determinação com a cor b* no Longissigimus dorsi (R2 = 0,57), perda de peso ao cozimento no Semimembranosus (R2 = 0,63) e alto coeficiente de determinação com a matéria mineral no Trícpes brachii (R2 = 0,70). As características in vivo e na carcaça mais representativas nas equações, nas análises instrumentais foram o peso corporal de abate, espessura de gordura subcutânea, área de olho de lombo, músculo total, relação músculo/gordura. As características in vivo e na carcaça apresentaram baixa correlação e não foram eficientes para predizer as características dos músculos dos cordeiros Comerciais e Pantaneiros.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luis Gustavo Castro Alves, Autônomo

Doutor em Ciência Animal e membro dos grupos Ovinotecnia e Carcaças e Carnes da UFGD.

 

Edson Luis de Azambuja Ribeiro, Universidade Estadual de Londrina - UEL

Professor Associado C da Universidade Estadual de Londrina (UEL), PR

Alexandre Rodrigo Mendes Fernandes, Docente do Curso de Zootecnia e do Programa de Pós-Graduação em Zootecnia da Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados - MS

Possui graduação em Zootecnia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2001) e doutorado em Zootecnia pela Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias/ Unesp (2007). Desenvolveu seu estágio de Pós-Doutoramento junto ao Departamento de Zootecnia da FCAV/Unesp. Atualmente é professor do Curso de Zootecnia e do Programa de Pós-Graduação em Zootecnia da Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados - MS.

Fernando Miranda de Vargas Junior, Docente do Curso de Zootecnia e do Programa de Pós-Graduação em Zootecnia da Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados - MS.

Possui graduação em Zootecnia pela Universidade Federal de Santa Maria (1998), mestrado em Zootecnia pela Universidade Federal de Santa Maria (2000), doutorado em Zootecnia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2003) e Pós-Doutorado pelo Instituto Politécnico de Bragança - Portugal (2015). 

Adriana Sathie Ozaki Hirata, Técnica de Laboratório - Universidade Federal da Grande Dourados - UFGD.

Medica Veterinária e Mestre em Zootecnia pela UFGD.

Camila Magalhães da Cunha, Doutoranda no programa de Agronegócio - UFGD

Zootecnista e Mestre pela Universidade Federal da Grande Dourados - UFGD.

Referências

AOAC - Association of Official Analytical Chemists. Official methods of analysis of the AOAC International. (2005). 18a ed. Gaithersburg.

BRASIL. Decreto nº. 30.691, de 29 de março de 1952. Regulamento de Inspeção Industrial e Sanitária de Produtos de Origem Animal (RIISPOA). Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, 1952.

BRASIL. Instrução Normativa n.3, janeiro de 2000. Ministério da Agricultura. Regulamento técnico de métodos de insensibilização para o abate humanitário de animais de açougue. S.D.A./M.A.A. Diário Oficial da União, Brasília, 2000.

Cañeque, V., Sañudo, C. (2000) Metodologia para el estúdio de la calidad de la canal y de la carne em ruminantes. INIA, Madrid, 254p.

Cartaxo, F.Q., Sousa, W.H., Cezar, M.F., Cunha, M.G.G., Menezes, l.M., Ramos J.P.F., Gomes, J.T., Viana, J. A. (2017). Desempenho e características de carcaça de cordeiros Santa Inês e suas cruzas com Dorper terminados em confinamento. Revista Brasileira de Saúde e Produção Animal.v.18, n.02, p.388-401. https://doi.org/10.1590/S1519-99402017000200017

Cirne, L.G.A., Oliveira, G.J.C., Jaeger, S.M.P.l., Bagaldo, A.R., Leite, M.C.P., Rocha, N.N., Macedo Junior, C. M., Oliveira, P.A. (2014). Comportamento ingestivo de cordeiros em confinamento, alimentados com dieta exclusiva de concentrado com diferentes porcentagens de proteína. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia. v.66, n.01, p.229-234. https://doi.org/10.1590/S0102-09352014000100031

Cruz, B.C.C., Santos, C.L., Azevedo, J.A., Silva, D.A. (2016). Avaliação e composição centesimal e as características físico-químicas da carne de ovinos. Pubvet. v.10, n.02, p.147-162. DOI: 10.22256/pubvet.v10n2.147-162

Ferreira, M.B., Guidolin, D.G.F., Vargas Junior, F.M., Reis, F.A., Costa, J.A.A., Dal-Ponte Vieira, A.C.R. (2020). Embrapa Caprinos e Ovinos – Capítulo em livro técnico (INFOTECA –E). Grupo Genético Pantaneiro. Cap.9, p.163 – 173

Gomide, L.A.M., Ramos, E.M., Fontes, P.R. (2013) Ciência e qualidade da Carne – Fundamentos. Viçosa: ed. UFV, 197p.

Lambe, N.R., Navajas, E.A., Bunger, L., Fisher, A.V., Roehe, R., Simm, G. (2009) Prediction of lamb carcass composition and meat quality using combinations of post-mortem measurements. Meat Science. v.81, p.711-719. https://doi.org/10.1016/j.meatsci.2008.10.025

Menezes, B.B., Ribeiro, C.B., Walker, C.C., Melo, G.K.A., Souza, A.R.D.L., Fernandes, H.J., Franco, G.L., Morais, M.M. (2015) Predição da composição física e química da carcaça de borregas pela seção da 9ª a 11ª costelas ou 12ª costela. Revista Brasileira de Saúde e Produção Animal. v.16, n.4, p.874-884. https://doi.org/10.1590/S1519-99402015000400011

Osório, J.C.S., Osório, M.T.M. (2005) Produção de carne ovina: Técnicas de avaliação “in vivo” e na carcaça. 2ª ed. Pelotas, 82p.

Osório, M.T.M., Osório, J.C.S., Silva Sobrinho, A.G. (2008). Avaliação instrumental da carne ovina. In: Silva Sobrinho, A.G., Sañudo, C., Osório, J.C.S., Arribas, M.M.C., Osório, M.T.M. Produção de carne ovina, Jaboticabal, Funep, 228p.

Osório, J.C.S., Osório, M.T.M., Sañudo, C. (2009). Características sensoriais da carne ovina. Revista Brasileira de Zootecnia. v.38, p.292-300. DOI: 10.1590/S1516-35982009001300029

Osório, J.C.S., Osório, M.T.M., Fernandes, A.R.M., Vargas Junior, F.M. (2014). Produção e qualidade de carne ovina. In: Selaive-Villaroel, A.B.; Osório, J.C.S. Produção de ovinos no Brasil. 1. ed, São Paulo: Roca, cap.28, p.399-445

Pereira, L.C., Ítavo, L.C.V., Mateus, R.G., Silva, D.C.G., Ferrreira, M.B., Carvalho, C.M. E. (2016). Análise econômica da alimentação de cordeiros confinados pela substituição parcial de concentrado pela parte aérea da mandioca. Acta Veterinaria Brasilica, v.10, n.3, p.258-265

Rego, F.C.A., Lima, L.D., Gasparini, M.J., Eleodoro, J.I., Zundth, M. (2019). Desempenho, características da carcaça e da carne de cordeiros confinados com níveis crescentes de bagaço de laranja em substituição ao milho. Ciência Animal Brasileira. v.20, p.01-12. https://doi.org/10.1590/1809-6891v20e-50159

Santos, C.L., Pérez, J.R.O., Cruz, C.A.C., Muniz, J.A., Santos, I.P.A., Almeida, T.R.V. (2008). Análise centesimal dos cortes da carcaça de cordeiros Santa Inês e Bergamácia. Ciência e Tecnologia de Alimentos. v.28, p.51-59. https://doi.org/10.1590/S0101-20612008000100009

Sañudo, C., Campo, M.M., Sierra, I., María, G.A., Olleta, J.L., Santolaria, P. (1997). Breed effect on carcass and meat quality of suckling lambs. Meat Science. v.46, n.04, p.357-365

Sañudo, C., Guerrero, A., Magalhães, D. (2017) Importância e necessidade das marcas de qualidade na carne e produtos cárneos (passado, presente e futuro). Guia Prático: Marcas de Carne e Produtos Cárneos. In: Texeira, A. Red CYTED. MARCARNE. Instituto Politécnico de Bragança, Portugal. v.01, p.05-16

Simões, J.A., Ricardo, R. (2000). Avaliação da cor da carne tomando como referência o músculo rectus abdominis, em carcaças de borregos leves. Revista Portuguesa de Ciências Veterinárias. v.95, n.535, p.124-127

Downloads

Publicado

21/07/2021

Como Citar

Alves, L. G. C., Ribeiro, E. L. de A., Fernandes, A. R. M., Vargas Junior, F. M. de, Hirata, A. S. O., & Cunha, C. M. da. (2021). Predição das características na carne de cordeiros comerciais e pantaneiros por meio das medidas in vivo e na carcaça. Agrarian, 14(52), 241–255. https://doi.org/10.30612/agrarian.v14i52.11262

Edição

Seção

Artigo - Produção animal

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)