Maína e Capitoa: labirintos do universo feminino nos contos de Josefina Plá e Hélio Serejo

Suely Aparecida de Souza Mendonça

Resumo


O artigo apresenta uma leitura comparativa da diversidade de situações vividas pela mulher paraguaia no conto “Maína”, de Josefina Plá, e da mulher brasileira na narrativa “Capitoa”, de Hélio Serejo. Busca-se ressaltar o papel da mulher na sociedade e na formação da identidade local e regional, pois na saga das personagens Maristela, de “Maína”, e Maria Aparecida Belmonte, de “Capitoa”, ilustrada pela imagem do labirinto, são considerados os espaços geográficos de Assunção e Mato Grosso, hoje Mato Grosso do Sul. A mulher brasileira representada por Maria Aparecida Belmonte é a oposição da mulher idealizada no início do século XX, assim como a personagem Maristela configura o inverso do universo feminino paraguaio desta mesma época.

Palavras-chave


Mulher. Literatura sul-mato-grossense. Literatura paraguaia. Josefina Plá. Hélio Serejo.

Texto completo:

PDF


Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.