Etimologia do puxirão dos caboclos no Oeste do Paraná

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30612/frh.v23i42.15744

Palavras-chave:

Cultura, Semântica, Posseiros, Oeste do Paraná

Resumo

Este artigo destina-se apresentar os suportes teóricos e metodológicos na compreensão do puxirão dos caboclos do interior do estado do Paraná, Brasil em meados do século XX. A base interpretativa está pautada na corrente historiográfica denominada nova história cultural a partir de Lynn Hunt, Carlo Ginzburg e Roger Chartier, autores que se dedicam abordar a cultura na História. Destaca-se a micro-história, no sentido de adentrar nas relações entre os sujeitos históricos que praticavam o puxirão, e o diálogo com acontecimentos macro, relacionando as particularidades com as estruturas daquele contexto. Na sequência, a problematização de abordagens acerca da etimologia e dos significados do termo puxirão e suas variantes, descrições e nominações das práticas coletivas, desde os indígenas, registradas durante o período colonial, até as investigações e observações próximas do contexto das organizações coletivas de caboclos no estado do Paraná.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Anderson Arilson de Freitas, Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD), Dourados, MS, Brasil

Doutorando em História pela Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD); Bolsista CAPES - Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior

Referências

ABRAMOVAY, Ricardo. Transformações na vida camponesa: o sudoeste paranaense. 1981. Dissertação (Mestrado em Sociologia), Universidade de São Paulo, Departamento de Ciências Sociais, São Paulo, 1981.

BOURDIEU, Pierre. O Poder Simbólico. Rio de Janeiro: Difel, 1989.

CANDIDO, Antonio. Os parceiros do Rio Bonito: estudo sobre o caipira paulista e a transformação dos seus meios de vida. 5ª ed. São Paulo: Livraria Duas Cidades, 1979

CHARTIER, Roger. A história Cultural: entre práticas e representações. 2ª ed. Algés: Difel, 2002.

__________. O mundo como representação. In: Estudos Avançados 11(5), 1991.

CUNHA, Euclides da. Os Sertões. 4ª ed. São Paulo: Martin Claret, 2012.

FLÁVIO, Luiz Carlos. Memória(s) e território: elementos para o entendimento da constituição de Francisco Beltrão-PR. Tese (Doutorado em Geografia), Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista: Presidente Prudente, 2011.

GIBSON, Charles. As relações de trabalho no México durante o domínio espanhol. In: CORRÊA, A. M.; BELLOTTO, M. L. A América Latina de colonização espanhola: antologia de textos históricos. São Paulo: HUCITEC: Ed. da Universidade de São Paulo, 1979.

GINZBURG, Carlo. A micro-história e outros ensaios. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1989.

__________. Mitos, emblemas e sinais: morfologia e história. 2ª ed., São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

__________. O queijo e os vermes. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

GREGORY, Valdir. Os eurobrasileiros e o espaço colonial: migrações no Oeste do Paraná (1940-1970) Cascavel: EDUNIOESTE, 2002.

HALL, Stuart. Identidades culturais na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A,1999.

HOLANDA, Sergio Buarque de. Caminhos e Fronteiras. 3ª ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

HUNT, Lynn. A nova história cultural. São Paulo: Martins Fontes, 1995.

LESSA, Barbosa. História de Chimarrão. 2ª ed. Livraria Sulina, Porto Alegre s/d.

MELIÀ, Bartolomeu. Potyró: la cuestión del trabajo indígena guarani. Missões: Trabalho e Evangelização. Anais do VIII Simpósio Nacional de Estudos Missioneiros. Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras Dom Bosco. Santa Rosa – RS.

MONDARDO, Marcos Leandro. Territórios migrantes: transterritorialização e identidades em Francisco Beltrão/PR. Dourados: Editora da UFGD, 2012.

MURICY, Gen. José Candido da Silva. Viagem ao País dos Jesuítas. Curitiba: Imprensa oficial do Estado do Paraná. 1975.

PEREIRA, Ana Claudia. Do “puxirão” aos palcos: o fandango de Morretes (1975-1990). Trabalho de Conclusão de Curso de História (monografia de graduação) Universidade Tuiuti do Paraná, 2010.

PIMENTEL, A.; GRAMANI, D.; CORRÊA, J. (orgs.). Museu vivo do Fandango. Rio de Janeiro: Associação Cultural Caburé, 2006.

POMBO, Rocha. História do Paraná. Melhoramentos / Cayeiras: São Paulo / Rio de Janeiro. 1929.

ROCHA, João Cezar de Castro. (org.) Roger Chartier; a força das representações: história e ficção. Chapecó: Artigos, 2011.

Downloads

Publicado

15/12/2021

Como Citar

Freitas, A. A. de. (2021). Etimologia do puxirão dos caboclos no Oeste do Paraná. Fronteiras, 23(42), 61–86. https://doi.org/10.30612/frh.v23i42.15744

Edição

Seção

DOSSIÊ 18: HISTORIAS MARGINAIS, ALTERIDADES E CRÍTICAS EPISTÉMICAS