Aglomerados periféricos: a expressão da tradicional pobreza e da segregação nas cidades brasileiras

Maria da Penha Smarzaro Siqueira

Resumo


O artigo discute a problemática da pobreza urbana, com foco na questão socioespacial, em abordagem que traça uma interface entre aspectos articulados a questão do desenvolvimento desigual no ideário da modernização capitalista, que se intensificou nas cidades brasileiras a partir da segunda metade do século XX. O eixo de análise centra-se em um estudo local referenciando a questão da desigualdade aliada à urbanização desigual, que acirraram a segregação/exclusão de uma ampla camada da população, alojada em aglomerações periféricas, precárias e irregulares num amplo quadro de pobreza e complexidade sociespacial no cenário urbano. Em interpretação histórico-sociológica, buscamos reconstruir a trajetória do objeto de estudo em abordagem qualitativa, apoiada em dados quantitativos e uma pesquisa empírica que cruzam as variáveis na contextualização do tema em questão. Nosso estudo situa a Região Metropolitana da Grande Vitória (ES), destacando o município de Vila Velha e o “Aglomerado de Terra Vermelha” como referência de análise sócio-histórica.

Palavras-chave


Desenvolvimento desigual. Pobreza Urbana. Segregação/Exclusão.

Texto completo:

PDF HTML ePUB


DOI: https://doi.org/10.30612/frh.v21i38.11481

Fronteiras: Revista de História - PPGH/FCH/UFGD
 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.