Migração internacional pendular em fronteira: em busca de qualificações espaciais

Marco Aurélio Machado Oliveira, Joanna Amorim de Melo Loio

Resumo


O objetivo deste artigo é marcar no campo metodológico da migração internacional a pendularidade em fronteira como aspecto relevante. Para tanto, entendemos que trabalhar com fronteira e migração internacional como junção temática exige cuidados, pois ambas as categorias são, comumente, carregadas de ideias advindas do senso comum que as localizam perifericamente nos entendimentos e discursos sobre a nação e a sociedade, tais como: provisoriedades, precariedades, ilicitudes. Os procedimentos metodológicos utilizados foram: revisão bibliográfica visando adequações às categorias abordadas; e, realização de entrevistas com sujeitos pendulares. O resultado foi a constatação de complexidades peculiares a esse grupo de imigrantes no espaço em que atuam.


Palavras-chave


Fronteira. Migração Internacional. Pendularidade.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE, L. J. A Dinâmica das Fronteiras: os brasiguaios entre o Brasil e o Paraguai. São Paulo: Annablume, 2010.

ANDERSON. M. “The Political Sciences and Frontiers”. In: GANSTER, P.; SWEDLER, A.; SCOTT, J.; DIETER-EBERWEIN, W. (orgs.) Borders and Border Regions in Europe and North America. San Diego University Press, Institute for Regional Studies of the Californias, 1997, pp. 27-46.

BOURDIEU, P. “A Ilusão Biográfica”. Trad. de Luiz Alberto Monjardim et alli In: FERREIRA, M. M.; AMADO, J. (orgs.) Usos & Abusos da História Oral. 4ª Edição. Rio de Janeiro, Editora da FGV, 2001, pp. 183-192.

BRIGNOL, L. D. “Usos sociais das TICs em dinâmicas de transnacionalismo e comunicação migrante em rede: uma aproximação à diáspora senegalesa no sul do Brasil”. In: Comunicação, Mídia, Consumo, São Paulo, v. 12, n. 35, 2015, pp. 89-109.

CORRÊA, Jaqueline M. O Mestrado Profissional em Estudos Fronteiriços em perspectivas de inserção social: avaliações sobre a implantação do Circuito de Apoio ao Imigrante. Dissertação de Mestrado em Estudos Fronteiriços. UFMS/CPAN, 2016. 89 p.

DE HASS, H. Migration and Development: A Theoretical Perspective. In: International Migration Review. V. 44, n. 01, 2010, pp. 227-264.

DRIESSEN, Henk. “The ‘new immigration’ and the transformation of the European-African frontier. In: WILSON, Thomas M.; DONNAN, Hastings (orgs.). Border Identities. Nation and State at International Frontiers. Cambridge, Cambridge University Press, 1998, pp. 96-116.

ESPÍRITO SANTO, N. P. Unidades de Saúde na Bolívia: a realidade na fronteira com o Brasil em Mato Grosso do Sul. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação Mestrado em Estudos Fronteiriços, UFMS, 2013.

FÁRFAN, Carolina R. “Trabajadores Migrantes en la Frontera Sur de México. Caracterización del Trabajo Temporal Centroamericano en el Soconusco”. In: HERNANDEZ, A. H.; CAMPOS-DELGADO, A. E. (Orgs.) Líneas, Límites y Colindancias. Mirada a las Fronteras desde América Latina. Tijuana: El Colegio de la Frontera Norte; México, D. F., CIESAS, 2015, pp. 271-298.

FOUCHER, M. Fronts et Frontières. Paris, Fayard, 1991.

JARDIM, D. F. Estratégias de imigração em tempos da globalização: os palestinos e suas viagens internacionais. In: Cartografia da Imigração: Interculturalidade e Políticas Públicas. Porto Alegre: Editora da Universidade, 2007.

LOIO, J. A. M.; MARINI, J. F. M.; OLIVEIRA, M. A. M. “Imigrantes Bolivianos da Planície e do Altiplano em Região de Fronteira: Distinções Pregressas em Solidariedade Seletiva”. In: Revista Geopantanal, Corumbá, MS, Número Especial, 2017, pp. 219-232.

MACHADO, L. O. Limites, Fronteiras, Redes. In: T.M.Strohaecker et alli (orgs.). Fronteiras e Espaço Global, AGB-Porto Alegre, Porto Alegre, 1998, p.41-49.

MASSEY, Douglas. (1988), “Economic development and international migration in comparative perspective”. Population and Development Review, 14: 383-413.

MENESES, G. A. Violencias asociadas al Cruce Indocumentado de la Frontera México-Estados Unidos. In: Nueva Antropología, 2005, pp. 113-129.

MORAES, L. A. de; NERCOLINI, M. J. “Tecnologias Móveis, Vida Cotidiana e Comunicação em Massa” In: Mídia e Cotidiano, n. 05, dez. 2014, 1-14.

OLIVEIRA, M. A. M.; JUNQUEIRA, N. M. “Representações sociais de sírios e libaneses em Corumbá, MS: comércio, casamento e cemitério”. In: Revista Transporte y Territorio. Buenos Aires, n. 15, pp. 388-403, 2016.

OLIVEIRA, M. A. M.; CORRÊA, J. M.; OLIVEIRA, J. C. “Imigrantes Pendulares em Região de Fronteira: semelhanças conceituais e desafios metodológicos”. In: Direitos Culturais, Santo Ângelo, v. 12, n. 27, pp. 91-108, maio/ago 2017.

OLIVEIRA, T. C. M.; ESSELIN, P. M. “Localizando as Condições Pretéritas e as relações Correntes na Complexa Fronteira Brasil-Bolívia”. In: Geosul, Florianópolis, v. 30, n. 60, pp. 125-163, 2015.

PIZARRO, José A. G. “Notas sobre la Inmigración Argentina en la Precordillera Antofagastina durante el Ciclo Salitrero”. In: Estudios Atacameños, n. 42, 2011, pp. 189-204.

SAID, Edward S. Representações do Intelectual. Trad. de Milton Hatoum. São Paulo, Cia das Letras, 2005.

SASSEN, S. The Mobility of Labor and capital: A Study in International Investment and Labor Flows. Cambridge University Press, 1988.

SAYAD, A. A Imigração ou os paradoxos da alteridade. Trad. Cristina Murachco, Edusp, 1998.

SILVA, G. J. A Presença Kamba-Chiquitano na Fronteira Brasil-Bolívia (1938-1987): identidade, migrações e práticas culturais. Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em História, Faculdade de História, Universidade Federal de Goiás. 2009.

SOARES, A. T. História da Formação das Fronteiras do Brasil. 3 ed., Rio de Janeiro, Conquista, 1975.

SOJA, E. W. Geografias pós-modernas: a reafirmação do espaço na teoria social crítica. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1993. SOUZA, J. C. Sertão Cosmopolita: tensões da modernidade de Corumbá (1872-1918). São Paulo, Editora Alameda, 2008.

TILLY, Charles. “Migration in Modern European History”. In: MCNEILL,

William H. & ADAMS, Ruth S. (orgs.). Human migration, patterns and policies. Indiana University Press, 1978, pp. 48-72.

TRUZZI, O. “Redes em processos migratórios”. In: Tempo Social, Revista de Sociologia da USP, v. 20, n. 01, 2008, pp. 199-218.




DOI: https://doi.org/10.30612/videre.v11i21.9069

URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/3.0/br/

 
 
 
Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.