Observações sobre a educação escolar indígena e saberes tradicionais Guarani e Kaiowá em Dourados, Mato Grosso do Sul: múltiplas veredas, diferentes perspectivas

Rosalvo Ivarra Ortiz

Resumo


A compreensão de um universo de relações sociais indígenas por meio da análise da pratica de rituais religiosos, nos remete a pensar não apenas em uma direção e sim em uma pluralidade de sentidos, signos, símbolos e conceitos que estão em constante suspensão e que referem a própria experiência vivida representada em sua execução; sistemas são construídos e junções entre saberes são necessárias para perpetuação de tradições e conhecimentos, e neste universo de construções e dinamicidades onde vários atores participam no sentido de conectar sentidos, experiências, praticas, que se constituirão em modelos a serem seguidos pelas futuras gerações, a educação se faz presente como uma necessidade de se fazer sentir e se fazer ser social e pertencer a coletividade e para esta contribuir para sua existência. Nesta acepção, conseguimos perceber o ritual como uma espécie de linguagem coletiva, um símbolo representativo de algumas verdades transcendentais, que incorporam uma pratica dinamizada que permeia por uma rede complexa de ações significativas capazes de unir um grupo e convencê-lo por meio de sua eficácia (MAUSS, 2003). Mais do que um movimento cosmológico de ordem reflexiva e ou contemplativa, “os rituais de uma sociedade ampliam, focalizam, põem em relevo e justificam o que já é usual nela” (PEIRANO, 2002, p. 8).


Palavras-chave


Guarani e Kaiowá. Educação. Cosmologia.

Texto completo:

PDF

Referências


BANIWA, Gersem dos Santos Luciano. O Índio Brasileiro: o que você precisa saber sobre os povos indígenas no Brasil de hoje – Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade; LACED/Museu Nacional, 2006.

CHAMORRO, Graciela. História Kaiowa: das origens aos desafios contemporâneos. São Bernardo do Campo: Ñhanduti Editora, 2015.

CHAMORRO, Graciela. Terra madura, yvy araguyje: fundamento da palavra guarani. Dourados: UFGD editora, 2008. 342 p.

CHAMORRO, Graciela. Decir el cuerpo: História y etnografía del cuerpo em los pueblos Guaraní. Assunção: Tiempo de Historia, Fondec, 2009. 408 p.

CHAMORRO, Graciela ;CAVALCANTE, Thiago Leandro Vieira; GONÇALVES, Carlos Barros. Fronteira e Identidades: Encontros e desencontros entre povos indígenas e missões religiosas. São Bernardo do Campo: Nhanduti Editora, 2011. 352 p.

CHAMORRO, Graciela. Kurusu Ñe’ëngatu: palavras que la historia no podría olvidar. Assunção, Paraguai: Talleres Gráficos de Litocolor, 1995.

FAVRET-SAADA, J. Ser afetado (tradução de Paula de Siqueira Lopes). Cadernos de Campo, n. 13, p. 155-161, 2005.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Ed. Guanabara, 1989.

GEERTZ, Clifford.O saber local. Petrópolis: Vozes, 2012.

IVARRA ORTIZ, R. (2019). Múltiplos olhares sobre os Guarani de Mato Grosso do Sul: história, organização social, arte e cosmologia. Articulando e Construindo Saberes, v. 4. https://doi.org/10.5216/racs.v4i0.59577

IVARRA ORTIZ, R. Cultura Material e Arte Indígena como Campo de Pesquisa: O caso dos Guarani e Kaiowá de Mato Grosso do Sul. IAÇÁ: Artes da Cena, v. 2, p. 148-168, 2019. DOI: http://dx.doi.org/10.18468/iaca.2019v2n2.p148-168

IVARRA ORTIZ, R. MACHADO, Almires Martins. Cosmovisão Guarani, Terena e Kaiowá do Território Indígena Jaguapiru e Bororó: coexistência entre eu, tu, nós e os outros agentes da história e da memória. TELLUS (UCDB), v. 19, p. 213-231, 2019.

DOI: http://dx.doi.org/10.20435/tellus.v19i40.618

KOENIGSWALD, Gustav von. Die Coroados im sudlichen Brasilien. Globus, 1908, p. 27-32.

MACHADO; IVARRA ORTIZ. Mbaraka Ju: arte, memoria y habla sagrada Guarani. Revista Euroamericana de Antropología, v. 00, p. 73-81, 2018.

MACHADO; IVARRA ORTIZ. Tembiasakue Rapê: a longa estrada Guarani na história e na memória- reconstruindo o passado, ressignificando o presente e trilhando o futuro. TELLUS (UCDB), v. 18, p. 189-205, 2018.

DOI: http://dx.doi.org/10.20435/tellus.v18i37.525

MAUSS, Marcel. Sociologia e antropologia. Rio de Janeiro: COSAC NAIFY, 2003.

MBEMBE, Achille. Necropolitics. Public Culture, 15, 2003, p. 11-40.

MELIÁ, Bartomeu. La comprensión guaraní de la vida buena in Ñande Reko: La comprensión guaraní de la Vida Buena. La Paz, Bolívia: Editorial Cuatro Hermanos, 2008. p.

PEIRANO, Mariza (org.). O dito e o feito: ensaios de antropologia dos rituais. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2002.

PEREIRA, Levi M. “O pentecostalismo Kaiowá: uma aproximação dos aspectos sociocosmológicos e históricos”. In: Wright, Robin (org.) Transformando os Deuses. Vol. II. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 2004.

SAHLINS, M. Ilhas de história. Tradução de Barbara Sette. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1990.

SAHLINS, M. Cultura e Razão Prática. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2003.

SCHADEN, Egon. Aspectos fundamentais da cultura Guarani. São Paulo: EPU; Edusp, 1974. 208 p.

SCOTT, Joan. Experiência. In: SILVA, Alcione Leite; LAGO, Mara Coelho de Souza; RAMOS, Tânia Regina Oliveira (Orgs.). Falas de Gênero. Santa Catarina: Editora Mulheres, 1999.

VIETTA, Katya; BRAND, Antonio. Missões evangélicas e Igrejas neopentecostais entre os Kaiowá e os Guarani em Mato Grosso do Sul. In: WRIGHT, Robin M. (Org.). Transformando os deuses: igrejas evangélicas, pentecostais e neopentecostais entre os povos indígenas no Brasil. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2004.

WAGNER, Roy. A invenção da cultura. DE SOUZA, Marcela Coelho e MORALES, Alexandre (trad.). São Paulo




DOI: https://doi.org/10.30612/re-ufgd.v6i12.9563



RealizAção - Revista on-line de Extensão e Cultura
ISSN 2358-3401

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.