Os conhecimentos sobre pediculose entre estudantes de uma escola do campo vinculada às atividades do PIBID

Josiane Aparecida de Sousa da Cunha, Marilu Paulino da Silva, Catarina Teixeira, Fernando Lourenço Pereira

Resumo


A pediculose é um problema de saúde causada pela infestação de piolhos do couro cabeludo. O objetivo deste trabalho foi investigar os conhecimentos sobre a pediculose entre estudantes do ensino fundamental de uma escola do campo, de Uberaba, MG. Nós aplicamos um questionário antes e após palestra educativa sobre essa ectoparasitose para estudantes de 10 a 13 anos. Nós verificamos que antes da atividade educativa, 38% dos estudantes identificaram o piolho como um “bicho”; 47% relaram que a única forma do piolho é a lêndea; 34% indicaram que a forma de transmissão da pediculose é ficando perto de pessoas que possui piolho; 42% mencionaram que o piolho vive sugando sangue e 21% disseram que o tratamento deve ser feito com remédio e pente fino. Após a atividade educativa, 38% desses estudantes identificaram o piolho como um inseto que vive na cabeça, 37% disseram que as formas vitais do piolho são a lêndea, ninfa e adultos; 35% indicaram que a forma de transmissão da parasitose é por meio de roupas, pente e boné; 77% disseram que o piolho se alimenta de sangue; e 40% relataram que o tratamento da pediculose envolve uso vinagre e pente fino nos cabelos. Nós observamos claramente a melhoria dos conhecimentos dos estudantes quanto aos aspectos biológicos e profiláticos da pediculose por meio de palestras interativas para a promoção da saúde. Esse estudo abre a perspectiva para a construção de práticas educativas sobre a pediculose pelos bolsistas do PIBID e a comunidade da escola do campo.


Palavras-chave


Pediculose. Pediculus humanus capitis. Piolho. Escola.

Texto completo:

PDF

Referências


BARBOSA, J. V; PINTO, Z. T. Pediculose no Brasil. Entomologia Y Vectores.,v. 4, n. 10, p. 579-586, 2003.

BARBOSA, J. V. Infestação e Doenças Causadas por Ectoparasitas. In: Coura JR (Org). Dinâmica das Doenças Infecciosas e Parasitárias Vol.1, Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2005.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Tradução de Luís A. Reto e Augusto Pinheiro. 5ed. Lisboa: Edições 70, 2009.

BRASIL. SECRETARIA DA EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL. Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos: apresentação dos temas transversais, ética. Brasília: MEC/SEF, 1998.

CATALÁ, S. et al. Prevalência e intensidade da infestação por Pediculus humanus capitis em escolares de seis a onze anos. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, Uberaba, vol 37, n.6, p. 499 – 501, 2004.

CHEW, A. L; et al. Treatment of head lice.Lancet 365, 2000. In: BARBOSA, J. V; PINTO, Z. T. Pediculose no Brasil. Entomologia Y Vectores., v. 4, n. 10, p. 579-586, 2003.

DIAS, A.et al. Pediculosis capitis - Revisão teórica e modalidades de tratamento. Saúde Infantil, v. 31, n. 2, p. 63-68, 2009.

FRANKOWSKI, B.L.; WEINER, L. B. Head lice. Pediatrics. 110. p. 638-43, 2002.

FLINDERS, D. C.; SCHWEINITZ, P. Pediculosis and scabies. American Academy of Family Physicians, 69, p. 341-8, 2004.

GABANI, F. L.; MAEBARA, C. M. L.; FERRARI, R. A. P. Pediculose nos centros de educação infantil: conhecimentos e práticas dos trabalhadores. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem., v. 14, n. 2, p. 309-317, 2010.

GOLDSCHMIDT A. I.; LORETO E. (2012). Investigação das concepções espontâneas sobre pediculose entre pais, professores, direção e alunos de educação infantil e anos iniciais. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, v. 11, nº 2, p. 455-470, 2012. Disponível em http://reec.uvigo.es/volumenes/volumen11/REEC_11_2_10_ex608.pdf. Acessado em 10 de março de 2017.

HERNÁNDEZ, N; et al. Considerations about Pediculus capitis (De Geer, 1778) transmission at educational centres. Revista Panamericana de Infectología, v. 4, n. 6, p. 21-22, 2004.

KHOKAR A. A study of Pediculosis capitis among primary school children in Delhi. Indian Journal of Medical Sciences, v. 569, p. 449-52, 2002.

LINARDI, P. M.; BARBOSA, J. V. Anoplura. In: NEVES, D. P. (org). Parasitologia Humana. 12 ed. São Paulo (SP): Atheneu. p.443-448, 2012.

LOPES, A. et al.Avaliação de conhecimentos sobre pediculose. Lousa: Arouce, 2011.

MADKE, B.; KHOPKAR, U. Pediculosis capitis: An update. Acta Department of Dermatology, Seth GS Medical College and KEM Hospital, Parel, Mumbai, Maharashtra, India.v.78, p. 429-438, 2012.

MAGALHÃES, K. P. P.; SILVA, J. B. A infestação por pediculose e o ensino de saúde nas escolas. Revista Saúde e Pesquisa, v. 5, n. 2, p. 408-416, 2012.

MALCOLM, C. E.; BERGMAN, J. N. Trying to keep ahead of lice: a therapeutic challenge. Skin Therapy (Letter), vol. 10, p. 1-9, 2006.

MEINKING, T.; TAPLIN, D. Infestations. In: Schachner L A, Hansen RC, eds. Pediatric Dermatology. 3rd edition. Spain: Elsevier, p.1141-80, 2003.

PAGOTTI, R. E. et al. (2012). Avaliação de um programa para controle de pediculose em uma escola. Saúde & Transformação Social / Health & Social Change [On-line], 3 (Sinmes). Disponível em http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=265324588013. Acessado em 18 de abril de 2015.

RÉDUA, L. S. et al. A associação de palavras e desenhos na discussão sobre pediculose no ensino fundamental. In: IX Jornada de Extensão Universitária, Anais, Uberaba, 2014.

ROBERTS, R. J. Head Lice. The New England Journal of Medicine., v. 346, n. 21, p. 1645-1649, 2002.

SOUZA, P. A. T.; MATOS, F. D. C.; ARAKAKI, E. S.; DOMINGUES, E. G.; MADEIRA, N. G. (2006). Pediculose na escola: uma abordagem didática, 2006. Disponível em http://www.unesp.br/prograd/PDFNE2006/artigos/capitulo3/pediculose.pdf. Acessado em 22 de março de 2017.

VASCONCELOS, C. dos S. Avaliação: Concepção Dialética – libertadora do processo de avaliação escolar. 16 ed. São Paulo: Libertad, 2006.




DOI: https://doi.org/10.30612/re-ufgd.v6i12.9252

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.