CARACTERIZAÇÃO GRAVIMÉTRICA DE RESÍDUOS SÓLIDOS ANTES E DEPOIS DO PROGRAMA “ADOTE UMA CANECA” EM UM ESTABELECIMENTO ADMINISTRATIVO NO MUNICÍPIO DE IGUATEMI, MS

Thaís Tagliati Silva

Resumo


Um dos maiores desafios que os municípios enfrentam é a coleta seletiva dos resíduos sólidos, assim como sua disposição final adequada conforme a legislação ambiental, decorrente da falta de conscientização da população acerca da importância da separação e reciclagem dos resíduos. O objetivo deste trabalho foi realizar a análise da composição e caracterização gravimétrica dos resíduos sólidos. O trabalho foi desenvolvido em um estabelecimento de administração da saúde indígena, localizado no município de Iguatemi, no estado de Mato Grosso do Sul. A coleta foi realizada durante 05 dias (de segunda a sexta-feira). Durante a caracterização inicial dos resíduos observou-se que o estabelecimento gera como resíduos a matéria orgânica (4,46 kg), representada por pó de café, cascas e bagaços de frutas, metais (0,76 kg), proveniente de embalagens aluminizadas e grampos, papéis (6,13 kg) e plásticos (9,78 kg), provenientes de embalagens diversas e copos plásticos. Após a realização desta análise foi implantado o programa “Adote uma caneca” no qual os funcionários do estabelecimento foram estimulados a adotar uma caneca de material durável ao invés de utilizar copos plásticos. Em seguida foi realizada uma nova coleta, sendo observada uma redução expressiva na quantidade de plástico gerada dentro do estabelecimento (5,82 kg), totalizando uma redução de 59% em relação aos valores anteriores à criação do programa. Através do presente trabalho pode-se concluir que a implementação do programa “Adote uma caneca” foi eficaz na redução do uso de copos plásticos, pois os funcionários identificaram-se com a questão e participaram ativamente da campanha.


Palavras-chave


Gravimetria; Resíduos sólidos; adoção de caneca.

Texto completo:

PDF

Referências


ABNT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS E TÉCNICAS. NBR 10.004: resíduos sólidos - classificação. Rio de Janeiro, 2004.

ALVES, C.; SOUZA, A. G.; ANDRUCHAK, M. A.; FERNANDES, D. M.; N. BARRETO, T. H. D. Estratégias de Eco-Feed Back Orientadas Para a Não Geração de Resíduos Sólidos Urbanos. Anais do II SINGEP e I S2IS - São Paulo - Brasil. 2013.

BRINGHENTI, J. Coleta seletiva de resíduos sólidos urbanos: aspectos operacionais e da participação da população. Tese (Doutorado em Saúde Ambiental) - Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo, São Paulo, p. 234, 2004.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Mato Grosso do Sul, Iguatemi. 2016. Disponível em: < http://cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?codmun=500430>. Acessado em: 05 jun 2017.

LEÃO, A. L. Recursos Naturais Renováveis. São Paulo: CETESB, p. 93. 1995.

PREFEITURA DE SÃO PAULO. Reelaboração participativa do plano de gestão integrada de resíduos sólidos – PGIRS. In: IV Conferência Municipal do Meio Ambiente, 2013.

Secretaria de Estado de Meio Ambiente, do Planejamento, da Ciência e Tecnologia. Plano Estadual de Resíduos Sólidos de Mato Grosso do Sul (PERS-MS). Campo Grande, MS, p. 47, 2014.




DOI: https://doi.org/10.30612/re-ufgd.v5i10.8621

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.