Rondônia, um trecho do grande cerco de paz: história indígena, escrita da tutela indigenista e historiografia dos pioneiros

Eliaquim Timóteo da Cunha

Resumo


Este artigo tem por objetivo apresentar a problemática inicial da pesquisa sobre a participação do Serviço de Proteção aos Índios - SPI na formação de Rondônia. O texto é formado pela apresentação das categorias: escrita da tutela indigenista e historiografia dos pioneiros. Está em fase inicial, sendo desenvolvido na pesquisa de mestrado e atualmente faz parte da pesquisa de doutoramento do autor. Nesse momento o escopo é demonstrar os tópicos básicos da discussão referente às escritas que classificaram os povos indígenas e as escritas que não os citaram ao que se refere à formação de Rondônia.

Palavras-chave


Rondônia. Tutela indigenista. História indígena. Historiografia dos pioneiros.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBERT, Bruce & RAMOS, Alcida Rita. (Org.). Pacificando o Branco: Cosmologias do contato no Norte-Amazônico. São Paulo; Unesp; 2002.

ARRUDA, Lucybeth Camargo de. Posto Fraternidade Indígena: Estratégias de Civilização e Táticas de Resistência 1913- 1945. Dissertação (Mestrado) Programa de Pós-Graduação em História Universidade Federal de Mato Grosso. 2003.

ARRUDA, Lucybeth Camargo de. “Faces do indigenismo oficial brasileiro – uma discussão sobre ‘raças’ indígenas via o SPI” In: Freire, Carlos Augusto da Rocha (Org.). Memória do SPI. Textos, imagens e documentos sobre o Serviço de Proteção aos Índios (1910-1967). Rio de Janeiro. Museu do Índio – FUNAI, p. 351-362. 2011.

BAGOLIN, Darni Pillar. O indígena na república velha: as instituições de proteção no Rio grande do Sul. Dissertação de mestrado (Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade do Passo Fundo).

BARTH, F. “Grupos Étnicos e suas fronteiras”. In: POUTIGNAT, Philippe. Teorias da etnicidade. Seguido de grupos étnicos e suas fronteiras de Fredrik Barth. São Paulo: UNESP, 1998.

BENEVIDES, Marijeso de Alencar. Os novos territórios federais: Amapá, rio-Branco, Guaporé, Ponta-Porã e Iguaçu. Geografia, História e Legislação. Imprensa Nacional, RJ. 1946.

BARTOLOMÉ, Miguel Alberto. “As Etnogêneses: velhos atores e novos papéis no cenário cultural e político”. MANA 12(1): 39-68, 2000.

BIGIO, Elias dos Santos. Linhas telegráficas e integração de povos indígenas: as estratégias políticas de Rondon (1889–1930). Brasília: CGDOC/FUNAI. 2003.

BOURDIEU, Pierre. A Distinção: crítica social do julgamento. São Paulo: Edusp. 2008.

BERNARDINO, Maria Gabriela de Almeida. Um mapa para a república: a comissão da carta geral do Brasil (1903-1932). Dissertação (Mestrado em História das Ciências e da Saúde) -Fundação Oswaldo Cruz. Casa de Oswaldo Cruz. 2013.

BRASIL. Mistério da Agricultura, indústria e comércio. Atividades do Mistério da Agricultura, indústria e comércio em 1909 e 1910. Rio de Janeiro: Mistério da Agricultura, indústria e comércio. Disponível em:

http://brazil.crl.edu/bsd/bsd/u2000/contents.html. Acessado em: -01/02/2014. 1910.

BRASIL. Mistério da Agricultura. Atividades do Mistério da Agricultura durante no ano de 1938, apresentado pelo Ministro Fernando Costa. http://brazil.crl.edu/bsd/bsd/u2026/000001.html. Acessado em: 04/02/2014. 1939.

BRASIL. Mistério da Agricultura. Atividades agrícolas do brasil em 1939. Vol. I Apresentado pelo Ministro Fernando Costa. Disponível em: http://brazil.crl.edu/bsd/bsd/u2027/000001.html. Acessado em:

/02/2014. 1940.

BRASIL. Mistério da Agricultura. Atividades agrícolas do brasil em 1939. Vol. II Apresentado pelo Ministro Fernando Costa. Disponível em: http://brazil.crl.edu/bsd/bsd/u2028/000001.html. Acessado em:

/02/2014. 1940.

CARDOSO DE OLIVEIRA, Roberto. “Aculturação e “fricção interétnica”. América Latina , v. 6, n. 3, p. 33-46, 1963.

CARDOSO DE OLIVEIRA, Roberto. Ação indigenista, eticidade e o diálogo interétnico. Estudos Avançados. 14 (40), 2000.

CANTANHEDE, Antônio. Achegas para a história de Porto Velho. Manaus: s/ed. 1950.

CARNEIRO DA CUNHA, Manuela. História dos índios no Brasil – FAPESP / NHII / SMC /Cia das Letras, 1992.

CARNEIRO DA CUNHA, Manuela & VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Amazônia, Etnologia e História Indígena – FAPESP/NHII/USP, 1993.

CHARTIER, Roger. A História Cultural. Entre Práticas e Representações. Lisboa/Rio de Janeiro: DIFEL/Bertrand Brasil. 1990.

CLAVAL, Paul. A geografia cultural. Florianópolis: Ed da UFSC. 2006.

COLFERAI, Sandro Adalberto. “A (re)invenção da Rondônia: dos sertões de Roquette-Pinto à Amazônia de Getúlio Vargas”. Novos Caderno NAEA. v.16 n.2 p.207-244, dez. 2013.

CORRÊA, Mariza. Antropólogas & Antropologia. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003.

COSTA, Craveiro. A conquista do deserto ocidental. São Paulo, Companhia Editora Nacional. 1940.

CRAIG, Nevil B. Estrada de Ferro Madeira Mamoré: história trágica de uma expedição. São Paulo: Imprensa Nacional. 1947.

DAL POZ NETO, João. No país dos Cinta Larga: uma etnologia do ritual. São Paulo: USP. (Dissertação de Mestrado). 1991.

ERTHAL, Regina. Atrair e pacificar: a estratégia da conquista. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – PPGAS/MN, UFRJ, Rio de Janeiro. 1992.

FERREIRA, Manoel Rodrigues. A Ferrovia do Diabo: história de uma estrada de Ferro na Amazônia. São Paulo: Melhoramentos. 1987.

FONSECA, Dante Ribeiro & TEIXEIRA, Marco Antônio Domingues. História Regional (Rondônia). Porto Velho: Rondoniana. 2002.

FONSECA, Dante Ribeiro & TEIXEIRA, Marco Antônio Domingues. Estudos de História da Amazônia. Vol I. Porto Velho: Rondoniana. 2014.

FRANÇA, Luciana Barroso Costa. Caminhos cruzados: parentesco, diferença e movimento entre os Kagwahiva. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Museu Nacional, Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social. 2012.

FREIRE, Carlos Augusto da Rocha. Indigenismo e Antropologia - O Conselho Nacional de Proteção aos Índios na gestão Rondon (1939-1955). Dissertação (Mestrado) Mestrado em Antropologia Social. Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ. 1990.

FREIRE, Carlos Augusto da Rocha. Sagas Sertanistas: Práticas e Representações do Campo Indigenista no Século XX. Tese (doutorado) – UFRJ/ MN/ Programa de Pós-graduação em Antropologia Social. 2005.

FREIRE, Carlos Augusto da Rocha. O SPI na Amazônia: Política indigenista e conflitos regionais (1910-1932). 1ª. ed. Rio de Janeiro:

Museu do Índio. 2007.

FREIRE, Carlos Augusto da Rocha. Rondon: A construção do Brasil e a causa indígena. 1. ed. Brasília: Abravídeo. 2009.

FREIRE, Carlos Augusto da Rocha. Memória do SPI. Textos, imagens e documentos sobre o Serviço de Proteção aos Índios (1910-1967). Rio de Janeiro. Museu do Índio – FUNAI, p. 255-266. 2011.

GAGLIARDI, José Mauro. O Indígena e a República. São Paulo: Editora Hucitec. 1989.

GALVÃO, Eduardo. Áreas Culturais indígenas do Brasil 1900-1959. In: Encontro de Sociedades Índios e Brancos no Brasil. Rio de Janeiro: Paz e Terra. 1960.

GALVÃO, Benjamin Franklin Ramiz. “Actas das sessões realizadas em 1913”. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. Volume XX. Rio de Janeiro. p. 585-658. 1914.

HOERHANN, Rafael Casanova de Lima e Silva. O Serviço de Proteção aos Índios e os Botocudo: a política indigenista através dos relatórios (1912 – 1926). Dissertação (Mestrado de História do Curso de Pós-Graduação em História, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina). 2005.

HOERHANN, Rafael Casanova de Lima e Silva. O Serviço de Proteção aos Índios e a desintegração cultural dos Xokleng (1927-1954). (Tese de doutorado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Filosofia e Ciências Humanas. Programa de Pós-Graduação em História. 2011.

HUGO, Vitor. Desbravadores. Humaitá. Vol I e II. 1959.

HUGO, Vitor. Cinquenta ano do Território Federal do Guaporé. ABG gráfica. 1995.

KAFKA, Franz. “Durante a construção da muralha da China”. IN: Narrativas do espólio. São Paulo: Companhia das letras. 2002.

KUPER, Adam. A Reinvenção da Sociedade Primitiva. Transformações de um Mito. Recife, Editora Universitária – UFPE. 2008.

LEONEL, Mauro. Etnodicéia Uruéu-au-au. São Paulo: Edusp/IAMÁ/ FAPESP. 1996.

LOPES, Raimundo. Antropogeografia.Rio de Janeiro. Publicações Avulsas do Museu Nacional nº 18. 1956.

LÉVINAS, Emmanuel. Entre nós. Ensaios sobre a alteridade. São Paulo: Editora Vozes, 2004.

LIMA, Nísia Trindade; HOCHMAN, Gilberto. Condenado pela raça, absolvido pela medicina: o Brasil descoberto pelo movimento sanitarista da Primeira República. In: Maio, Marcos Chor & SANTOS,

Ricardo Ventura (orgs.). Raça, Ciência e Sociedade. Rio de Janeiro: Fiocruz, p.23-40. 1996.

MALDI, Denise. Uma Etnografia e o seu propósito: os Suruí de Rondônia. Anuário Antropológico 85, Rio de Janeiro, p. 283-294, 1986. 1986.

MALDI, Denise. Guardiães da fronteira: rio Guaporé, séc. XVIII. Petrópolis, RJ: Vozes, 1989.

MALDI, Denise. O complexo cultural do Marico: sociedades indígenas dos rios Branco, Colorado e Mequens, afluentes do Médio Guaporé. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, Belém, v. 7, n. 2, p. 219-269, 1991. (Série Antropologia).

MAUSS, Marcel. Sociologia e Antropologia. São Paulo: Cosac & Naify. [1935] 2003.

MELATTI, Júlio Cesar Áreas Etnográficas da América Indígena. Disponível: http://www.juliomelatti.pro.br/areas/00areas.pdf. 2001.

MARTINS, Fernanda Santa Roza Ayala. O Serviço de Proteção aos Índios e localização de trabalhadores nacionais e a política na primeira república: grupos agrários, projetos e disputas no maranhão (1910-

. Dissertação (mestrado de história social da Universidade Federal Fluminense – Rio de Janeiro). 2012.

MELO, Joaquim Rodrigues de. A política indigenista no Amazonas e o Serviço de Proteção aos Índios: 1910-1932. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Amazonas, Instituto de Ciências Humanas e

Letras. 2007.

MELO, Joaquim Rodrigues de. “O SPI no Amazonas: 1910-1932” In: Freire, Carlos Augusto da Rocha (Org.). Memória do SPI. Textos, imagens e documentos sobre o Serviço de Proteção aos Índios (1910-1967). Rio de Janeiro. Museu do Índio – FUNAI, p. 403-418. 2011.

MENEZES, E. P. M. Retalhos para a História de Rondônia. Manaus, Imprensa Oficial do Estado do Amazonas. 1980.

MINDLIN, Betty. Demarcações paradas, prossegue a BR-364. In: Povos Indígenas no Brasil 1982. Aconteceu Especial 12. São Paulo, CEDI. 1982.

MOSER, Lilian. Os Karitiana e a colonização recente em Rondônia. Monografia de bacharelado, Universidade Federal de Rondônia. 1993.

OLIVEIRA, Humberto de. Coletânea de leis, atos e memoriais referentes ao indígena brasileiro. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional. 1947.

OLIVEIRA FILHO, João Pacheco de. O nosso governo: Os Ticuna e Regime Tutelar. São Paulo: Marco Zero; Brasília. 1988.

OLIVEIRA FILHO, João Pacheco de. (Org.). A viagem da volta: etnicidade, política e reelaboração cultural no Nordeste indígena. Rio de Janeiro, Contra Capa. 2004.

OLIVEIRA FILHO, João Pacheco de & FREIRE, Carlos Augusto da Rocha. A presença indígena na formação do Brasil. Edições MEC/Unesco: Brasília. 2006.

OLIVEIRA FILHO, João Pacheco de & FREIRE, Carlos Augusto da Rocha. “O paradoxo da tutela e a produção da indianidade: ação indigenista no Alto Solimões (1920-1970)”. In: Freire, Carlos Augusto da Rocha (Org.). Memória do SPI. Textos, imagens e documentos sobre o Serviço de Proteção aos Índios (1910-1967). Rio de Janeiro. Museu do Índio – FUNAI, p. 427-442. 2011.

PARESCHI, A. C. Desenvolvimento sustentável e pequenos projetos: entre o projetismo, a ideologia e as dinâmicas sociais. Tese de Doutorado, Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social,

Universidade de Brasília, Brasília. 2002.

PEIRANO, Mariza G. S. “Antropologia no Brasil (Alteridade contextualizada)”. In: MICELI, Sergio. (Org.) O que ler na ciência social brasileira. São Paulo: Editora Sumaré: ANPOCS; Brasília, DF: CAPES. 1999. pp: 225-266.

PERES, Sidnei. Arrendamento e Terras Indígenas. Análise de Alguns Modelos de Ação Indigenista no Nordeste (1910-1960). Dissertação (Mestrado) Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social. Universidade Federal do Rio de Janeiro. 1992.

RABELLO, Antônio Cláudio Barbosa. Inventando o outro: Representações do Desenvolvimento e da Fronteira amazônica. Tese Doutorado. Programa De Pós-Graduação em Desenvolvimento Sustentável do Trópico Úmido. 2004.

RIBEIRO, Darcy. A política indigenista brasileira. Rio de Janeiro: MA & SIA. 1962.

PINTO, Nicole Soares. Do poder do sangue e da chicha: os Wajuru do Guaporé (Rondônia). Dissertação de mestrado, UFPR. 2009.

PINTO, E. P. Caiari: Lendas, Proto História e História de Rondônia. Rio de Janeiro, Expressão e Cultura. 1986.

PINTO, E. P. Rondônia Evolução Histórica: A Criação do Território de Guaporé, Fator de Integração Nacional. Rio de Janeiro: Expressão e Cultura. 1993.

PRICE, David. Nambiquara Society. University of Chicago. (Tese de doutorado) 1972.

ROCHA, Leandro Mendes. A política indigenista no Brasil: 1930-1967. Goiânia, Editora UFG. 2003.

RONDON, Cândido Mariano da Silva. “Ofício nº 54, de 10/02/1910”. In: Brasil. Ministério da Agricultura, Indústria e Comércio. Relatório do Ministério da Agricultura Indústria e Comércio. Rio de Janeiro: imprensa Nacional. 1910.

RONDON, Cândido Mariano da Silva. “Etnografia”. Revista brasileira de Geografia. 1940. Vol. 2 Nº 4, p. 594-621. 1940. ____Índios do Brasil: do centro ao noroeste e sul de Mato-Grosso. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional. 1953.

RONDON, Frederico Augusto. Na Rondônia Ocidental. Companhia Editoria Nacional: São Paulo, Rio de Janeiro, Recife, Porto Alegre. 1938.

ROQUETTE-PINTO, Edgar. Rondônia. 3 Ed. Biblioteca pedagogia brasileira, série V. Brasiliana, Vol. XXIX. 1935.

ROQUETTE-PINTO, Edgar. Rondônia. 6 Ed. São Paulo: Ed. Nacional. Biblioteca pedagogia brasileira, série V. Brasiliana, Vol. XXIX. 1975.

ROQUETTE-PINTO, Edgar. Discurso de posse. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. TOMO LXXVI parte II, Rio de Janeiro, p.p 587-597. 1914.

SCHETTINO, Marco Paulo Fróes. “Áreas etnográficas: proposta de reestruturação do Departamento de Identificação e Delimitação da FUNAI com base na atuação em áreas etnográficas”. IN: BARRETO

FILHO, Henyo Trindade & SOUZA LIMA, Antonio Carlos. (org.), 2005. Antropologia e identificação: os antropólogos e a definição de terras indígenas no Brasil, 1977-2002. 2005.

SANTOS, Rita de Cássia Melo. No “Coração do Brasil”: Roquette Pinto e a Expedição à Serra do Norte (1912). Dissertação (mestrado) UFRJ/Museu Nacional/Programa de Pós-Graduação em Antropologia

Social. 2011.

SANTOS, Ana Flávia Moreira. Conflitos fundiários, territorialização e disputas classificatórias. Tese – Universidade Federal do Rio de Janeiro – MN/PPGAS. Rio de Janeiro. 2009.

SEYFERTH, Geralda. "A Antropologia e a teoria do branqueamento da raça no Brasil: a tese de João Batista de Lacerda". Revista do Museu Paulista, São Paulo, Nova Série, (XXX), p. 81-92. 1985.

SEYFERTH, Geralda. 2008. "Roquette-Pinto e o debate sobre Raça e Imigração no Brasil". In: Antropologia brasiliana: ciência e educação na obra de Edgard Roquette-Pinto. LIMA, Nísia Trindade e SÁ, Dominichi Miranda de. (Org.). Belo Horizonte: Editora UFMG; Rio de Janeiro: Editora Fiocruz.

SOUZA LIMA, Antônio Carlos de Souza. Os fetichistas, ordem e progresso um estudo do campo indigenista no seu estado de formação. Rio de Janeiro: PPGAS / Museu Nacional. Dissertação de Mestrado em Antropologia Social. 1985.

SOUZA LIMA, Antônio Carlos de Souza. O governo dos índios sob a gestão do SPI. In: Carneiro da Cunha, Emanuela. História dos índios no Brasil. São Paulo: Companhia das letras, FAPESP. 1992.

SOUZA LIMA, Antônio Carlos de Souza. Um Grande Cerco de Paz: poder tutelar, indianidade e formação do Estado no Brasil. Petrópolis:

Vozes. 1995.

SOUZA LIMA, Antônio Carlos de Souza. “Reconsiderando poder tutelar e formação do Estado no Brasil: notas a partir da criação do Serviço de Proteção aos Índios e Localização dos Trabalhadores Nacionais”. In: Freire, Carlos Augusto da Rocha (Org.). Memória do SPI. Textos, imagens e documentos sobre o Serviço de Proteção aos Índios (1910-1967). Rio de Janeiro. Museu do Índio – FUNAI, p. 201-212. 2011.

SOUZA, Vanderlei Sebastião de. Em busca do Brasil: Edgard Roquette-Pinto e o retrato antropológico brasileiro (1905-1935). Tese (Doutorado em História das Ciências e da Saúde) – Fundação Oswaldo

Cruz. Casa de Oswaldo Cruz. 2011.

TIMÓTEO DA CUNHA, Eliaquim. Em busca da “vida de índio”: Um estudo sobre mudanças sociais pensadas pelo grupo Cassupá em Rondônia. Trabalho apresentado na 29ª Reunião Brasileira de Antropologia, realizada entre os dias 03 e 06 de agosto de 2014, Natal/RN.

TIMÓTEO DA CUNHA, Eliaquim. “Quando esse tal de SPI” chegou: O serviço de Proteção aos Índios na Formação de Rondônia. Dissertação (Mestrado) em Antropologia Social - PPGAS/UFAM. Manaus. 2016.

TIMÓTEO DA CUNHA, Eliaquim. “Da tutela ao protagonismo: a trajetória Cassupá em Rondônia". In: Dossiê - Remoções forçadas de

grupos indígenas no Brasil republicano. Mediações, Londrina, V. 22 N. 2, P. 223-276, JUL./DEZ. 2017.

TOMEI, Manuela & SEWPSTON, Lee. Povos indígenas e tribais. Guia para a aplicação da convenção n 169 da OIT. Brasília, OIT. 1999.

VANDER VELDEN, Felipe. “Os Tupí em Rondônia: diversidade, estado do conhecimento e propostas de investigação”. Revista Brasileira de Linguística Antropológica. Vol. 2 , n. 1, Jul. 2010.

VILAÇA, Aparecida. Quem somos nós. Os Wari’ encontram os Brancos. Rio de Janeiro. Editora da UFRJ. 2006.

VIVEIROS, Esther de. Rondon conta sua vida. Rio de Janeiro, Livraria São José. 1969.

WAGNER, Roy. A Invenção da cultura. São Paulo: Cosac Naify, 2010.




DOI: https://doi.org/10.30612/nty.v5i7.7797

________________________________________________________________________

ISSN 2317-8590 (O código ISSN é único para todas as edições)
Todos os direitos reservados ao Programa de Pós-Graduação em Antropologia - PPGAnt/UFGD
UFGD - Universidade Federal da Grande Dourados
FCH - Faculdade de Ciências Humanas
Rodovia Dourados-Itahum, Km 12 - Caixa Postal 533 - Cidade Universitária
Dourados-MS (Brasil) - CEP 79804-970

  

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.