Dançando contra o estado: análise descoreográfica das forças em movimento entre os caboclinhos de Goiana/Pernambuco

Maria Acselrad

Resumo


Se a ideia de coreografia encontra-se relacionada a uma tradição disciplinar marcada por estratégias de poder e dominação do corpo e de seus movimentos (Lepécki, 2010), uma análise descoreográfica pode ser uma boa opção na tentativa de compreender a relação dança e guerra, dimensão importante da experiência dos caboclinhos. Agremiação carnavalesca formada por homens, mulheres e crianças, vestidos de índios e munidos de arco e flecha, os caboclinhos saem dançando e tocando pelas ruas de cidades da Região Metropolitana do Recife e da Zona da Mata norte de Pernambuco. Seus dançarinos são índios guerreiros, organizados em cordões, disposição espacial em que duas fileiras paralelas desenvolvem movimentos simétricos. Os líderes desses cordões são os puxantes, que articulam em sua movimentação, a preparação para um embate coreográfico. Suas danças, chamadas manobras, evocam movimentos de guerra, por meio de avanços, recuos, saltos, agachamentos, trançados e rodopios, e passos cujas variações envolvem o cruzamento e o descruzamento de pernas, além do gesto de atirar com o arco e flecha. Se, boa parte de suas apresentações acontece num espaço e tempo institucionalizados pelo poder público, há um dia no ano, em que os grupos saem às ruas de Goiana, para realizar a caçada do bode, cortejo ritual que prepara os caboclinhos para os desafios enfrentados durante o carnaval. Neste dia, o confronto direto entre os grupos é um risco em potencial. Observar a relação entre eles, não se resumindo a um grupo especificamente e nem à descrição do que se move, no plano do visível apenas, já que uma dimensão invisível decorrente da relação com a jurema, ali também dança, afirma a intenção aqui de praticar uma antropologia das forças, mais do que das formas. Evocar o clássico debate sobre guerra enquanto motor da vida social (Clastres, 2004), vem contribuir para o desvelamento de uma dimensão agonística, pouco discutida nos trabalhos sobre danças populares e tradicionais.

Palavras-chave


Descoreografia. Manobra. Estado.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.30612/nty.v5i6.6878

________________________________________________________________________

ISSN 2317-8590 (O código ISSN é único para todas as edições)
Todos os direitos reservados ao Programa de Pós-Graduação em Antropologia - PPGAnt/UFGD
UFGD - Universidade Federal da Grande Dourados
FCH - Faculdade de Ciências Humanas
Rodovia Dourados-Itahum, Km 12 - Caixa Postal 533 - Cidade Universitária
Dourados-MS (Brasil) - CEP 79804-970

  

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.