Notícias

Ñanduty é uma palavra polissêmica em língua guarani, constituída de duas partes: ñandu e ty. O vocábulo ñandu pode ser substantivo, quando empregado para designar aranha (aracnídeo), mas também pode servir como verbo, no sentido de sentir, experimentar sensações, averiguar ou pressentir, além denotar ir, ver ou visitar alguém por cortesia, solidariedade ou afeição. O sufixo ty, cuja pronúncia é nasal, pode significar urina, suco  ou  sumo, indicar coletivo (avatity =  milharal; jetyty = batatal), designar grandeza de alguma coisa ou mesmo ser empregado como no sentido de jogar ou lançar algo em alguma direção. Comumente a palavra é usada no sentido de “teia de aranha”, tanto no Paraguai quanto em entre os Guarani e Kaiowa que vivem em Mato Grosso do Sul. Entre a população paraguaia, por exemplo, o vocábulo também é empregado para designar uma renda fina e típica do artesanato regional (cultura material), cujo formato colorido lembra uma teia de aranha. Também é empregada no sentido de grande rede de relações sociais, motivo principal pelo qual a palavra foi escolhida como nome da revista eletrônica do Programa de Pós-Graduação em Antropologia da UFGD. Por isso entre a expressão "www" (Word Wide Web), muito comum na linguagem da Internet, é denominada Ñanduty Rogue Guasu naquele país vizinho.

DOSSIÊ 2018-1 - contribuições até 30 junho (envio pelo sistema e/ou para revistappgant@gmail.com)

 

Reflexões a partir do “pós Golpe de 2016”: possibilidades de devires resistentes nos diálogos (in)diretos com a Antropologia

A proposta do dossiê é a de visibilizarmos escritos que nos desassosseguem com reflexões disparadas pelo contexto brasileiro do pós-golpe de 2016, de e em diferentes espectros minoritários. Perspectivas minoritárias ou "devires-minorias", cujas resistências se fazem potencializadas e potencializadoras com o “impeachment”. Se as identidades rimam com a essência estática das entidades, os devires rimam com as perspectivas dinâmicas das multiplicidades, tal como nos ins(pira) o duo (Gilles) Deleuze e (Félix) Guattari. Quando em cena se disseminam os “pânicos morais” que se travestem de projetos conservadores como os da “Escola sem Partido”, da PEC 181/2015, do Estatuto da Família, das reformas trabalhista e previdenciária, do sucateamento do ensino público superior gratuito, da liminar que reacende o discurso da Cura Gay, para além de todos os que dão seguimento às dizimações contra pessoas negras, quilombolas e indígenas, o que nos cabe (também) a partir do discurso acadêmico é cada vez mais problematizarmos o que nos cerca, nos enreda e nos captura. Eis o convite que estendemos a todxs xs que puderem e desejarem conosco compor.

Organizadores: Simone Becker (UFGD/MS) &  Flavio Braune Wiik (UEL/PR) 


 
Publicado: 2018-01-21 Mais...
 
1 a 1 de 1 itens