Ecos da memória e da resistência estudantis: o poder jovem de Arthur Poerner cinquenta anos depois

Thiago Bicudo Castro

Resumo


O livro O Poder Jovem e seu autor Arthur Poerner estiveram no centro dos debates sobre a resistência cultural e política à ditadura civil-militar instaurada em 1964. Tanto o autor quanto a obra podem ser interpretados a partir dos eventos políticos iniciados com a assinatura do Ato Institucional nº 2 de 1965 até 1968 e a publicação do Ato Institucional nº 5. Arthur Poerner teve seus direitos políticos cassados em razão do AI-2 e o livro O Poder Jovem foi lançado em 1968 e imediatamente censurado. Este livro, desde o lançamento até suas reedições nas décadas seguintes, teve uma importante influência no movimento estudantil, sendo, inclusive, um meio de reconstrução da memória deste movimento e da UNE. Este artigo analisa a forma como Poerner fomentou a criação de um mito estudantil no campo das resistências pós-golpe de 1964, a partir da obra que completa cinquenta anos em 2018.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.30612/mvt.v5i09.8755

ISSN Eletrônico: 2358-9205

 

Indexadores:

                 

 

 

 

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.