Crítica artística e “tradutibilidade” nos cadernos do cárcere de Antonio Gramsci

Rocco Lacorte

Resumo


Neste ensaio, pretendemos investigar a relação que se dá entre umas das formulações gramscianas sobre a arte e a crítica artística e uns dos nós e elaborações teóricas sobre os entrelaçamentos entre política, filosofia e cultura, cujo vértice teórico é representado pela teoria da “tradutibilidade”. Ao ler juntamente alguns dos textos importantes relativos a esses âmbitos distintos, pode-se mostrar como a concepção da atividade artística não possa ser separada daquela mais vasta, cultural e política, da produção de uma “vontade coletiva” e de uma “reforma intelectual e moral”, que Gramsci inclui no seu discurso sobre o “popular-nacional”, o qual, por sua vez, implica o sobre as dinâmicas acerca das relações políticas-culturais (hegemônicas) internacionais. Isso deveria levar a excluir que o Gramsci maduro continue influenciado pelo idealismo, em particular o de Benedetto Croce, em relação à sua concepção da arte e da crítica artística.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.30612/mvt.v4i07.8429

ISSN Eletrônico: 2358-9205

 

Indexadores:

 

          

   

 

    

 

oasisbr

   

 

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.