Territorialidade, identidade étnica e multiculturalismo: o movimento indígena na Colômbia

Mauricio Alejandro Diaz

Resumo


O artigo propõe realizar uma aproximação histórica ao moderno movimento indígena na Colômbia e por outro lado conceitual, e discutir as novas formas de representação das lutas pela identidade étnica na década 1990. Procurando uma análise que resgate a produção sócio antropológica daqueles estudos que rompem com o essencialismo do conteúdo e, alcance, ou, se aproximem ao caráter processual e dinâmico da configuração das novas identidades de base étnica na Colômbia no século XX.  Nesta configuração está relacionado com a revitalização histórica da memória cultural indígena, sua luta política pela terra, o diálogo interétnico e intercultural e a identificação com o território como lugar de origem e reprodução da cosmovisão indígena. Pois, nos novos discursos de afirmação étnica observamos uma tensão permanente entre o Estado e os territórios indígenas, as políticas multiculturalistas e a interculturalidade das organizações indígenas. No caso colombiano, esta tensão se manifesta em um contexto social de conflito permanente e violência generalizada. Os territórios das comunidades indígenas, têm de conviver com a guerra entre os atores armados e a presença ameaçadora de empresas multinacionais interessadas nos bens ambientais e recursos minerais. O cenário de violência e o não cumprimento dos direitos étnicos são temas que projetam os discurso e ações dos seus dirigentes do movimento indígena colombiano, frente aos dilemas do novo Estado multicultural.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.30612/mvt.v4i06.7531

ISSN Eletrônico: 2358-9205

 

Indexadores:

                 

 

 

 

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.