O movimento indígena e os aspectos religiosos da luta Guarani: Ensaio Fotográfico dos Nanderu'i das terras retomadas no Oeste do Paraná

Paulo Humberto Porto Borges

Resumo


Este breve ensaio tem como objetivo apresentar a fotografia como representação e visibilidade dos chamados rexadores Guarani das aldeias retomadas do oeste do Paraná. Atualmente existem 21 aldeamentos ainda esperando por reconhecimento por parte da FUNAI e do estado brasileiro, nestas áreas encravadas em meio a platançoes de soja e propriedades privadas as comunidades indígenas resistem fortalecidas por suas lideranças espirituais. A grande concentração destas pequenas comunidImagem 3. Coral Guarani na comunidade de Tekoa Aty Mirim/Município de Itaipulândia por ocasião do 19 de abril “Dia do Índio” com a presença de diversas lideranças políticas indígenas e não-indígenas na comunidade. As manifestações culturais seguem tendo forte viés de afirmação política e étnica para a sociedade envolvente.

Imagem 1. Cacique e xamõi Raul Medina no Tekoa Yvyraty Porã/Município de Terra se preparando para ir a Guaíra participar de mais uma reunião com demais lideranças indígenas a respeito da demarcação territorial.

Imagem 2. Cacique Libório sendo abençoado por diversas lideranças e rezadores na casa de reza do Tekoa Nhemboete/Municipio de Terra Roxa para que Ñanderu lhe iluminando dando força para seguir lutando pelos direitos de seu povo.

Imagem 3. Coral Guarani na comunidade de Tekoa Aty Mirim/Município de Itaipulândia por ocasião do 19 de abril “Dia do Índio” com a presença de diversas lideranças políticas indígenas e não-indígenas na comunidade. As manifestações culturais seguem tendo forte viés de afirmação política e étnica para a sociedade envolvente.

Imagem 4. Manifestação no Tekoa Marangatu/Município de Guaira com a participação de diversas lideranças religiosas Guarani com intuito de entregar ao Ministério Público Federal relatório sobre a violação dos direitos indígenas na região de Guaíra.

Imagem 5. Mulheres Guarani na casa de reza do Tekoa Vy'a Renda/Município de Santa Helena batendo o takuapy (instrumento indígena específico para a utilização das mulheres da comunidade) durante cerimônia religiosa com a presença de diversos caciques Guarani.

Imagem 6. Reunião de rezadores no Tekoa Y Hovy/Município de Guaíra com a presença de entidades indigenistas para discutir a questão territorial na região.

Imagem 7. Promotor do Ministério Público Federal de Guaíra Dermeval Vianna sendo abençoado pelos xamõi Guarani no Tekoa Marangatu/Município de Guaira para que continue defendendo os direitos constitucionais indígenas contra a violência dos ruralistas.

Imagem 8. Reunião da casa de reza do Tekoa Vya’ Renda/Município de Santa Helena, no momento da fala da liderança Guarani Francisco Alves a respeito da questão territorial no município e as terras alagadas indígenas pela Itaipu.

Imagem 9. Reza no Tekoa Mirim/Município de Guaíra após reunião de lideranças indígenas com a presença do Ministério Público Federal e a FUNAI.

Imagem 10. Xamõi Claudio Bogado na comunidade Tekoa Mokoi Joegua organizando o início da reza e abençoando a presença das lideranças políticas presentes: em pauta a antiga aldeia de Dois Irmãos submersa pela subida das águas da Itaipu.

Imagem 11. Retrato do Xamõi Agostinho da comunidade Tekoa Añetete/Município de Diamante do Oeste, liderança histórica do povo Guarani que segue reivindicando suas áreas alagadas desde a subida das águas da Itaipu em 1982.

Imagem 12. Xamõi Claudio Bogado e sua esposa Amália em sua casa reza no Tekoa Mokoi Joegua/Município de Santa Helena. Atualmente cada vez mais as mulheres Guarani vem tomando a frente de luta em defesa suas comunidades, em especial, como Amália que a exemplo de seu marido também é uma liderança espiritual.

 

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.30612/mvt.v4i06.7373

ISSN Eletrônico: 2358-9205

 

Indexadores:

                 

 

 

 

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.