A política entre o Holismo e o Individualismo Metodológico: tendências paradigmáticas nas abordagens dos livros adotados pelo PNLD

Gustavo Cravo, Marcel Albuquerque, Marcus Vinicius Almeida

Resumo


Ainda que a Sociologia possua um espectro de cores amplo no que concerne suas escolas teóricas, variando do Comportamentalismo ao Interacionismo simbólico, da École des Annales à Escola de Frankfurt, decorre historicamente, desde seu tempo primevo, uma distinção de maior magnitude, a qual é diluída por todo – ou quase, sejamos devidamente céticos – corpo acadêmico. Tal distinção é fundamentada na observação e análise dos fenômenos sociais a partir de prismas díspares, por que não antagônicos, os quais podem ser divididos como dois paradigmas hegemônicos: o holismo, cujo pilar máximo é o arcabouço constituído por Émile Durkheim; e o individualismo metodológico, creditado devidamente a Max Weber. Os livros adotados pelo último Programa Nacional do Livro Didático (PNLD), em 2012, para a disciplina Sociologia no Ensino Médio, imersos neste contexto, transpõem didaticamente estes paradigmas, por meio de inextrincáveis peculiaridades. Isto, pois, a seleção do conteúdo implica a adoção – em algum nível, arbitrária – de abordagens e recortes que deflagram pré-noções dos responsáveis pelo material didático. 

Texto completo:

PDF


ISSN Eletrônico: 2358-9205

 

Indexadores:

                 

 

 

 

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.