Mulheres camponesas em movimentos: análises da atuação feminina na via campesina, na caminhada para a soberania alimentar

Alzira Salete Menegat, Sandra Procópio Silva

Resumo


Este artigo tem por objetivo apresentar considerações sobre as condições e atuações das mulheres camponesas que integram a Via Campesina, considerando o contexto histórico cultural de produção da desigualdade entre homens e mulheres nas relações de trabalho, culminando com sua invisibilidade na produção de alimentos. Aliado a esse percurso, são analisadas as resistência das mulheres diante de processos opressores, descortinando-os e se colocando em lutas para transformação de relações sociais e de modelos de produção. Nesse sentido, a Via Campesina configura-se num coletivo que fortalece e fomenta a força social das mulheres, que visam a mudanças. Conclui-se que as Mulheres Camponesas, da Via Campesina, questionam as jornadas de trabalho opressoras, debatendo sobre processos que as fortaleça, como a soberania alimentar, os feminismos e a agroecologia.

Palavras-chave


Mulheres, Soberania Alimentar, Agroecologia, Via Campesina.

Texto completo:

PDF

Referências


BUTTO, Andrea. Política para as mulheres rurais: autonomia e cidadania. In: BUTTO, Andrea; DANTAS, Isolda (org.). Autonomia e cidadania: políticas de organização produtiva para as mulheres no meio rural. Brasília: Ministério do Desenvolvimento Agrário, 2011.

CARRASCO, Cristina. In: A produção do viver. NOBRE, Miriam; FARIAS, Nalu (org.). Sempre Viva Organização Feminista (SOF). São Paulo: 2003.

DEERE, Carmen Diana; LEON, Magdalena. O Empoderamento da Mulher: direito à terra e direitos de propriedade na América Latina. Tradução Letícia Vasconcelos Abreu, Paulo Azambuja Rossato Antinolf, Sônia Terezinha Gehring. Porto Alegre, RS: Editora UFRGS, 2002.

D´ATRI, Andrea. Feminismo e marxismo: 40 anos de controvérsias. Revista Lutas Sociais, São Paulo, n. 27, p. 142-156, 2011.

FABBRI, Luciano. Um olhar feminista sobre os sujeitos da transformação social em Nuestra América. Revista Lutas Sociais, São Paulo, n. 27, p. 172-185, 2011.

FARIA, Nalu; NOBRE, Miriam. Gênero e Desigualdade. São Paulo: SOF, 1997.

FARIAS, Marisa de Fátima Lomba de. Mulheres no Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). In: TEDESCHI, Losandro Antonio (org). Leituras de gênero e interculturalidade. Dourados: Editora UFGD, 2013.

HUERTA, Francisca Rodriguez. ANAMURI. CLOC-VIA CAMPESINA. https://viacampesina.org/en/womens-struggles-for-a-peasant-and-peoples-feminism/

MAFORT, Kelli Cristine de Oliveira. A hegemonia do agronegócio e o sentido da Reforma Agrária para as mulheres da Via Campesina. 2013. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Programa de Pós Graduação em Ciências Sociais. Universidade Estadual de São Paulo, Araraquara, 2013.

MEDEIROS, Leonilde Servolo. Reforma Agrária no Brasil – história e atualidade da luta pela terra. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2003.

MELO, H.P.; CASTILHO, M. Trabalho reprodutivo no Brasil: quem faz? Revista, v.13, n1. http://www.scielo.br/pdf/rec/v13n1/06.pdf

MENASCHE, Renata; TORRENS, João Carlos Sampaio. Gênero e Agricultura Familiar. DESER/CEMTR/PR. Curitiba: Deser, 1996.

MENEGAT, Alzira Salete. Mulheres assentadas abrem novas portas. Quais as portas? In: MENEGAT, Alzira Salete, FARIAS, Marisa de Fátima Lomba, TEDESCHI, Losandro. Educação, relações de gênero, movimentos sociais: um diálogo. Dourados: UFGD, 2009. (pp.207-233)

MENEGAT, Alzira Salete. Mulheres assentadas e acadêmicas construindo novos pertencimentos sociais. In: PINHEIRO, Alexandra Santos, et al. Saberes da Terra: teorias e vivencias. Dourados: UFGD, 2012 (pp.223-247)

MURARO, Rose Marie. Aspectos históricos e políticos da violência contra as mulheres. Revista CEPAT Informa, n. 126, Especial, Set. /2005.

PRESVELOU, Clio; ALMEIDA, Fracesca R.; ALMEIDA, Joaquim Anécio (Orgs). Mulher, família e desenvolvimento rural. Santa Maria: UFSM, 1996. p.39-58.

SAFFIOTI, Heleieth Iara. O poder do macho. São Paulo: Moderna, 1987.

SCOTT, Joan. Gênero: Uma categoria útil de análise. Revista Educação e Realidade. Jul./dez. 1995: p. 71-79.

SILVA, Renata. As relações de gênero sob o domínio do capital. Mimeo. s/d.

SENRA, Lídia; LEÓN, Irene. Las mujeres Gestoras de la Soberanía Alimentaria. In: Las mujeres alimentan al mundo. Soberania alimentaria em defensa de la vida y del planeta. Barcelona: Entrepueblos, 2009.

PAULILO, Maria Ignez S. FAO, Fome e Mulheres Rurais. DADOS – Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, vol. 56, n. 2, 2013, p. 285-310.

VIA CAMPESINA, Declaración sobre la Soberanía Alimentaria de los Pueblos - 2009: http://www.viacampesina.org. Acesso em 25 de junho de 2013.

VIEIRA, Flávia Braga. Articulações Internacionais “desde abaixo” em tempos de globalização. In: GONH, Maria da Glória; BRINGEL, Breno (orgs.). Movimentos Sociais na era global. Petrópolis: Vozes, 2012.




DOI: https://doi.org/10.30612/mvt.v6i10.10660

ISSN Eletrônico: 2358-9205

 

Indexadores:

                 

 

 

 

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.