Nas fissuras da história: o movimento lésbico no Brasil

Tayane Rogeria Lino

Resumo


Este trabalho tem por objetivo realizar uma síntese histórica do Movimento de Mulheres Lésbicas no Brasil (MLB), a partir da segunda metade do século XX, como um requisito da disciplina História e Teoria em Psicologia Social, oferecida no programa de pós-graduação em Psicologia da UFMG. A revisão de literatura sobre o tema aponta que pouco se tem notícia acerca da emergência dos grupos lésbicos no Brasil, as informações aparecem difusas nos estudos sobre a história do Movimento Feminista (MF) e do Movimento Homossexual (MH), o que exige dos/as leitores/as a construção de uma história dentro da exposição da história. Os registros de movimentos organizados de lésbicas são marcados por negociações permeadas de conflitos, debates,  encontros e desencontros com os movimentos supracitados. Se a história é o resultado da tentativa de uma interpretação de fatos, uma análise de um momento específico, ela nunca será uma verdade única/singular e sim fragmentos de fatos que produzem redes de sentidos e hierarquias sócio-históricas. Portanto, como aponta Foucault (1979), a história instaura regimes de verdades, nestes termos o que a história não diz nunca existiu. Assim a luta pela construção de uma epistemologia da história das mulheres lésbicas busca o reconhecimento da existência, visibilidade e a inserção na vida pública.


Palavras-chave


Movimento de Mulheres Lésbicas. Participação Política. História. Psicologia Social.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Glaucia Elaine da S. Da invisibilidade à vulnerabilidade: percursos do “corpo lésbico” na cena brasileira face à possibilidade da infecção por DST e AIDS. Tese (Doutorado em Saúde Coletiva) – Instituto de Medicina Social, Universidade Estadual do Rio de Janeiro: Rio de Janeiro, 2005.

ALVES, Branca Moreira; PITANGUY, Jaqueline. O que é feminismo. 8. ed. São Paulo: Brasiliense, 1991.

AVRITZER, Leonardo. Sociedade Civil, Instituições Participativas e Representação: Da Autorização à Legitimidade da Ação. DADOS – Revista de Ciências Sociais, v. (50) n.(3), Rio de Janeiro, 2007.

BOMFIM, Elizabeth M. A Psicologia Social da ABRAPSO. Psicologia e Sociedade, v.(8), p. 219-225, 1989/1990.

CALDERARO, Fernanda. Políticas de saúde voltadas às lésbicas: um estudo sobre as possibilidades de reverter um quadro histórico de invisibilidade. (Dissertação de mestrado). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2011.

CAMILO, A. A. Um estudo dialógico sobre narrativas identitárias de mulheres jovens no contexto de coletivos lésbicos-bissexuais feministas. (Dissertação de Mestrado) - Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília, 2010.

CRUZ, R. N. Da. A produção social do conhecimento na Psicologia Social brasileira: um estudo descritivo/exploratório a partir da revista Psicologia & Sociedade. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Psicologia. Universidade Federal de Minas Gerais, 2008.

CURIEL, Ochy. El lesbianismo feminista: Una propuesta política transformadora. Revista America Latina em Movimento, n. 420, P. 3-7, 2007. Disponível em: http://alainet.org/active/show_text.php3?key=17389. Acesso em 02 de outubro de 2019.

FACCHINI, Regina. Sopa de letrinhas? Movimento homossexual e produção de identidades coletivas nos anos 90. Rio de Janeiro: Garamond, 2005.

FACCHINI, Regina. Entre compassos e descompassos: um olhar para o “campo” e para a “arena” do movimento LGBT brasileiro. Revista Bagoas, 2009.

FERNANDES, Marisa. Lésbicas no Brasil, 2002. Disponível no site: http://gonline.uol.com.br/entre_elas/filosofando/filosofando.shtml. Acesso em 30 de maio de 2019.

FLACKS, D. A questão da relevância nos estudos dos movimentos sociais. Revista Crítica de Ciências Sociais, 72, p. 45-66, 2005.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

Jacó-Vilela, A. M.; Rocha, M.L.; Mancebo, D. (Orgs.). Psicologia Social: relatos na América Latina. São Paulo, SP: Casa do Psicólogo, 2003.

KAUCHAKJE, Samira. Solidariedade política e constituição de sujeitos: a atualidade dos movimentos sociais. Sociedade e Estado, Brasília, v. (23) n. (3), p. 667-696, 2008.

LANE, Silvia T.M. (1984). O que é psicologia social. In S. LANE; W. CODO (Eds.), Psicologia social O homem em movimento. São Paulo, SP: Brasiliense, 1984.

LANE, Silva T.M.A Psicologia Social e uma nova concepção de para a Psicologia. In: S. LANE; W. CODO (orgs.). Psicologia Social: o homem em movimento. São Paulo: Brasiliense, 1984.

LANE, S. T. M.; Bock, A. M. B. ABRAPSO - uma história da Psicologia Social enquanto práxis. In: Jacó-Vilela, A. M.; Rocha, M. L;Mancebo, D. (Orgs.) Psicologia Social: relatos na América Latina. São Paulo: Casa do Psicólogo, p. 145-155, 2003.

Lessa, P. O que a história não diz não existiu: a lesbianidade em suas interfaces com o feminismo e a historia das mulheres. Em Tempo de Histórias, v. (7), 120-132, 2003.

LESSA, P. A lesbianidade em fotos e cores In: Anais do XXIII Simpósio Nacional de Educação Física e II Colóquio de Epistemologia do CBCE. Pelotas: EDUFPEL, 2004.

LESSA, P. Lesbianas em movimento: a criação de subjetividades (Brasil, 1979-2006). Tese (Doutorado em História) - Universidade de Brasília, Brasília, 2007.

LESSA, P. O feminismo-lesbiano em Monique Wittig. Revista Ártemis, v. (7), p. 93-100, 2007b.

LESSA, P. O que é o lesbianismo. Em Tempo de Histórias, v. (9), 150-153, 2007c.

LESSA, P. Visibilidade e ação lesbiana na década de 1980: uma análise a partir de grupo de ação lésbico-feminista e do boletim Chana com Chana. Gênero, v. (8), 301-334, 2008.

LESSA, Patrícia A construção dos corpos lesbianos nos movimentos sociais no Brasil frente os anos 70 e a atualidade. In: Anais do XXIII Simpósio Nacional de História – ANPUH e História: Guerra e Paz. Londrina: EDUEL, p. 379-379, 2005.

MARTINHO, Míriam. Lésbicas em Movimento: a trajetória da organização lésbica no Brasil. Boletim Um Outro Olhar, n. 9, 1989. Disponível em www.umoutroolhar.com.br. Acesso em 15 de março de 2019.

MELO, A. P. L de. “Mulher Mulher” e “Outras Mulheres”: gênero e homossexualidade(s) no Programa de Saúde da Família. (Dissertação de Mestrado) – Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Instituto de Medicina Social, 2010.

MELUCCI, A. A invenção do presente. Petrópolis, Editora Vozes, 2001.

MESQUITA, M. Movimento de mulheres lésbicas no Brasil: sinalizando algumas conquistas e desafios para o século XX, 2004. Disponível em: www.galf.org. Acesso em 15 de março de 2019.

MIÑOSO, Yuderkys Espinosa. Escritos de una lesbiana oscura: reflexiones críticas sobre feminismo y política de identidade en America Latina. Buenos Aires: Frontera, 2007.

MOGROVEJO, Norma. Um amor que se atrevo a decir su nombre – La lucha de las lesbianas y su relación con los movimientos homosexual y feminista en América Latina. México: Plaza y Valdés, 2000.

MORALES, Zeyda Rodríguez. El movimiento lésbico en México: reconstrucción de uma historia no escrita. Espiral, Estudios sobre Estado y Sociedad. V. (7) n. (19), p.187-192, 2000.

MOTT, Luiz O lesbianismo no Brasil. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1987.

NAVARRO-SWAIN, T. Feminismo e lesbianismo: a identidade em questão. Cadernos Pagu (UNICAMP), Campinas, São Paulo, v. (12), p. 109-120, 1999.

NAVARRO-SWAIN, T. Feminismo e lesbianismo: quais os desafios?. Labrys. Estudos Feministas (Edição em português. Online), 2002a.

NAVARRO-SWAIN, T. Feminismo e práticas sexuais. Caderno Espaço Feminino (UFU), v. (9) n. (10/11), p. 09-34, 2002b.

NAVARRO-SWAIN, T. Lesbainismo: identidade ou opção individual?. In: PEDRO, Joana Maria et al. (Org.). (v. 2, p. 1223-1241). História: fronteiras. Florianópolis: FINEP, 1999.

NAVARRO-SWAIN, T. O que é o lesbianismo. São Paulo: Brasiliense, 2000.

PRADO, M. A. M. Psicologia Política e Ação Coletiva: notas e reflexões acerca da compreensão do processo de formação identitária do “nós”. Psicologia Política, 1(1) p. 173-195, 2000.

PRADO, M. A. M. Psicologia política e ação coletiva. Revista Psicologia Política, 1(1), 149-170, 2001.

PRADO M. A. M; Machado, F. V. Movimentos Homossexuais: A Constituição da Identidade Coletiva Entre a Economia e a Cultura: O Caso de Dois Grupos Brasileiros. Interações, 10(19), p. 35-62, 2005.

PIASON, Aline da Silva; Strey, Marlene Neves; Julio, Ana Luiza dos Santos. Mulheres que amam mulheres: trajetórias e vivencias nas militâncias feministas. Anais do Fazendo Gênero 9: Diásporas, Diversidades, Deslocamentos. P.1-8, 2010.

SANDOVAL, S. A. M. A crise sociológica e a contribuição da psicologia social ao estudo dos movimentos sociais. Educação e Sociedade, 2(34), 122-130, 1989.

SELEM, Maria Célia Orlato. A Liga Brasileira de Lésbicas: produção de sentidos na construção do sujeito político lésbica. Dissertação (Mestrado em História) - Universidade de Brasília, 2007.

Simões, Júlio Assis; Facchini, Regina. Na trilha do arco-íris: do movimento homossexual ao LGBT. São Paulo, Perseu Abramo, 2009.

SOARES, Gilberta Santos; Costa, Jussara Carneiro. Movimento lésbico e Movimento feminista no Brasil: recuperando encontros e desencontros. labrys, études féministes/ estudos feministas, 2012.

Sztompka, P. A sociologia da mudança social. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1998.

TARROW, S. O Poder em Movimento: Movimentos sociais e confronto político. Editora Vozes, 2009.

TAVARES, M. Lesbianismos e feminismos encontros e desencontros e as ligações entre activismo e academia. LES Online, v. (3) n. (1), 29-37, 2011.

WALLERSTEIN, Immanuel. Impensar a Ciência Social: Os limites dos paradigmas do século XIX. Aparecida: Idéias & Letras, 2006.




DOI: https://doi.org/10.30612/mvt.v6i10.10547

ISSN Eletrônico: 2358-9205

 

Indexadores:

                 

 

 

 

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.