Teorias do conhecimento: algumas aproximações com a pesquisa em educação

Rosilene Moreira de Souza

Resumo


O trabalho aborda uma breve síntese dos fundamentos teóricos do positivismo, do materialismo histórico dialético, do idealismo e das abordagens teóricas modernas: as teorias crítica e pós-críticas, buscando entender as transformações na produção do conhecimento e as consequências dessa evolução na educação. A teoria crítica remete as perspectivas teóricas e analíticas que se centram no questionamento do papel que a escola, o currículo e a pedagogia representam na produção e reprodução do conhecimento e a teoria pós-crítica referem-se as pesquisas inerentes à questões de raça e etnicidade, classe, gênero, identidade e diferença, currículo, cultura e formação de professores e relações de poder na educação. Para que as pesquisas possam evoluir, no campo da educação é necessário consolidar o paradigma qualitativo que tem condições de captar o cotidiano das escolas, a essência do fenômeno educacional e o contexto na qual ela está inserida. A pesquisa e os estudos educacionais no Brasil precisam ser fortalecidos e melhorados rapidamente, para que isso ocorra é necessário o incentivo às pesquisas educacionais, pulverizadas no meio científico, e a quebra das barreiras institucionais entre educadores e não educadores e buscar novos conhecimentos e tecnologias, como condição para a melhoria da qualidade da educação.

Palavras-chave


Conhecimento. Teorias científicas. Pesquisa em educação.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES-MAZZOTTI, A. J. O método nas ciências sociais. In. ALVES-MAZZOTTI, Alda Judith; GEWANDSZNAJDER, Fernando. O método nas ciências naturais e sociais: pesquisa quantitativa e qualitativa. São Paulo: Pioneira, 2001. p. 109-188

ALVES-MAZZOTTI, A. J.; GEWANDSZNAJDER, F. O método nas ciências naturais e sociais: pesquisa quantitativa e qualitativa. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2002. p. 109-187.

AMES, J.L. A filosofia da dominação em Augusto Comte. Revista de Filosofia. Vol. 4, n.4, julho, 1991.

ANDERY, M.A. et al. Para compreender a ciência. Rio de Janeiro: Espaço e Tempo. EDUC. 1988.

ANDRÉ.M; LÜDKE, M. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU. 1986.

BUNGE, M. Ciência e desenvolvimento. Belo Horizonte: Itatiaia. Edusp. 1980.

CHALMERS, A. F. O que é ciência afinal? São Paulo: Brasiliense.1997.

CUPANI, A. A objetividade científica como problema filosófico. Cad. Cat. Ens. Fís., Florianópolis, 6 (Número especial): 18-29, jun. 1989.

DESCARTES, R. Discurso do método. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

GATTI, B. A. A construção da pesquisa em educação no Brasil. Brasília: Plano Editora. 2002.

GIDDENS, A. As consequências da modernidade. São Paulo: Editora UNESP, 1991.

HUME, D. Uma investigação sobre o entendimento humano. São Paulo: UNESP,2004.

HUSSERL, E. Investigações lógicas. 1988.

LAUX, E.R.T. O problema da indução de Hume a Popper: a confiabilidade da ciência na visão de Hume e Popper, tendo por base a questão da indução. Controvérsia -Vol. 8, nº 1: 12-21(jan-abr 2012).

LYOTARD, J.F. A condição pós-moderna: Rio de Janeiro: José Olympio, 2009.

MATALLO JUNIOR, H. A problemática do conhecimento. 2002.

PARAISO, M.A. Pesquisas pós-críticas em educação no Brasil: esboço de um mapa. Cad.Pesq., Ago 2004, vol.34, nº 122, p. 283-303.

PUCCI, Bruno (Org.). Teoria Crítica e Educação: A Formação Cultural na Escola de Frankfurt. Editora VOZES/EDUFSCar, Petrópolis, RJ, 1ª Edição: março de 1995

SANTOS, B.S. Porque é difícil construir uma teoria crítica?. Revista Crítica de Ciências Sociais, 54, 197-215,1999.

SILVA, T.T. Documentos de identidade: uma introdução as teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

TRIVIÑOS, A.N.S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas. 1992.




DOI: https://doi.org/10.30612/hre.v6i12.9186

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.