Dos senhores aos inquisidores: escravos africanos sob o poder do Santo Ofício no mundo Luso-brasileiro (séculos XVII e XVIII)

Monique Marques Nogueira Lima

Resumo


O objetivo deste artigo é o de analisar o poder do Santo Ofício, como instituição religiosa, sobre os escravos que, compulsoriamente, foram levados da África ao reino ou à colônia lusa da América. Com o olhar voltado, especialmente, à compreensão de algumas premissas importantes, como o batismo e a instrução na Fé, o intuito foi o de apresentar as polêmicas teológicas-jurídicas da época sobre a conversão para, assim, entender o lugar da Inquisição e sua atuação sobre aqueles que eram considerados, muitas vezes, gentios e ignorantes. A partir da perspectiva de análise que frisa a relação senhor-escravo, três pontos centrais foram analisados: a conversão dos africanos e, portanto, a importância do batismo e da instrução na Fé; o olhar do Santo Ofício acerca dos gentios, evidenciado a partir do Conselho Geral ou de sua prática; por fim, o arbítrio e poder dos senhores e inquisidores sobre a vida dos escravos.

Palavras-chave


Escravos. Gentios. Inquisição. Relação senhor-escravo. Batismo e instrução na Fé.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Carlos. “Habitantes desta negra Etópia, descendentes de Ham”: a maldição de Ham na literatura missionária sobre a região centro-ocidental do continente africano (sécs. XVI-XVII). Estudos Ibero-americanos, Porto Alegre, v.44. n.3, pp .409-420, 2018.

BETHENCOURT, Francisco. História das Inquisições: Portugal, Espanha e Itália (séculos XV – XIX). São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

______________________. O imaginário da magia: feiticeiras, adivinhos e curandeiros em Portugal no século XVI. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

CISNEROS, Gerardo L. Ignorancia invencible? Superstición e idolatria ante el Provisorato de índios y chinos del Arzobispado de México em el siglo XVIII. México: Universidad Nacional Autónoma de México, 2014.

FOUCAULT, Michel. O que é um autor? Tradução de António Fernando Cascais. Lisboa: Passagens, 2018.

FEITLER, Bruno. Teoria e prática na definição da jurisdição e da práxis inquisitorial portuguesa: da ‘prova’ como objeto de análise. In: ALGRANTI, Leila Mezan; MEGIANI, Ana Paula Torres. (org.). O Império por escrito: formas de transmissão da cultura letrada no mundo ibérico (séc. XVI – XIX). – São Paulo: Alameda, 2009.

FURTADO, Júnia Ferreira; RESENDE, Maria L. C. de. (org.). Travessias inquisitoriais das Minas Gerais aos cárceres do Santo Ofício: diálogos e trânsitos religiosos no Império luso-brasileiro (séculos XVI-XVIII). 1. Ed. Belo Horizonte: Fino Traço, 2013.

GRINBERG, Keila. Castigos físicos e legislação. In: SCHWARCZ, Lilian; GOMES, Flávio. (orgs.). Dicionário da escravidão e liberdade: 50 textos críticos. 1. Ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

HORTA, José. A representação do africano na literatura de viagens: do Senegal à Serra Leoa (1453 – 1508). Mare Liberum, n. 2, 1991.

___________. A Inquisição em Angola e Congo: o inquérito de 1596-98 e o papel mediador das justiças locais. História e Crítica. Lisboa, vol.2, 1988.

LAHON, Didier. Inquisição, pacto com o demônio e “magia” africana em Lisboa no século XVIII. Topoi, v. 5, n.8 2004, pp. 9 -70.

MARCOCCI, Giuseppe. A consciência de um Império: Portugal e o seu mundo (séculos XV – XVII). Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra, 2012.

MARCOCCI, Giuseppe. Escravos ameríndios e negros africanos: uma história conectada. Teorias e métodos de discriminação no Império português (ca 1450 – 1650). Revista Tempo, n. 30, 2010.

MARQUESE, Rafael de B. Feitores do corpo, missionários da mente: senhores, letrados e o controle dos escravos nas Américas, 1660-1860. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

MARCOCCI, Giuseppe; PAIVA, José Pedro. História da Inquisição portuguesa (1536 – 1821). Lisboa: A Esfera dos Livros, 2013.

MELLO, Evaldo Cabral de. Como manipular a Inquisição para mudar de senhor. Revista Novos Estudos - CEBRAP. N. 33. São Paulo, 1992. pp. 115 – 127.

MOTT, Luiz. Rosa Egipcíaca: uma Santa Africana no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Bertrand Brasil, 1993.

PAIVA, Eduardo F. Dar nome ao novo: uma história lexical da Ibero-América entre os séculos XVI e XVIII (as dinâmicas de mestiçagens e o mundo do trabalho). 1. Ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2015.

PAIVA, José Pedro. Bruxaria e superstição num país sem caça às bruxas (1600-1774). 2. Ed. Lisboa: Editorial Notícias, 2002.

PEREIRA, Ana Margarida S. Inquisição e Escravidão: reflexões em torno do Brasil colonial. (Rio de Janeiro, séculos XVII ˗ XVIII). Plurais: Revista Multidisciplinar da UNEB, v. 5, pp. 12 -29, 2014.

PIMENTEL, Maria do Rosário. Viagem ao fundo das consciências: a escravatura na época moderna. Lisboa: Edições Colibri, 1995.

PROSPERI, Adriano. Tribunais da Consciência: inquisidores, confessores, missionários. Tradução de Homero Freitas de Andrade. São Paulo: EDUSP, 2013.

PROSPERI, Adriano. Dizionario storico dell’Inquisizione. Vols. I, II e III. Pisa: Edizioni della Normale, 2010.

REIS, João José; SILVA, Eduardo. Negociação e conflito: a resistência negra no Brasil escravista. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

SAUNDERS, A. C. de C. M. História social dos escravos e libertos negros em Portugal (1441 – 1555). Lisboa: Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 1994.

SANTOS, Vanicléia S. As bolsas de mandinga no espaço atlântico: século XVIII. (Tese de doutorado). São Paulo: Universidade de São Paulo, 2008.

SILVA, Filipa Ribeiro da. A Inquisição em Cabo Verde e S. Tomé e Príncipe (1536 a 1821): contributo para o estudo da política do Santo Ofício nos territórios africanos. (Dissertação de mestrado). Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, 2002.

SWEET, James. Recriar África: cultura, parentesco e religião no mundo afro português (1441-1770). Lisboa: Edições 70, 2007

THORTON, John. A África e os africanos na formação do mundo Atlântico (1400-1800). Tradução de Marisa Rocha Mota. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.

ZERON, Carlos Alberto de M. R. Linha de Fé: a Companhia de Jesus e a escravidão no processo de formação da sociedade colonial (Brasil, séculos XVI e XVII). São Paulo: EDUSP, 2011.




DOI: https://doi.org/10.30612/rehr.v13i25.9632

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.