Por uma história das direitas

Fabrício Ferreira

Resumo


Alguns estudos indicaram o surgimento de “novas direitas” junto às redemocratizações latino-americanas da década de 1980. Ademais, a atual conjuntura de crise permitiu que as noções de direita e esquerda retomassem o debate público. Assim, por meio de uma revisão bibliográfica, busco identificar interpretações sobre esta temática e avaliar a operacionalidade analítica do conceito de direita. Argumento que as direitas são plurais ao nível ideológico e de atuação. Por fim, defendo que o estudo sobre as direitas é fundamental na explicação dos processos políticos observados no Brasil recente (pós-1985), especialmente no que tange ao combate às desigualdades socioeconômicas e a questões que atritam com valores cristãos conservadores, como o aborto e a diversidade de gênero.

Palavras-chave


Direitas. Interpretações. Processos políticos.

Texto completo:

PDF

Referências


ARAUJO, Octavio R. Derechas y ultraderechas en el mundo. México, D.F.: Siglo XXI Ed., 2004.

BARBOSA, Jefferson R. Skinheads chauvinistas: integralistas, os “carecas do subúrbio” e o nacional-socialismo brasileiro. In: PATSCHIKI, Marcos A. S.; _________________ (orgs.). Tempos conservadores: estudos críticos sobre as direitas. Goiânia: Edições Gárgula, 2016. p. 77-96.

BOBBIO, Norberto. Direita e esquerda: razões e significados de uma distinção política. Tradução Marco Aurélio Nogueira. São Paulo: Editora UNESP, 1995. [1994].

BORON, Atilio A. ¿Qué debemos entender por “derecha”? In: PALAU, Marielle (coord.). La ofensiva de las derechas en el Cono Sur. Assunção: Base IS, 2010. p. 13-20.

BOWEN, James David. The Right in “New Left” Latin America. Journal of Politics in Latin America, v. 3, n. 1, p. 99-124, 2011.

CAVALCANTE, Sávio. Classe média e conservadorismo liberal. In: VELASCO E CRUZ, S.; KAYSEL, A.; CODAS, G. (orgs.). Direita, volver!: o retorno da direita e o ciclo político brasileiro. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2015. p. 177-196.

CODATO, Adriano; BOLOGNESI, Bruno; ROEDER, K. M. A nova direita brasileira: uma análise da dinâmica partidária e eleitoral do campo conservador. In: VELASCO E CRUZ, S.; KAYSEL, A.; CODAS, G. (orgs.). Direita, volver!: o retorno da direita e o ciclo político brasileiro. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2015. p. 115-144.

FONTES, V. Velhas e remodeladas formas da direita no Brasil. In: PALAU, Marielle (coord.). La ofensiva de las derechas en el Cono Sur. Assunção: Base IS, 2010. p. 77-88.

GIORDANO, Verónica. ¿Qué hay de nuevo en las “nuevas derechas”? Nueva Sociedad, Buenos Aires, n. 254, p. 46-56, nov.-dez. 2014.

HINKELAMMERT, Franz J. Democracia y nueva derecha en América Latina. Nueva Sociedad, Buenos Aires, n. 98, p. 104-115, nov.-dez. 1988.

HOEVELER, Rejane. A direita transnacional em perspectiva histórica: o sentido da “nova direita” brasileira. In: DEMIER, Felipe; HOEVELER, Rejane (orgs.). A onda conservadora: ensaios sobre os atuais tempos sombrios no Brasil. Rio de Janeiro: Mauad, 2016. p. 77-92.

JIMÉNEZ, Edgar. La nueva derecha: Dilema de la política latinoamerica. Realidad, San Salvador, n. 5, p. 401-412, sep.-oct. 1988.

KONDER, Leandro. Unidade da direita, Jornal da República, São Paulo, 20 de set. de 1979, p. 4.

KOREN, Jonas C. Ministério Silas Malafaia: evangelizando à direita (2000-2013). Dissertação (Mestrado em História), Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Estadual do Oeste do Paraná (PPGH-UNIOESTE), Marechal Cândido Rondon, 2016.

MAIA, Eduardo L. C. Religião e Política: o fenômeno evangélico. Dissertação (Mestrado em Sociologia Política), Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política, Universidade Federal de Santa Catarina (PPGSP-UFSC), Florianópolis, 2006.

MELO, Demian. A direita ganha as ruas: elementos para um estudo das raízes ideológicas da direita brasileira. In: DEMIER, Felipe; HOEVELER, Rejane (orgs.). A onda conservadora: ensaios sobre os atuais tempos sombrios no Brasil. Rio de Janeiro: Mauad, 2016. p. 67-76.

MENDES, R. A. S. Novas direitas e velhos discursos? In: SCHUSTER, Karl [et al.]. Velhas e novas direitas: a atualidade de uma polêmica. Recife EDUPE, Editora da Universidade de Pernambuco, 2014. p. 148-160.

MENDES, R. A. S. Visões das direitas no Brasil (1961-1965). Tese (Doutorado em História Moderna e Contemporânea), Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal Fluminense (PPGH-UFF), Niterói, 2003.

PENNA, F. A. O Escola sem Partido como chave de leitura do fenômeno educacional. In: FRIGOTO, Gaudêncio (org.). Escola “sem” partido: esfinge que ameaça a educação e a sociedade brasileira. Rio de Janeiro: UERJ, LPP, 2017. p. 35-48.

PENNA, F. A. O ódio aos professores. In: AÇÃO EDUCATIVA ASSESSORIA, PESQUISA E INFORMAÇÃO (org.). A ideologia do movimento Escola Sem Partido: 20 autores desmontam o discurso. São Paulo: Ação Educativa, 2016. p. 93-100.

ROCHA, Camila. Direitas em rede: think tanks de direita na América Latina. In: VELASCO E CRUZ, S.; KAYSEL, A.; CODAS, G. (orgs.). Direita, volver!: o retorno da direita e o ciclo político brasileiro. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2015. p. 261-278.

ROEDER, K. M. Existe uma nova direita no Brasil? Uma proposta de classificação e análise de seu perfil social. Anais do X Encontro da Associação Brasileira de Ciência Política, Belo Horizonte, 2016.

ROMERO, Jose L. El pensamiento político de la derecha latinoamericana. Buenos Aires: Paidos, 1970.

SANTOS, E. H. J. Extrema Direita, volver! – Memória, ideologia e política dos grupos formados por civis e a reserva militar. Dissertação (Mestrado em Ciência Política), Programa de Pós-Graduação em Ciência Política, Universidade Federal Fluminense (PPGCP-UFF), Niterói, 2009.

TREVISAN, J. B. A atuação política pentecostal em confronto com o movimento LGBT no Brasil redemocratizado. Tese (Doutorado em Ciências Sociais), Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PPGCS-PUC-RS), Porto Alegre, 2015.

URBINATI, Nadia. O que torna a representação democrática? Lua Nova, São Paulo, n. 67, p. 191-228, 2006.

VILLAZÓN, J. C. Velhas e novas direitas religiosas na América Latina: os evangélicos como fator político. In: VELASCO E CRUZ, S.; KAYSEL, A.; CODAS, G. (orgs.). Direita, volver!: o retorno da direita e o ciclo político brasileiro. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2015. p. 163-175.




DOI: https://doi.org/10.30612/rehr.v12i24.8099

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.