Índias, pretas e donas na mesma trama: interdependência e hierarquia social no Brasil colonial (Viamão, 1747-1759)

Israel Silva Aquino

Resumo


Este artigo é fruto de uma pesquisa de mestrado em História em andamento na Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Propõe-se a estudar a formação de redes de compadrio na freguesia de Viamão no período colonial, com o objetivo de investigar a utilização do compadrio como estratégia de atuação e reprodução social naquela sociedade. A partir de um recorte que reuniu 31 registros de batismos, cujas mães eram mulheres em situação de cativeiro – negras e índias, escravas ou administradas - buscamos analisar como eram formadas suas redes relacionais e de que forma o compadrio era utilizado por estas mulheres. Para tanto, utilizamos registros de batismo, a fim de promover o mapeamento de tais redes, além de recorrer às ferramentas conceituais da metodologia da análise de redes sociais para fins de interpretação e análise dos resultados.

Palavras-chave


Analise de Redes Sociais. Compadrio. Hierarquia Social.

Texto completo:

PDF

Referências


BARNES, J. Clase y comités en una comunidad isleña Noruega. In: SANTOS, F. R. (org.). Análisis de redes sociales: orígenes, teorías y aplicaciones.

Madrid: Centro de Investigaciones sociológicas, 2003. p. 121-146.

BERTRAND, Michel. De la familia a la red de sociabilidad. Escuela de Historia. Rosário: UNR, n. 6, p. 47-80, 2012. Disponível em: . Acesso em 06/04/2018.

BRUGGER, Silvia M. J. Minas Patriarcal: família e sociedade, São João del Rei, séculos XVIII e XIX. São Paulo: Annablume, 2007.

ENGEMANN, Carlos. Da comunidade escrava e suas possibilidades. In: FLORENTINO, Manolo (Org). Tráfico, cativeiro e liberdade: Rio de Janeiro, séculos XVII-XIX. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005. p. 169-206.

FARINATTI, Luís Augusto Ebling; VARGAS, Jonas Moreira. Elites regionais, guerra e compadrio: a família Ribeiro de Almeida e suas redes de relações (Rio Grande do Sul, c. 1816-c. 1844). Topoi, Rio de Janeiro: UFRJ, v. 15, n. 29, p. 389-413, 2014. Disponível em: . Acesso em 06/04/2018.

FRAGOSO, João. A Economia do bem comum e a formação da elite senhorial do Rio de Janeiro no Império Português (século XVI e XVII). Dimensões, Vitória: UFES, v. 13, p. 14-27, 2001.

FRAGOSO, João. A nobreza da República: notas sobre a formação da primeira elite senhorial do Rio de Janeiro (séculos XVI e XVII). Topoi, Rio de Janeiro: UFRJ, v. 1, n. 1, p. 45-122, 2000.

FRAGOSO, João. Capitão Manuel Pimenta Sampaio, senhor do engenho do Rio Grande, neto de conquistadores e compadre de João Soares, pardo: notas sobre uma hierarquia social costumeira (Rio de Janeiro, 1700-1760). In: FRAGOSO, João, e GOUVEIA, Maria de Fátima. Na Trama das Redes: política e negócios no império português, séculos XVI-XVIII. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010. p. 244-294.

FRAGOSO, João. Efigênia Angola, Francisca Muniz forra parda, seus parceiros e senhores: freguesias rurais do Rio de Janeiro, século XVIII. Uma contribuição metodológica para a história colonial. Topoi, Rio de Janeiro: UFRJ, v. 11, n. 21, p. 74-106, 2010. Disponível em: . Acesso em 06/04/2018.

FREEMAN, Linton C. Social Nenvorks and the Strucure Experiment. In: Freeman, L.C.; White, D.R.; Romney, A.K. Research Methods in Social Network Analysis. (USA) New Brunswick, Londres: Transaction Publishers, 1992. p. 1-40.

FIORAVANTE, Fernanda. Considerações acerca da Análise de Rede Social nas sociedades de Antigo Regima. Revista de Teoria da História, Goiânia: UFG, n. 10, p. 221-240, 2013.

GRANOVETTER, M. The strength of weak ties. In: CROSS, R.; PARKER, A.; SASSON, L (Orgs). Networks in the knowledge economy, Oxford: University Press, 2003. p. 109-129.

HANNEMAN, Robert A. Introducción a los métodos del Análises de Redes Sociales. Revista Redes, Barcelona: UAB, 2000. Disponível em: . Acesso em 06/04/2018.

HAMEISTER, Martha D. No princípio era o caos: a formação de um povoado na fronteira americana dos Impérios Ibéricos através do estudo das relações de compadrio. Revista de História Regional, Ponta Grossa: UEPG, v. 15, p. 95-128,2010. Disponível em: . Acesso em 06/04/2016.

HAMEISTER, Martha D. Para dar calor à nova povoação: estudo sobre estratégias sociais e familiares a partir dos registros batismais da vila do Rio Grande (1738-1763). Rio de Janeiro: UFRJ, PPG em História Social (Tese de Doutorado). 2006.

HESPANHA, António M. A mobilidade social na sociedade de Antigo Regime. Tempo, Niterói: UFF, v. 11, n. 21, p. 121-143, 2006. Disponível em: https://goo.gl/z81NwK. Acesso em 06/04/2018.

HESPANHA, Antônio M. Carne de uma só carne: para uma compreensão dos fundamentos histórico-antropológicos da família na época moderna. Análise Social, Lisboa: ICS-UL, v. 27, p. 951-973, 1993. Disponível em: https://goo.gl/7YQdtU. Acesso em 06/04/2018.

IMIZCOZ BEUNZA, José María. Comunidda, red social y élites: un análisis de la vertebración social em el Antiguo Régimen. In: _____. Elites, poder e red social: las élites des País Vaco y Navarra em la Edad Moderna. Bilbao: Universidad del País Vaco, 1996.

KÜHN, Fabio. Gente da Fronteira: família, sociedade e poder no sul da América Portuguesa – século XVIII. Niterói: UFF, PPG em História (Tese de Doutorado), 2006.

LEMERCIER, Claire. Formal network methods in history: why and how? Social Networks, Political Institutions, and Rural Societies, Brepols: CSO, p.281-310, 2015.

LEVI, Giovanni. Reciprocidade Mediterrânea. In: OLIVEIRA, Mônica; ALMEIDA, Carla. Exercícios de micro-história. Rio de Janeiro: FGV, 2012. p. 51-86.

MATHIAS, Carlos. Análise de Rede Social. Interthesis, Florianópolis: UFSC, v. 11, n. 1, p. 131-146, 2014. Disponível em: < https://goo.gl/azTSEk>. Acesso em 06/04/2018.

MAUSS, Marcel. Essai sur le don forme et raison de l'échange dans les sociétés archaïques. L’Année sociologique, v. 1, 1923. p. 30-186. Disponível em: . Acesso em 06/04/2018

MITCHELL, J. C. Social networks. Annual review of anthropology, v. 3, p. 279-299, 1974.

MONTEIRO, John Manuel. Negros da Terra: índios e bandeirantes nas origens de São Paulo. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

PANDOLFI, F. C. ; BUENO, N. P. Análise de redes sociais em História: noções básicas e sugestões de aplicação. Anais do XIX Encontro Regional de História: Profissão Historiador: formação e mercado de trabalho. Juiz de Fora: UFMG, 2014. Disponível em: . Acesso em 06/04/2018.

PONCE LEIVA, Pilar; AMADORI, Arrigo. Redes sociales y ejercicio del poder en la América Hispana: consideraciones teóricas y propuestas de análisis. Revista Complutense de Historia da America, Madrid: UC, v. 34, p. 15-42. Disponível em: < https://goo.gl/susM7Z>. Acesso em 06/04/2018.

RAMOS, Donald. Teias sagradas e profanas: o lugar do batismo e compadrio na sociedade de Vila Rica durante o século do ouro. Varia Historia, Belo Horizonte: UFMG, n. 31, p. 41-68, 2004. Disponível em: . Acesso em 06/04/2018.

VAINFAS, Ronaldo. Dicionário do Brasil colonial, 1500-1808. Editora Objetiva, 2000. Verbete: Compadrio, p. 126-127.

VENÂNCIO, Renato; SOUSA, Maria José; PEREIRA, Maria Teresa. O Compadre Governador: redes de compadrio em Vila Rica de fins do século XVIII. Revista Brasileira de História. São Paulo, v. 26, n. 52, p. 273-294, 2006. Disponível em: . Acesso em 06/04/2016.

XAVIER, Ângela Barreto; HESPANHA, Antonio Manuel. As redes clientelares. In. MATTOSO, José (Org.). História de Portugal – O Antigo Regima. v. 4, p. 339-349, 1998.

WASSERMAN, Stanley; FAUST, Katherine. Social Network Analysis: methods and applications. Cambridge: Cambridge University Press, 1994.




DOI: https://doi.org/10.30612/rehr.v12i23.7882

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.