Tutela, chefia e poder: uma análise da política indigenista do serviço de proteção aos índios através da atuação de Francisco Vieira no posto indígena Nonoai (RS) - (1941-1956)

Sandor Fernando Bringmann

Resumo


Representantes locais de um poder estabelecido para classificar, controlar, qualificar e integrar as populações indígenas às sociedades e às economias regionais, os chefes de Posto eram os responsáveis pela aplicação das orientações e encaminhamentos do Serviço de Proteção aos Índios nos Postos Indígenas espalhados pelo território brasileiro. No presente artigo, busca-se destacar a atuação indigenista de Francisco José Vieira dos Santos (Francisco Vieira) no contexto do Posto Indígena Nonoai (RS), refletindo sobre a forma com que o mesmo buscava se construir enquanto símbolo de um poder estabelecido para controlar e vigiar e, ao mesmo tempo, identificar como os indígenas (Kaingang), através de suas memórias, reconstroem o tutor e suas táticas de poder tutelar.

Palavras-chave


Chefe de Posto. Políticas Indigenistas. Francisco Vieira.

Texto completo:

PDF


Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.