Experiências de pesquisa: reflexões sobre o MST e a construção de representações sobre os presidentes brasileiros (1984-2006)

Fabiano Coelho

Resumo


Desde sua criação, em 1984, o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) esteve presente e atuante em diversos momentos da história do Brasil, como no final da Ditadura Militar, no processo de “abertura política” do país e na consolidação das eleições diretas para presidente, a partir de 1989. Nesse período, o Movimento se projetou como oposição e resistência aos presidentes, representando-os como conservadores, elitistas e “inimigos” da reforma agrária. Nesta perspectiva, pretende-se discutir algumas reflexões iniciais de pesquisa sobre as representações do MST face aos presidentes brasileiros, entre os anos de 1984 e 2006, sendo eles de José Sarney, Fernando Collor de Mello, Itamar Franco, Fernando Henrique Cardoso, e Luiz Inácio Lula da Silva, por meio do Jornal Sem Terra. Destaca-se também a importância deste jornal como um instrumento político, utilizado pelo MST para elaborar e publicizar representações sobre os presidentes no período delimitado.

Palavras-chave


MST. Presidentes brasileiros. Representação. Jornal Sem Terra.

Texto completo:

PDF


Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.