O regime pluviométrico no extremo sul de Mato Grosso do Sul entre os anos de 1976 – 2015

Gabriel Luís de Farias, André Geraldo Berezuk

Resumo


Compreender o regime pluviométrico é de suma importância no entendimento das dinâmicas climáticas. Seguindo este princípio, o objetivo deste trabalho é conhecer os principais aspectos do regime pluviométrico das Unidades de Planejamento e Gerenciamento do Amambai e do Iguatemi, Mato Grosso do Sul - Brasil, entre 1976 e 2015. De acordo com a metodologia de estudo (tabulação dos dados de oito estações pluviométricas e utilização de estatística básica, como a utilização do desvio padrão e das retas de tendência), realizou-se uma análise destes dados pluviométricos, distribuídos pelo extremo sul de MS. Os resultados obtidos mostraram a presença de uma estação chuvosa, que se estende entre os meses de outubro e maio e uma estação seca que se estende entre os meses de junho e setembro. Em uma análise referente às tendências pluviométricas da área de estudos, notou-se uma diminuição nos totais pluviométricos médios na estação sazonal da primavera na ordem dos 4% durante toda a série temporal. Foi constatado também, um aumento do volume das chuvas na área de estudo, ao longo destes 40 anos, e uma provável área de maior ocorrência de chuvas, no setor ocidental da bacia, que nomeamos como uma “ilha pluviométrica”.

Palavras-chave


Regime Pluviométrico. Retas de tendência. UPG Amambai. UPG Iguatemi. Mato Grosso do Sul.

Texto completo:

PDF

Referências


AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS. Sistema Hidroweb. Disponível em: - acesso em 2017.

AYOADE, J. O. Introdução a Climatologia para os trópicos. 3ª ed. São Paulo: Bertrand Brasil, 1991. 332p. (tradução Professora Maria Juraci Zani dos Santos).

BEREZUK, A. G., GARCIA, M. R. Estudo de tendências do ritmo pluviométrico da bacia hidrográfica do Rio Pardo-MS. In: Revista Brasileira de Climatologia, 2011. p. 07 - 20

BEREZUK, A. G.; CESCON, M. Análise das Tendências do Ritmo Pluviométrico na Bacia Hidrográfica do Amambai – MS/Brasil. In: SILVA, C. A.; FIALHO, E. S.; STEINKE, E. T. Experimentos em Climatologia Geográfica. Editora da Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados – MS, Brasil. 2014. p. 325 - 340.

BEREZUK, A. G. Análise das Adversidades Climáticas no Oeste Paulista e Norte do Paraná. Presidente Prudente - SP: Universidade Estadual Paulista/ Faculdade de Ciências e Tecnologia, 2007. 379 p.

FARIAS, G.L. O Regime E As Tendências Pluviométricas Nas Unidades de Planejamento do Amambai E Iguatemi/Ms – Brasil. 2017. 129 p. Monografia (Graduação – Geografia) - Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados, MS.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. IBGE Mapas. Disponível em: - Acesso em 12 de agosto de 2016.

MATO GROSSO DO SUL. Zoneamento Ecológico-Econômico de Mato Grosso do Sul: Contribuições técnicas, teóricas, jurídicas e metodológicas. Volume 1. 2009b.

MONTEIRO, C. A. F. Da Necessidade de um Caráter Genético à Classificação Climática (Algumas Considerações Metodológicas a Propósito do Estudo do Brasil Meridional). Revista Geográfica. Rio de Janeiro, v. 31, n. 57, 1962.

SOUZA, E. C. A. M. Regime pluviométrico na bacia hidrográfica do rio Ivinhema-MS no período de 1977 a 2006. 2013. 190 p. Dissertação (Geografia - Mestrado) - Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados, MS.

ZAVATTINI, J. A. O Paradigma da Análise Rítmica e a Climatologia Geográfica Brasileira. Revista Geografia, Rio Claro, v. 25, n. 3, p. 25-43, 2000.

ZAVATTINI, J. A. As chuvas e as massas de ar no estado de Mato Grosso do Sul: estudo geográfico com vista a regionalização climática. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2009.




DOI: https://doi.org/10.30612/el.v9i17.8314

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.