Análise da fragilidade ambiental do litoral médio do Rio Grande do Sul a partir da sua configuração geológica e geomorfológica com o uso de geotecnologias

Paulo Roberto Fitz

Resumo


O presente estudo enfocou dois componentes de relevante importância para a confecção do futuro ZEE – Zoneamento Ecológico Econômico a ser confeccionado pela SEMA – Secretaria do Meio Ambiente do Rio Grande do Sul: a geologia e a geomorfologia da região do Litoral Médio do Estado do Rio Grande do Sul. Neste sentido, foram investigadas suas configurações na área para a realização de um diagnóstico de restrições e potencialidades de uso de seus recursos naturais. O trabalho baseou-se no conceito de fragilidade ambiental proposto por Jurandyr Ross (1994), isto é, na concepção de que a natureza possui uma funcionalidade própria devido aos seus componentes físicos e bióticos. A metodologia proposta pelo autor foi adaptada de acordo com os materiais disponíveis: cartas topográficas, mapas de geologia e de geomorfologia e imagens de satélite. Os mapas foram vetorizados e, posteriormente, foram convertidos para o formato matricial em ambiente SIG para a geração de mapas de fragilidade ambiental em termos de geologia e de geomofologia. Os produtos obtidos mostraram que muitas áreas apresentam certo grau de fragilidade ambiental, em termos de limitação de uso, conforme a geologia e a geomorfologia existente.

Palavras-chave


Geoprocessamento. SIG. Diagnóstico ambiental. Vulnerabilidade ambiental. ZEE.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Ministério de Minas e Energia. Zoneamento Ecológico-Econômico da Região Central do Estado de Roraima. Brasília (DF), 2002. Disponível em: . Acesso em: 20 set. 2013.

CALLIARI, Lauro; TOLDO JÚNIOR, Elírio E.; NICOLODI, João L. Classificação Geomorfológica. In: MUEHE, Dieter (Org.). Erosão e Progradação do Litoral Brasileiro – Rio Grande do Sul. Brasília: MMA, 2006. Disponível em: . Acesso: 16 ago. 2013.

CLARK UNIVERSITY. Idrisi Taiga. Clark Labs, 2009. (Conjunto de programas).

______. Carta Linx. Worcester, MA, USA:, Clark Labs, 1998. (Conjunto de programas).

(DNPM). Sistema de Informações Geográficas da Mineração (SIGMINE). Disponível em: . Acesso em: 17 nov. 2013.

EASTMAN, Ronald J. Idrisi. Taiga – guide to GIS and Image Processing. Worcester, MA, USA: Clark Labs: Clark University, 2009.

ENVIRONMENTAL SYSTEMS RESEARCH INSTITUTE (ESRI). Ar cGIS 10.1. Redlands (CA): Esri, 2014. (Conjunto de programas.)

GOOGLE. Google Earth Pro. 2013. Disponível em:Acesso em: 11/05/2013.

HASENACK, Heinrich; WEBER, Eliseu (Org.). Base Cartográfica Vetorial Contínua do Rio Grande do Sul (escala 1:50.000). Porto Alegre: Centro de Ecologia UFRGS, 2010.

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE). Imagens Landsat 2011. São Paulo, 2014.Disponível em: Acesso: 10 maio 2013.

LOVELOCK, James. The Evolving Gaia Theory. Tokyo: United Nations University, 1992. Disponível em . Acesso: 29 maio 2018.

MACHADO, José Luiz Flores; FACCINI, Ubiratan F. Influência dos Falhamentos Regionais na Estruturação do Sistema Aquífero Guarani no Estado do Rio Grande do Sul. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS, 13., 2004, São Paulo. (Suplemento) Disponível em . Acesso em: 10 out. 2013.

ROSS, Jurandyr L. S. Análise Empírica da Fragilidade dos Ambientes Naturais e Antropizados. Revista do Departamento de Geografia, São Paulo, n. 8, pp. 63-74, 1994.

SEELIGER, Ulrich; COSTA, César Serra Bonifácio.As dunas costeiras adjacentes ao estuário. In: ______.; ODEBRECHT, Clarisse. (Eds.). O Estuário da Lagoa dos Patos: um século de transformações. Rio Grande: Furg, 2010. pp. 137-143.

TRICART, Jean. Ecodinâmica. Rio de Janeiro: IBGE/SUPREN, 1977.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.