A variabilidade da precipitação pluvial entre 1945 e 2016 em Rancharia (SP) e as relações do excedente hídrico em anos chuvosos com os impactos na drenagem urbana

Alyson Bueno Francisco

Resumo


Este artigo possui como objetivo apresentar uma análise dos impactos na drenagem urbana provocados por excedentes hídricos apresentados em anos chuvosos com destaque para os períodos com influência do fenômeno ENOS (Oscilação Sul). O texto apresenta os resultados da metodologia empírica de Thornthwaite (1948) nos anos de 1972, 1983, 2009 e 2015, sendo este último período marcado pelo desenvolvimento de erosão remontante em Rancharia (SP). Os índices de excedente hídrico são importantes na aplicação em Climatologia para as análises relacionadas ao escoamento superficial em áreas urbanas e planejamento da drenagem urbano na escala municipal.

Palavras-chave


Variabilidade. Drenagem urbana. Excedente hídrico.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE, M. G.; CAMPOS, M. N.; MOREAU, M. S. Caracterização ambiental e socioeconômica da bacia hidrográfica do rio Santana. Revista Brasileira de Geografia Física. v.4, pp. 805-819, 2011.

BRASIL. LEI No 12.305, DE 2 DE AGOSTO DE 2010. Institui a política nacional de resíduos sólidos e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-010/2010/lei/l12305.htm. Acesso em 3 out. 2018.

BRASIL. LEI No 12.651, DE 25 DE MAIO DE 2012. Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-014/2012/lei/l12651.htm. Acesso em: 10 jul. 2018

BRASIL. Ministério das Cidades. Plano Nacional de Saneamento Básico. 220p. 2014.

BRASIL. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Indicadores de Desenvolvimento Sustentável. 443p. 2015.

CARVALHO, R. G.; KELTING, F. M. S.; SILVA, E. V. Indicadores socioeconômicos e gestão ambiental nos municípios da bacia hidrográfica do rio Apodi-Mossoró, RN. Sociedade & Natureza, v. 23, n. 1, p.143-159, 2011.

CORIPA. Consórcio intermunicipal da APA da bacia do rio Iguatemi. Plano de manejo área de proteção ambiental da bacia do rio Iguatemi. Idéia Ambiental Instituto de Pesquisa e Conservação da Natureza. 2008.

DNPM. Departamento Nacional de Produção Mineral. Anuário Mineral Brasileiro. v.35, 871 p. 2010.

FERNANDES, M. F.; BARBOSA, M. P. Aplicações de indicadores socioeconômicos e ambientais no modelo DPSIR (Força Motriz / Pressão / Estado / Impacto / Resposta) e influências na desertificação nos municípios de Araripina-PI, Crato e Barbalha-CE e Marcolândia-PI. Revista Brasileira de Geografia Física. v. 4, pp. 722-737, 2011.

IBGE. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Brasil em síntese. Disponível em: https://brasilemsintese.ibge.gov.br. Acesso em: 9 jul. 2018.

IPEA. INSTITUTO PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil. Disponível em: http://www.atlasbrasil.org.br/2013/pt/o_atlas/o_atlas_/ Acesso em: 12 jul.2018.

JANNUZZI, P. M. Indicadores socioeconômicos na gestão pública. Florianópolis: Departamento de Ciências da Administração/UFSC, 2012.

LA SERNA, H. A., RECUERO, J. C., REZENDE, M. M., CAVALCANTI, V. M. M. Agregados para Construção Civil. Disponível em http://www.dnpm.gov.br/assets/galeria-Documento/SumarioMineral2008/Agregados.pdf. Acesso em: 18 abr. 2010.

LIMA, V. M. A. Índice de desenvolvimento socioeconômico dos municípios sulmatogrossenses. Londrina. Universidade Estadual de Londrina, 2014. 97p. Dissertação. Economia Regional.

MATO GROSSO DO SUL. Secretaria de Estado de Meio Ambiente, do Planejamento, da Ciência e Tecnologia. Plano Regional de Desenvolvimento Sustentável – Região Leste. 112p., 2003.

MATO GROSSO DO SUL. Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Econômico. Diagnóstico Socioeconômico de Mato Grosso do Sul 134 p. 2015.

MATO GROSSO DO SUL. Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Econômico. Perfi l Estatístico de Mato Grosso do Sul 2015: Ano base: 2015. 109 p. 2016.

MATO GROSSO DO SUL. Zoneamento Ecológico-Econômico do Mato Grosso do Sul – Primeira Aproximação. 311p. 2008.

MICHELS, I. Piscicultura. Campo Grande. Ed. UFMS. 177p. 2003

MORAES, A. R. Indicadores para a caracterização de serviços ambientais de áreas úmidas. Estudo de caso: a Área de Proteção Ambiental das Ilhas e Várzeas do rio Paraná. Brasília. Universidade de Brasília, 2011. 180p. Tese. Tecnologia Ambiental e Recursos Hídricos.

NIEMEIJER, D.; DE GROOT, R. S. A conceptual framework for selecting environmental indicator sets. Ecological Indicators, v. 8, pp.14-25, 2008.

ORSI, R. A. Reflexões sobre o desenvolvimento e a sustentabilidade: o que o IDH e o IDHm podem nos mostrar? Rio Claro. Universidade Estadual Paulista, 2009. 169p. Tese. Instituto de geociências e Ciências Exatas.

RUFINO, I. A. A., SILVA, S. T. Análise das relações entre dinâmica populacional, clima e vetores de mudança no semiárido brasileiro: Uma abordagem metodológica. Bol. Ciênc. Geod, v. 23, n. 1, pp.166 – 181, 2017.

SANESUL. EMPRESA DE SANEAMENTO DO MATO GROSSO DO SUL. Disponível em: http://www.sanesul.ms.gov.br/locais-atendidos-etas. Acesso em: 12 jul.2018.

SANTOS, R. F. Planejamento ambiental: teoria e prática. São Paulo: Ed. Oficina dos Textos, 2004.

TURETTA, A. P. D., CASTRO, S. S., POLIDORO, J. C., Solos, sustentabilidade e provisão de serviços ecossistêmicos. Boletim Informativo da SBCS. v. 43, n.2, pp.26-30, 2017.




DOI: https://doi.org/10.30612/el.v9i17.7630

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.