A FORMAÇÃO TERRITORIAL E A CONSOLIDAÇÃO DAS FRONTEIRAS SUL MATO-GROSSENSES: RACIONALIZAÇÃO E INTEGRAÇÃO NA PRODUÇÃO DOS TERRITÓRIOS FRONTEIRIÇOS

Carvalho Rodrigues Carvalho

Resumo


Resumo: Em decorrência de nossas pesquisas, trabalhos e reflexões realizadas no Laboratório de Pesquisa e Planejamento (LAPLAN), vinculado ao curso de Geografia da Faculdade de Ciências Humanas (FCH) da UFGD, e da pesquisa para obtenção do título de Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Geografia (UFGD), foi produzido este artigo cujo objetivo é aprofundar o debate sobre o polissêmico significado conceitual da fronteira. A investigação se realizou pela análise do processo de formação territorial brasileiro e o papel da fronteira na construção dos espaços de soberania nacional. O conceito de fronteira foi flexibilizado e ampliado como conteúdo e significação dos movimentos de produção dos territórios, nas dimensões políticas, econômicas e culturais, na realização do projeto de integração nacional, construída a partir da unidade territorial do Estado brasileiro. Essa abertura possibilitou pensar a fronteira como fenômeno territorial: um território de emergência do poder estatal e do planejamento territorial, que tem no significado de sua compreensão/racionalização, a virtualidade de seu uso como território da ação/intervenção estatal.    

Palavras-chave: fronteira; território; Estado-nação; integração/racionalização; planejamento.




DOI: https://doi.org/10.30612/el.v2i3.1006

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.