Políticas educacionais e educação intercultural: implicações sobre os currículos escolares e construção de identidades descolonizadas

Filomena Lucia Gossler Rodrigues da Silva, Sonia Regina de Souza Fernandes, Sadi José Rodrigues da Silva

Resumo


A observação de uma crescente sensibilização quanto à necessidade de realizarmos práticas pedagógicas interculturais para uma educação mais inclusiva com relação aos grupos historicamente subalternizados motivou-nos a reflexão neste artigo. Nos textos das políticas educacionais, especialmente aqueles produzidos a partir de discussões ocorridas na segunda metade da primeira década e primeira metade da segunda década dos anos 2000, verificamos avanços das perspectivas interculturais e inclusivas. É nesse contexto que se situa este trabalho. Seu objetivo é, a partir da análise das Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para a Educação Básica (Resolução CNE/CEB n.º 4/2010), Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio (Resolução CNE/CEB n.º 2/2012) e das Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Profissional Técnica de Nível Médio (Resolução CNE/CEB n.º 6/2012), refletir sobre a potencialidade de essas legislações subsidiarem a elaboração de currículos e o desenvolvimento de práticas interculturais e inclusivas. Espera-se, ainda, que esses documentos impactem a construção de identidades descolonizadas, tanto de professores quanto de estudantes, de forma a contribuir para uma formação emancipatória dos sujeitos do processo educativo.

 


Palavras-chave


Políticas educacionais. Educação intercultural. Identidades descolonizadas.

Texto completo:

PDF

Referências


AFONSO, A. J. Autonomia das escolas. Revista Inovação do Instituto de Inovação Educacional, v. 12, n. 3, p. 121-137, 1999.

APPLE, M.; BEANE, J. (Org.). Escolas democráticas. São Paulo: Cortez, 1997.

APPLE, M. W. Ideologia e Currículo. 3. Ed. Porto Alegre: Artmed, 2006.

BRASIL. Resolução n.º 4, de 13 de julho de 2010. Define Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para a Educação Básica. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/rceb004_10.pdf. Acesso em: 20 nov. 2017.

BRASIL. CNE/CEB. Resolução n.º 2, de 30 de janeiro de 2012a. Define Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=17417&Itemid=866. Acesso em: 13 nov. 2017.

BRASIL. CNE/CEB. Resolução n.º 6, de 20 de setembro de 2012b. Define Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Profissional Técnica de Nível Médio. Disponível em: . Acesso em: 10 nov. 2017.

BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica. Brasília: MEC, SEB, DICEI, 2013.

CANDAU, V. M. F. Cotidiano escolar e práticas interculturais. Cadernos de Pesquisa, v. 46. n. 161, p. 802-820, jul.-set. 2016.

CONTRERAS, J. A autonomia de professores. São Paulo: Cortez, 2002.

COPPETE, M. C.; FLEURI, R. M.; STOLTZ, T. Educação para a diversidade numa perspectiva intercultural. Revista Pedagógica, Unochapecó, ano 15, v. 1, n. 28, jan.-jun. 2012.

FERNANDES, S. R. S. Projetos educativos escolares e práticas alfabetizadoras emancipatórias: os contributos da Escola da Ponte de Portugal. Curitiba: CRV, 2016.

FLEURI, R. M. Intercultura e educação. Revista Brasileira de Educação, n. 23, maio-ago. 2003.

FLEURI, R. M.; COPPETE, M. C.; AZIBEIRO, N. E. In: OLIVEIRA, Lilian B. et al. (Org.). Culturas e diversidade religiosa na América Latina. Pesquisas e Perspectivas Pedagógicas. Blumenau: Editora Edifurb, 2009.

LANDER, E. (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latinoamericanas. Buenos Aires: Clacso, 2005. Disponível em: http://bibliotecavirtual.clacso.org.ar/. Acesso em: 20 jan. 2018.

LAWN, M. Os professores e a fabricação de identidades. In: Currículo sem Fronteiras, v. 1, n. 2, p. 117-130, jul./dez. 2001. Disponível em: http://www.curriculosemfronteiras.org/vol1iss2articles/lawn.htm. Acesso em: 12 dez. 2017.

MIGNOLO, W. D. Desobediência epistêmica: a opção descolonial e o significado de identidade em política. Cadernos de Letras da UFF – Dossiê: Literatura, língua e identidade, n. 34, p. 287-324, 2008.

SANTOMÉ, J. T. Currículo escolar e justiça social: o cavalo de Troia da educação. Porto Alegre: Penso, 2013.

SILVA, F. L. G. R. Identidade profissional dos professores da educação profissional técnica de nível médio no Brasil e em Santa Catarina: desafios para a sua formação. 2014. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis.

SILVA, M. R.; COLONTONIO, E. M. As Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio e as proposições sobre trabalho, ciência, tecnologia e cultura reflexões necessárias. Revista Brasileira de Educação, v. 19, n. 58, p. 611-628, jul.-set. 2014.

WALSH, C. Interculturalidad crítica y pedagogia de-colonial: apuestas (des)de el in-surgir re-existir y re-vivir. 2012. Disponível em: http://www.antropologias.org/rpc/files/downloads/2010/09/Catherine-Walsh-Interculturalidad-cr%C3%ADtica-y-pedagog%C3%ADa-de-colonial.pdf. Acesso em: 10 nov. 2017.




DOI: https://doi.org/10.30612/eduf.v8i22.9706

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.