O influxo das políticas de avaliação sobre o trabalho docente

Rogéria Moreira Rezende Isobe, Valéria Moreira Rezende, Lúcia de Fátima Valente

Resumo


O artigo apresenta resultados de investigação que analisa as percepções dos professores sobre as políticas de avaliação sistêmica e a incidência dessas avaliações nos currículos escolares. O estudo qualitativo foi realizado em uma escola estadual da rede pública de Minas Gerais que obteve baixo desempenho no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica – Ideb. Os dados foram coletados por meio de entrevista semiestruturada realizada com docentes que atuam no 5º ano do ensino fundamental. Os resultados corroboram a hipótese sobre os impactos negativos das avaliações sistêmicas no âmbito de uma política de resultados que restringe a autonomia da escola e do professor e submete a organização do currículo aos moldes de uma matriz de referência descontextualizada da realidade da escola.


Palavras-chave


Trabalho docente. Avaliações sistêmicas. Políticas educacionais.

Texto completo:

PDF

Referências


AFONSO, A. J. Estado, Mercado, Comunidade e Avaliação: Esboço para uma rearticulação crítica. Educ. Soc., ano XX, nº 69, p. 139-164, Dezembro/99.

AFONSO, A. J. Avaliação educacional: Regulação e emancipação: Para uma sociologia das políticas avaliativas contemporâneas. São Paulo: Cortez, 2009.

AFONSO, A. J. Para uma conceitualização alternativa de accountability em educação. Educ. Soc., Campinas, v. 33, n. 119, p. 471-484, abr.-jun. 2012.

AFONSO, A. J. Questões, objetos e perspectivas de Avaliação. Avaliação, Campinas; Sorocaba, SP, v. 19, n. 2, p. 487-507, jul. 2014.

BALL, S. J. Diretrizes Políticas Globais e Relações Políticas Locais em Educação. Currículo sem Fronteiras, v.1, n.2, pp. 99-116, Jul/Dez 2001.

BALL, S. J. Performatividade, Privatização e pós-Estado de Bem-Estar. Educ. Soc. v. 25 n. 89. Campinas set./dez. 2004.

BALL, S. J. Profissionalismo, gerencialismo e performatividade. Tradução de Celina Rabelo Duarte; Maria Lúcia Mendes Gomes; Vera Luiza Macedo Visockis. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 35, n. 126, p. 539-564, set./dez. 2005.

BONAMINO. A e SOUZA, S. Z. Três gerações de avaliação da educação básica no Brasil: interfaces com o currículo da/na escola. Educação e Pesquisa, São Paulo, p. 1-16, fev., 2012.

CASASSUS, J. Uma nota crítica sobre a avaliação estandardizada: a perda da qualidade e a segmentação social. Sísifo. Revista de Ciência da Educação, pp71-78, 2009.

DOURADO, L. F. Reforma do estado e as políticas para a educação superior no Brasil nos anos 90. Educ. Soc., Campinas, vol. 23, n. 80, setembro/2002, p. 234-252.

DUARTE, Adriana Maria C. O processo de trabalho docente na educação básica: a análise dos pesquisadores da Rede Estrado. Revista de C. Humanas, Vol. 6, Nº 2, p. 239-252, Jul./Dez. 2006.

FREITAS, L.C. Qualidade negociada: avaliação e contrarregulação na escola pública. Educ. Soc, Campinas, v. 26, n. 92, p. 911-933, 2005.

FREITAS, L.C. Responsabilização, meritocracia e privatização: conseguiremos escapar ao neotecnicismo? In: Anais do Congresso Brasileiro de Educação. CBE, CEDES: Campinas, 2011.

FREITAS, L.C. Crítica da organização do trabalho pedagógico e da didática. Campinas: Papirus, 8ª edição, 2006.

FREITAS, L.C. Os reformadores empresariais da educação: da desmoralização do magistério à destruição do sistema público de educação. Educ. Soc., Campinas, v. 33, n. 119, p. 379-404, abr.-jun. 2012.

FREITAS, L.C. Os reformadores empresariais da educação e a disputa pelo controle do processo pedagógico na escola. Educ. Soc., Campinas, v. 35, nº. 129, p. 1085-1114, out.-dez., 2014.

HYPOLITO, A. M. Políticas curriculares, Estado e regulação. Educ. Soc. Campinas, SP, v. 31, n. 113, p. 1337-1354, out./dez. 2010.

NOVAES, Maria Eliana. Professora primária: mestra ou tia? São Paulo: Cortez, 1984.

OLIVEIRA, D. A. Nova gestão pública e governos democrático-populares: contradições entre a busca da eficiência e a ampliação do direito à educação. Educ. Soc., Campinas, v. 36, nº. 132, p. 625-646, jul.-set., 2015.

OLIVEIRA, D. A. Política educacional e a reestruturação do trabalho docente: reflexões sobre o contexto latino- americano. Educação e Sociedade, Campinas, v. 28, n. 99, p. 355- 375, maio/ago. 2007.

OLIVEIRA, D. A. A reestruturação do trabalho docente: precarização e flexibilização. Educ. Soc. [online]. 2004, vol.25, n.89, pp. 1127-1144. ISSN 0101-7330. doi: 10.1590/S0101-73302004000400003.

OLIVEIRA, D. A. Regulação das políticas educacionais na América Latina e suas consequências para os trabalhadores docentes. Educação e Sociedade, vol.26, n. 92. 2005.

SANTOS, L.L.C.P. Formação de professores na cultura do desempenho. Educação & Sociedade, Campinas, v. 25, n. 89, p. 1145-1157, set./dez. 2004.

SHIROMA, E. O.; EVANGELISTA, O. A colonização da utopia nos discursos sobre profissionalização docente. Perspectiva, Florianópolis, v. 22, n. 2, p. 525-545, 2004.

SOUSA, S. M. Z. L.; OLIVEIRA, R. P. Políticas de avaliação da educação e quase mercado no Brasil. Educ. Soc., Campinas, v. 24, n. 84, p.873-895, set.2003.




DOI: https://doi.org/10.30612/eduf.v8i22.9055

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.