Grupo de pesquisa “Formar”: inovação ou reinvenção de saberes?

Mônica Vasconcellos, Mylene Santiago

Resumo


Inserido no Observatório Internacional de Inclusão, Interculturalidade e Inovação Pedagógica, este trabalho busca problematizar o conceito de inovação pedagógica e relacioná-lo à trajetória de constituição de um grupo de pesquisa voltado ao estudo de questões ligadas à formação docente e suas relações com a adoção de práticas que rompem com o modelo tradicional. Com essa finalidade, inicialmente, fomentaremos um debate acerca do referido conceito, no contexto da formação de professores, e suscitaremos reflexões relacionadas a esse campo alinhadas às discussões da área sobre a formação docente. Em seguida, apresentaremos informações relativas à constituição do grupo de pesquisa denominado Formar, cujo objetivo foi indicado anteriormente. Credenciado ao Diretório de grupos do CNPq, o Formar é composto por professores e discentes de instituições públicas da região Sudeste do Brasil. Os dados apresentados neste artigo foram pautados pelas informações descritas no diário de bordo da coordenadora do grupo e nas atas produzidas a cada reunião. Em linhas gerais, os resultados apontam que o grupo nasce com o espectro da colaboração compreendido como princípio que fundamentará os encaminhamentos em suas diferentes dimensões e ações.


Palavras-chave


Formação de professores. Grupo de pesquisa e inovação pedagógica.

Texto completo:

PDF

Referências


CUNHA, Maria Isabel. Inovações na educação superior: impactos na prática pedagógica e nos saberes da docência. Em Aberto, Brasília, v. 29, n. 97, 2016, p. 87-101.

DESGAGNÉ, Serge. O conceito de pesquisa colaborativa: a ideia de uma aproximação entre pesquisadores universitários e professores práticos. Revista Educação em Questão, Natal, v. 29, n. 15, p. 7-35, maio-ago. 2007.

FINO, Carlos Manuel Nogueira. Inovação e invariante (cultural). Atas do VII Colóquio sobre Questões Curriculares. Braga: Universidade do Minho, 2006. Disponível em: http://www.uma.pt/carlosfino/publicacoes/a3.pdf.

FINO, Carlos Manuel Nogueira. Inovação pedagógica: significado e campo de (investigação). In: MENDONÇA, Alice; BENTO, António V. (Org.). Educação em tempo de mudança. Funchal: Grafimadeira, 2008. p. 277-287. Disponível em: http://www3.uma.pt/carlosfino/publicacoes/Investigacao_e_inovacao.pdf.

FINO, Carlos Manuel Nogueira. Investigação e inovação (em educação). In: MENDONÇA, Alice; SOUSA, Jesus Maria (Org.). Pesquisar para mudar (a educação). Funchal: Universidade da Madeira CIE-Uma, 2011. p. 29-48. Disponível em: http://www3.uma.pt/carlosfino/publicacoes.htm.

FINO, Carlos Manuel Nogueira. Inovação pedagógica e ortodoxia curricular. Revista Tempos e Espaços em Educação, São Cristóvão, v. 9, n. 18, p. 13-22, jan.-abr. 2016.

FINO, Carlos Manuel Nogueira. Inovação Pedagógica: Significado e Campo (de investigação). In Alice Mendonça & António V. Bento (Org). Educação em Tempo de Mudança. Funchal: Grafimadeira, pp. 277-287, 2008.

GATTI, Bernadete Angelina. A construção da pesquisa em educação no Brasil. Brasília: Plano, 2002. v. 1. (Pesquisa em educação.)

IBIAPINA, Ivana Maria Lopes de Melo. Pesquisa colaborativa: investigação, formação e produção de conhecimento. Brasília: Líber Livro, 2008.

OIIIPE - Observatório Internacional de Inclusão, Interculturalidade e Inovação Pedagógica. Lapeade/UFRJ, 2016. Disponível em: http://www.lapeade.com.br/pesquisas.html

PONTE, João Pedro da. Pesquisar para compreender e transformar a nossa própria prática. Educar em Revista, v. 24, p. 37-66, 2004.

VASCONCELLOS, Mônica. Formação docente e entrada na carreira: uma análise dos saberes mobilizados pelos professores que ensinam matemática nos anos iniciais. 2009. 206f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campo Grande.




DOI: https://doi.org/10.30612/eduf.v8i22.9043

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.