Rios Monçoeiros e práticas educativas: Notas sobre patrimônio cultural no processo de formação do docente em História

Marcos Lourenço Amorim

Resumo


Neste texto apresenta-se o itinerário, a operacionalização e os resultados da investigação da temática do patrimônio cultural no processo de formação do docente em História, focada nas relações entre o patrimônio histórico e formação de professores de História das Escolas de Educação Fundamental no município de Coxim, MS. O arrolamento e seleção do material empírico foram retirados dos arquivos locais e do acervo organizado a partir das histórias de vidas de professores e das trajetórias profissionais (formação, práticas e saberes). A análise dessas fontes permite desvelar parte da história da educação no sul de Mato. A investigação foi desenvolvida a partir das seguintes categorias de análise: relações entre o patrimônio histórico e a formação de professores de História das Escolas de Educação Fundamental no município de Coxim, MS; inserção de temas naturais nas atividades de formação docente. Os dados obtidos foram interpretados a partir das categorias de análise explicitadas, com a consideração da articulação entre o particular – o patrimônio cultural na Escola na cidade de Coxim – e o geral, o contexto histórico-escolar e social do país. Nesta abordagem apresentamos a paisagem enquanto elemento constitutivo do patrimônio cultural e a forma como a memória coletiva sobre este é percebida por docentes do campo da História. Analisamos as representações da memória e do patrimônio cultural local sobre o maior movimento migratório fluvial na história do Brasil em suas relações intrínsecas com os rios Coxim e Taquari. A hermenêutica da pesquisa comporta questões acerca da identidade histórica regional pelo viés da sociologia bourdesiana e da metodologia da história oral, cuja estratégia narrativa utilizada, liga ensino, pesquisa e extensão.

Palavras-chave


Formação de professores. História Regional. Patrimônio cultural.

Texto completo:

PDF

Referências


AMADO, Janaína e FERREIRA, Marieta de Moraes (Orgs.). Usos e abusos da história oral. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1996.

AMORIM, Marcos Lourenço de. O segundo Eldorado brasileiro: navegação fluvial e sociedade no território do ouro. Dissertação de Mestrado; Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS, Dourados MS, 2004.

ANDERSON, Benedict. Comunidades imaginadas. São Paulo: Ática, 1989.

BACHELARD, Gaston. A poética do espaço. São Paulo. Martins Fontes, 1993.

BALLART, Josep. El patrimonio histórico y arqueológico: valor y uso, Barcelona, Ed. Ariel, 1997.

BHABHA, Homi. O local da cultura. Belo Horizonte: Ed. da UFMG, 1998.

BERGSON, Henri. Matéria e memória: ensaio sobre a relação do corpo com o espírito. São Paulo. Martins Fontes, 1999.

BOURDIN, Alain. A questão local. Rio de Janeiro, DP & A Editora, 2001.

BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas simbólicas. (Introdução, organização e seleção de Sérgio Miceli). São Paulo: Perspectiva, 1974.

______. A gênese dos conceitos de habitus e de campo. In: BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Trad. Fernando Tomaz. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1989. p. 59-73.

______. Campo do poder, campo intelectual e habitus de classe. In: BOURDIEU, P. Economia das trocas simbólicas. Rio de Janeiro: Perspectiva, 1992. p. 201-202

______. O campo científico. In: Ortiz R, (org.) Pierre Bourdieu – sociologia. São Paulo: Ática; 1994.

______. A ilusão biográfica. In: AMADO, Janaína e FERREIRA, Marieta de Moraes. Usos e abusos da história oral. – 8. Ed. – Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006.

______. Escritos de educação. 4.ed. Petrópolis: Vozes; 2002.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Fundamental 3º e 4º Ciclos – História. Brasília: MEC/SEF, 1998.

BRESCIANI, Stella; NAXARA, Márcia (Orgs.). Memória e (res)sentimento. Indagações sobre uma questão sensível. Campinas: Ed. Unicamp, 2004.

BRAUDEL, Fernand. O mediterrâneo e o mundo mediterrâneo na época de Filipe II. São Paulo: Martins Fontes, 1983.

CANCLINI, Néstor Garcia. Culturas híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. Tradução Heloísa Pezza Cintrão e Ana Regina Lessa. 4. ed. São Paulo: Edusp, 2003.

CANOVA, Loiva. Antônio Rolim de Moura e as representações da paisagem no interior da colônia portuguesa na América (1751-1764). Tese (Doutorado em História). PPGH, UFPR, Curitiba, 2011.

CHARTIER, Roger. A "Nova" História Cultural existe? In: LOPES, Antônio Herculano, VELLOSO, Mônica Pimenta, PESAVENTO, Sandra Jatahy. História e Linguagens: texto, imagem, oralidade e representações. Rio de Janeiro: 7 letras, 2006.

______. A História cultural: entre práticas e representações. Bertrand Brasil, 1990

CHIZZOTTI, Antonio. Pesquisa qualitativa em ciências humanas e sociais. Petrópolis, Vozes, 2006.

CHOAY, Françoise. A alegoria do patrimônio. São Paulo: Estação Liberdade: Editora Unesp, 2001.

FERNANDES, Luis H. M. Minas do Cuiabá, ilha dos sertões: considerações sobre o papel da metrópole na expansão dos domínios portugueses na América (1721-1728). Dissertação (Mestrado em História), UNESP/Assis, 2011.

GALETTI, Lylia da Silva Guedes. Nos confins da civilização: sertão, fronteira e identidade nas representações sobre Mato Grosso. 2000. Tese (Doutorado em História Social) FFLCH/USP, São Paulo.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 2008.

GIMENO SACRISTÁN, José. Tendências investigativas na formação de professores. In: PIMENTA, Selma Garrido; GHEDIN, Evandro. (Orgs.). Professor reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. São Paulo: Cortez, 2002.

GODOY, Silvana Alves. Itu e Araritaguaba na rota das monções (1718-1738). Unicamp Campinas, 2002.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Vértice, 1990.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro, DP&A Editora, 1997.

HOLANDA, Sergio Buarque de Holanda. Monções. Nota da 2 ª edição. Monções. São Paulo: Editora Alfa-Omega, 1976.

HORTA, Maria de Lourdes Parreira et al. Guia básico de educação patrimonial. Brasília: IPHAN/ Museu Imperial, 1999.LE GOFF, Jacques. História e Memória. Campinas: Editora da Unicamp, 2003.

NÓVOA. António. Os professores e a sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1992a.

______. Os professores e as histórias da sua vida. In: Nóvoa, António. (Org.) Vidas de professores. Porto: Porto Editora,1992b.

______. O regresso dos professores Pinhais: Melo, 2011a.

______. Pedagogia, a terceira margem do rio. Conferência. Auditório da Escola de Aplicação da Faculdade de Educação da USP. (Org.) IEA - Instituto de Estudos Avançados – USP. Disponível em: www.iea.usp.br/publicacoes/textos/ pedagogianovoa.pdf Acesso em:

de maio de 2011b

PRESSOTTI, Thereza Martha. A natureza dos rios nas Notícias Práticas das Minas de Cuiabá: a trilha das águas nos Pantanais do centro da América do Sul. Textos de História, vol. 17, nº 1, 2009. Disponível em: seer.bce.unb.br/index.php/textos/article/download/1712/1330 p. 107-132. Acesso em: 23 out. 2013.

ROSA, João Guimarães. Primeiras estórias. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1988.

SETTON, Maria da Graça Jacinto. A teoria do habitus em Pierre Bourdieu: uma leitura contemporânea. Revista Brasileira de Educação, n. 20, p. 60-70, maio - ago. 2002.

SCHAMA, Simon. Paisagem e memória. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

SEIXAS, Jacy Alves de. Percursos de memórias em terras de história: problemáticas atuais. In: BRESCIANI, Stella; NAXARA, Márcia (Orgs.). Memória e (res)sentimento. Indagações sobre uma questão sensível. Campinas: Ed. Unicamp, 2004. p. 37-55.

SESMARIAS. Documentos do Arquivo do Estado de São Paulo. São Paulo: Typografia Piratininga, Vol. III. 1921.

TAUNAY, Afonso E. História das Bandeiras Paulistas. Tomo I, II e III. Edição Melhoramentos em São Paulo, 1975.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.