Ensino de pesquisa em educação e uso de tecnologias: uma experiência na modalidade blended learning em disciplina do curso de Pedagogia

Bernardo Kipnis, Fillipe Feitosa

Resumo


Este artigo tem por objetivo descrever uma experiência com o ensino de pesquisa em um curso de Pedagogia com uso de tecnologias. Associou o aprendizado on-line, com uso de ambiente virtual de aprendizagem, a encontros presenciais planejados, dirigidos ao aprendizado da pesquisa em educação, tendo por base a associação teoria e prática, no escopo de disciplina com duração de 60 horas. Divide-se a experiência em dois campos descritores, temático e pedagógico, que envolvem escolhas justificadas. No campo temático, discute-se a pesquisa científica como objeto da disciplina, dividida nas dimensões epistemológica, técnico-instrumental e normativa. Opta-se pela perspectiva da pesquisa empírica, de tradição da unidade do método científico. No campo pedagógico, faz-se a opção pela modalidade blended learning  e suas consequências no contexto da universidade pública. Conclui-se pela adequação da experiência adotada apontando para os limites do contexto institucional, refletidos em alunos e professores, bem como para a impossibilidade de se pensar a pesquisa para o aluno de graduação apenas como um disciplina, mas como um processo de formação no percurso de todo o curso.

Palavras-chave


Ensino de pesquisa em educação e tecnologia. Blended learning. Pedagogia.

Texto completo:

PDF

Referências


BACON, F. Novum Organum ou Verdadeiras Indicações Acerca da

Interpretação da Natureza. Portal Periódicos CAPES. Domínio Público.

Créditos da digitalização: Membros do grupo de discussão Acrópolis

(Filosofia). Disponível em: http://br.egroups.com/group/acropolis/. Acesso em: 25/11/2013.

CAMPOS, M. M. Para que serve a pesquisa em educação?Cadernos de

Pesquisa, v. 39, n. 136, p.269-283, jan./abr. 2009.

CASTELLS, M. A sociedade em rede.v. 1, 7ª Ed. SP: Paz e Terra, 2003.

FEYERABEND, P. K. Contra o método. 3ª Ed. RJ: Francisco Alves, 1985.

Higher Education Journal (Technological Horizons In Education). 38 (6),

June-July 2011.

KIPNIS, B. Educação superior a distância no Brasil: tendências e

perspectivas. In: LITTO, F. M.; FORMIGA, M. (orgs.).Educação

àdistância:o estado da arte. v. 1, SP: Pearson Prentice Hall, 2009.

KUHN, T. S. A estrutura das revoluções científicas. 4ª ed. SP: Perspectiva, 1996.

LAWINSCKY, F. M.; HAGUENAUER, C.Análise das ferramentas da

plataforma MOODLE do LATEC/UFRJ segundo a abordagem sistêmicorelacional de interação. Disponível em:

http://www.abed.org.br/congresso2011/cd/150.pdf Acesso em: 25/11/2013.

LÉVY, P. A inteligência coletiva: por uma antropologia do ciberespaço. 3ª

ed. SP: Loyola, 2000.

______Cibercultura.SP: Editora 34, 1999.

LITTO, F. M.; FORMIGA, M. (orgs.). Educação à distância:o estado da

arte. v.1. SP: Pearson Prentice Hall, 2009.

______; ______ (orgs.). Educação à distância:o estado da arte. v.2, SP:

Pearson Prentice Hall, 2012.

MOORE, M. G.; ANDERSON, W.G. (eds.).Handbook of distance

education. Mahwah, New Jersey: Lawrence Erlbaum Associates, Publishers, 2003.

OLIVER, M.; TRIGWELL, K. Can blended learning be redeemed?Elearning,

v.2, Number 1, 2005.

POPPER, K. R.A lógica da pesquisa científica. SP: Cultrix, 9ª. Ed., 1993.

SCHLICK, M. Positivismo e realismo. IN: Os pensadores. Textos

escolhidos. Schlick, Carnap e Popper.v. 44, SP: Abril Cultural, 1975.

WHITELOCK, D.; JELFS, A. Editorial: Journal of Educational Media.

Special Issue on Blended Learning.Journal of Educational Media, 28 (2-3),




Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.