Ciência, conhecimento científico e ideais de cientificidade no ensino e na formação de professores de ciências

Fabricio do Nascimento

Resumo


Neste artigo são discutidos os principais aspectos epistemológicos que fundamentam  e  orientam a  atividade  científica  e  analisadas  suas  influências  no ensino-aprendizagem  das ciências e na formação de professores desta área de conhecimento. Segundo a perspectiva sócio-histórica e a ideia  de ciência como processo em permanente construção, considera-se que os ideais de cientificidade, que  impõem à ciência critérios e finalidades, são transpostos acriticamente ao ensino de Ciências, transformando-se em obstáculos epistemológicos e didáticos, os quais influenciam as práticas cotidianas dos sujeitos e a atuação de professores. Preconiza-se a urgente necessidade de oferecer aos professores de Ciências uma sólida formação científica, numa perspectiva reflexiva, crítica e cidadã. Refletindo e atuando criticamente  sobre  seu  papel  e sobre  as  possibilidades  educativas  do ensino de Ciências, poderão auxiliar os alunos a construírem saberes estratégicos e a realizarem uma  leitura mais elaborada da realidade em que vivem, com vistas à sua transformação.

Palavras-chave


Ciência e ensino de Ciências. Epistemologia e didática do ensino de Ciências. Formação de professores de Ciências.

Texto completo:

PDF

Referências


AMARAL, I. A. Ambiente, educação ambiental e ensino de ciências. In:

SÃO PAULO (Estado). Ciências na escola de 1° grau - textos de apoio à

proposta curricular. São Paulo: SE/CENP, 1991, p. 39-62.

AUSUBEL, D. P., NOVAK, J. D. e HANESIAN, H. Psicología educativa:

un punto de vista cognoscitivo. Ciudad del México: Trillas, 1983.

BACHELARD, G. Epistemologia. Rio de Janeiro: Zahar, 1977.

_____. O novo espírito científico. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1985.

CHAUÍ, M. Convite à filosofia. São Paulo: Ática, 1997.

DEMO, P. Desafios modernos da educação. Petrópolis: Vozes, 1995.

FELT, U. A adaptação do conhecimento científico ao espaço público. In:

GONÇALVES, M. E. (org.). Cultura científica e participação pública.

Oieiras: Celta Ed., 2000, p. 27-43.

FIORI, E. M. Conscientização e educação. Educação e Realidade. Porto

Alegre, 11 (1), 3-10, 1986.

FRANCO, L. A. C. Problemas de educação escolar. São Paulo:

CENAFOR, 1986.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Paz e

Terra, 1986.

FUNTOWICZ, S. O. e RAVETZ, J. Science for the post-normal age.

Futures, 25 (7), 740-762, 1993.

GILBERT, J. K. The interface between science education and technology

education. International Journal of Science Education, 14 (5), 563-578,

HODSON, D. Philosophy of science and science education. Journal of

Philosophy of Education, 12, 25-57, 1986.

_____. e REID, D. J. Science for all: motives, meaning and implications.

School Science Review, 88, 653-667, 1998.

JAPIASSÚ, H. Questões epistemológicas. Rio de Janeiro: Imago, 1981

KNELLER, G. F. Ciência como atividade humana. Rio de Janeiro:

Zahar/EDUSP, 1980.

LEITE, S. B. Considerações em torno do significado do conhecimento. In:

MOREIRA, A. F. B. (org.). Conhecimento educacional e formação do

professor. Campinas: Papirus, 1994, p. 11-25.

MACHADO, O. V. M. Concepção do ensino de ciências de professores e

alunos da escola de 1° grau. São Paulo: PUC (tese de doutorado), 1996.

MARCELO, C. Análisis de los procesos de selección de contenido y su

enseñanza en profesores de educación general básica - principiantes y

expertos. In: VILLA, A. (Coord.). Perspectivas y problemas de la función

docente. Madrid: Narcea, 1988, p. 90-98.

_____. Formación del profesorado para el cambio educativo. Barcelona:

PPU, 1999.

____. Desenvolvimento profissional docente: passado e futuro. Sísifo.

Revista de Ciências da Educação. 08, p.7-22, 2009.

MAURI, T. O que faz com que o aluno e a aluna aprendam os conteúdos

escolares? In: COLL, C. et alii. O construtivismo na sala de aula. São

Paulo: Ática, 1998, p. 79-122.

MEDINA, A. e DOMÍNGUEZ GARRIDO, M. C. La formación del

profesorado en una sociedad tecnológica. Madrid: CINCEL, 1989.

MENEZES, L. C. Formar professores: tarefa da universidade. In: CATANI,

B. et alii. (Orgs.). Universidade, escola e formação de professores. São

Paulo: Brasiliense, 1987, p. 115-125.

NASCIMENTO, F. Pressupostos para a formação crítico-reflexiva de

professores de ciências na sociedade do conhecimento. In: MIZUKAMI, M.

G.. N. e REALI, A. M. M. R. (orgs.). Teorização de práticas pedagógicas:

escola, universidade, pesquisa. São Carlos: UdUFSCar, 2009, p. 35-72.

NÓVOA, A. Formação de professores e profissão docente. Lisboa: Dom

Quixote, 1992.

PÉREZ GÓMEZ, A. I. e GIMENO SACRISTÁN, J. Comprender y

transformar la enseñanza. Madrid: Morata, 1996.

POPE, M. L. Constructivist goggles: implications for process in teaching

and learning. Paper Presented at the AERA Conference, Sheffield, 1985.

PORLÁN, R. e RIVERO, A. El conocimiento de los profesores: una

propuesta formativa en el área de ciencias. Sevilla: Díada, 1998.

SAVIANI, D. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. São

Paulo: Cortez, 1991.

SILVA, J. I. A educação e a revolução científica e técnica contemporânea.

Revista ANDE, 11 (18), 5-13, 1992.

SOLÉ, I. Disponibilidad del aprendizaje y sentido del aprendizaje. In:

COLL, C. et alii. El Constructivismo en el Aula. Barcelona: Graó, 1993, p.

-46.

_____. e COLL, C. Os professores e a concepção construtivista. In: COLL,

C. et alii. O construtivismo na sala de aula. São Paulo: Ática, 1998, p. 9-28.

SOUSA SANTOS, B. A crítica da razão indolente: contra o desperdício da

experiência. São Paulo: Cortez, 2000.

STORT, E.V.R. Cultura, imaginação e conhecimento: a educação e a

formalização da experiência. Campinas: Ed. UNICAMP, 1993.

TORRES, R. M. Que (e como) é necessário aprender? Campinas: Papirus,

VEIGA, M. L. Formar para um conhecimento emancipatório pela via da

educação em ciências. Revista Portuguesa de Formação de Professores. 2, 49-62, 2002.

VIEIRA PINTO, A. Ciência e existência. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins

Fontes, 1984.

YOUNG, R. E. A. Study of teacher epistemologies. Australian Journal of

Education, 25 (2), 194-208, 1981.

ZABALA, A. Aprendizaje significativo: el profesor como movilizador de

las competencias de sus alumnos. Barcelona: Grão, 1998.

ZANETIC, J. Ciência, seu desenvolvimento histórico e social - implicações

para o ensino. In: SÃO PAULO (Estado). Ciências na escola de 1° grau -

textos de apoio à proposta curricular. São Paulo: SE/CENP, 1991, p. 7-19.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.